Desmontar desorganizações. City goleia na Champions.

[multilanguage_switcher]No texto que referenciava a vitória do Sporting na Grécia, comecei assim:

Faz-se aqui um parênteses, para reforçar a competência dos treinadores portugueses. É uma falta de noção muito grande andar-se em Portugal a discutir se há ou não processo nas principais equipas lusas. Pode não se gostar de como X ou Y jogam, e tal é natural, negar evidências é que não. Quem pretender ver o que é verdadeiramente uma equipa sem processos, é virar-se para as ligas periféricas que estão ainda hoje nos tempos vividos em Portugal há sete, oito anos atrás. A equipa grega, treinada por um Albanês, não tem um movimento colectivo, seja defensivo ou ofensivo.

O City deslocou-se à Holanda, para defrontar o campeão holandês num dos jogos mais desnivelados da Liga dos Campeões. Não pelo resultado gordo, mas porque praticamente em todos os ataques, a equipa de Guardiola chegava ao último terço em condições de solicitar finalização.

O regresso do “seu” 4x3x3, com Bernardo Silva à direita, e Fernandinho como pivot de um triângulo que via Silva à esquerda, e De Bruyne à direita jogarem como interiores, ficou marcado pela imensa facilidade para construir e criar dos “citizens”.

Não precisou sequer de elaborar a sua organização ofensiva para sucessivamente criar perigo. Bastava ligar dois, três passes de dificuldade nula para a qualidade dos seus intervenientes, e as avenidas abriam-se pelo campo até à baliza do guardião holandês.

Da partida a certeza do quão aprazível fica o futebol de quem permite que David Silva, De Bruyne, Bernardo, Aguero e Jesus partilhem o mesmo campo em simultâneo, e a forma como tacticamente o campeão da Holanda se encontra no nível referenciado no texto anterior.

Para quem pretender saber o que é de facto não ter processo, isto é, não haver ligações colectivas, e cada um comportar-se no campo da forma como entende, individualmente, ser melhor para si, fica o video. Mesmo nas bolas paradas, o momento do jogo em que mesmo em Portugal já se intervinha há décadas, não há qualquer princípio colectivo.

Para os que “caíram” por cá mais tarde, ao longo destes dez anos de “Lateral Esquerdo”, salvo raríssimas excepções, isto era a Liga portuguesa antes de Jorge Jesus:

Para terem acesso a todos os conteúdos que por cá se produzem, e darem uma pequena ajuda tornem-se patronos deste projecto. Também com acesso à drive do Lateral Esquerdo, onde partilhamos “influências”. Recordamos que 1 euro mês será desde logo uma grande ajuda! Alternativa no lateralesquerdo.com@gmail.com.

 

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3046 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

7 Comentários

  1. Adoro como o matulão que no minuto 1:40 deixa a equipa toda do city em jogo por demorar 2 meses para subir, é o primeiro a pedir fora de jogo 🙂

  2. Mourinho em 2001 ou 2002 iniciou o seu trajeto…comecou a suscitar a curiosidade de muitos, a ser observado e seguido. Foi o grande boom e upgrade maior na area do treino. Como outros anteriormente fizeram, em Portugal e no mundo. O futebol tem uma evoluçao historica, marcada por tendencias que surgem e pela evolucao de todas as outras areas inerentes ao desporto. Evolui num piscar de olhos nesta nova era… talvez a recuperar “tempo” relativamente à organizacao e momentos de jogo ja trabalhados ha muito tempo em outros desportos coletivos. Atribuir a evolucao da maior organizacao das equipas e outras “coisas” mais, a J.Jesus, sem tirar o merito pelo seu trabalho, é demasiadamente, digamos, redutor. Toda uma sociedade mudou, as tecnologias aproximaram a informaçao, a boa e a má, os estudos nas diversas areas suscitaram interesse pelo treino mais que nunca e tudo isso marca estes tempos. Em todos os campeonatos se veem equipas mais organizadas que outras, a referida disputou o titulo holandes com o ajax, finalista da liga europa. Nao o podia ter feito sem organizacao, como era mais visivel ha 20 anos atras e nao ha 7. Quanto ao City, tem o outro grande impulsionador de um jogar diferente…do jogar que mais encanta qualquer apaixonado pelo jogo. É uma opiniao, certa ou errada, é uma opiniao.

    • É ler o comentário do aquaporina. Um Nuno Manta ou um VP, com um clube de segunda ou terceira linha limpavam fácil o campeonato. Pobre que dói tacticamente e jogadores na sua generalidade sem a mínima noção do que é jogar futebol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*