Um jogo de inteligência. A inalterável selecção inglesa.

[multilanguage_switcher]Não podia ser maior o contraste entre o jogar da equipa espanhola e o da selecção inglesa. Os anos passam, Inglaterra continua sem somar conquistas no futebol sénior a nível internacional, mas nem por isso o estilo e o perfil de jogador se alteram.

O jogo tem evoluído para um caminho que privilegia a inteligência, e a tomada de decisão a cada instante. Com bola, ter ideias, saber como desmontar organizações ofensivas. Colocar pausa e aceleração no tempo e na medida exacta.

Foi muito feliz a selecção de Southgate na recepção à Eslováquia. Demasiado tempo inferior na partida, sem ideias, sem elaborar o seu jogo, sempre à procura da correria, da bola bombeada para a frente, e do poderio físico dos seus elementos. Um jogar de antigamente, que deixará a Inglaterra ridiculamente exposta ao melhor jogar de todos os outros candidatos nas grandes provas internacionais.

Enquanto os melhores crescem e identificam o caminho, a selecção inglesa continua a praticar uma espécie de Atletismo com bola.

Correr, não pensar e procurar o choque, eis o jogo inglês.

Sobre Paolo Maldini 3791 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

2 Comentários

  1. Boa tarde,

    O que me surpreende é ver os jogadores do Tottenham, neste caso o corredor central quase todo (Dier, Alli e Kane) a fazerem coisas diametralmente opostas ao pedido pelo Pochettino.

    Será que é apenas pela falta do Eriksen? Parece-me que não.

    De resto, a habitual desgraça, Só faltava entrar o Ian Wright e o Peter Shilton para voltar aos anos 90.

    Um abraço,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*