Como Jesus anulou Messi, e o seu “confessar” sobre quem é o melhor do mundo

Na realidade nunca se anula Messi, porque tal é praticamente impossível. Ou pelo menos até à data está por provar que alguém o tenha conseguido. O que é possível é anular os caminhos até ao astro argentino, retirando-lhe bola. E foi precisamente dessa forma que Jorge Jesus preparou o jogo com o Barcelona. Com semelhanças evidentes com as opções tomadas por José Mourinho no último jogo em que defrontou Hazard.

Embora há alguns anos atrás tenha confessado numa entrevista que para tudo no jogo há soluções tácticas, excepto para parar Messi, o treinador leonino tem sabido sempre manter o discurso que melhor cai nos ouvidos portugueses. São os dois melhores, são os dois Extra Terrestres, e nunca separa Messi de Ronaldo quando se trata de elogiar.

Porém, o treinador português que na temporada transacta defrontou por duas vezes Cristiano, deixou bem perceptível nos seus actos aquilo que por palavras não diz.

Todo o jogo foi preparado para anular a influência gigantesca que Messi tem no campo. Desde as zonas de criação à construção, o plano do Sporting para vencer o Barcelona passava pelo retirar do argentino do caminho da bola.

Falou numa marcação mista ao argentino, feita por Battaglia e Mathieu. Mas, como funcionou na prática a estratégia que fez com que Messi tivesse passado por uma das partidas em que teve menos bola e menos influência no jogo dos últimos largos anos? Qual a referência para trocarem a marcação? E que importância teve William também no condicionar do número de bolas que Messi recebeu?

Para terem acesso a todos os conteúdos que por cá se produzem, e darem uma pequena ajuda tornem-se patronos deste projecto. Também com acesso à drive do Lateral Esquerdo, onde partilhamos “influências”. Recordamos que 1 euro mês será desde logo uma grande ajuda! Alternativa no lateralesquerdo.com@gmail.com.

Sobre Paolo Maldini 3791 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

6 Comentários

  1. Muito bom, mesmo.
    Ontem deu para ver que havia mais espaço do lado esquerdo da defesa.
    Que o Messi pouco tocou na bola. Mas não consegui ver estes pormenores.
    Muito obrigado

  2. Apesar de ter claramente reduzido o tempo em que Messi teve a bola, esta abordagem deixa muito a desejar. Não penso que o problema do Barcelona ontem tenha sido falta de espaço no meio, visto a referência individual, não só a Messi (os laterais do Sporting eram constantemente arrastados), ter deixado por várias vezes, demasiado espaço à frente da linha defensiva do Sporting.
    Sobre os laterais: Apesar de curto, o vídeo mostra-nos mais de uma situação em que a bola entrou no espaço central-lateral e outras em que poderia muito bem ter entrado.

  3. Fora de campo e em quase tudo o que não diz respeito ao treino não há paciência para o senhor. Dentro de campo é do melhor que existe. Independentemente de gostar ou desgostar da solução (aquele corredor central descoberto… mas não dá para ter tudo!) admiro bastante esta capacidade de manipular o jogo à sua medida. Só é possível com um enorme conhecimento e muita capacidade de operacionalização. Não vi o jogo de ontem, quer dizer, vi uns bocados.

  4. Penso que o William tinha mais a tarefa de sair ao Rakitic do que estar sempre a fazer parede com o Battaglia.

    Como o Rakitic recebia mais atrás, acabava por também ter algum cuidado com o anular de linhas de passe para Messi. Mas penso que a principal tarefa era sair ao Rakitic.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*