O clássico do fim de semana. Sporting recebe o FC Porto.

O que esperar do embate entre os dois primeiros classificados da Liga?

Jorge Jesus prometeu a vitória, o que acontecendo permitirá ao Sporting assumir a liderança isolada, pertença por estes dias, do FC Porto. Mas estará o Sporting preparado para dar o salto?

Não deverá fugir à sua matriz organizacional a equipa leonina, e no plano estratégico será um Sporting mais próximo do que é habitualmente, sem cuidados especiais com qualquer individualidade azul e branca, que não tenha já com quaisquer outro jogador, dentro dos comportamentos habituais do modelo de Jorge Jesus.

Expectável portanto o regresso do 4x4x2, com três linhas bem definidas, com a dúvida sobre quem será o médio centro que garante equilíbrios com última linha, e quem será o médio que salta na pressão. William e Battaglia deverão ter presença garantida no onze, estando somente por perceber o espaço a ocuparem na dinâmica colectiva.

Ofensivamente o desdobramento habitual em 3x3x4, com William ou Battaglia entre Coates e Mathieu, o outro médio centro entre primeira pressão do FC Porto e médios adversários, tal como os laterais, e os quatro mais adiantados já posicionados no espaço entre médios e defesas do FC Porto.

A transição ofensiva da equipa de Sérgio Conceição poderá ser um problema, e é possível que na sua organização na construção, os laterais leoninos não se posicionem tão longe de poderem recuperar a sua posição na linha defensiva. Será o lado estratégico a funcionar na abordagem ao jogo por Jorge Jesus.

 

Mais difícil prever como Sérgio Conceição prepará o FC Porto do ponto de vista estratégico. Embora as saídas ao Rio Ave e ao Mónaco, equipas que poderiam apresentar argumentos maiores do ponto de vista ofensivo, e obrigarem a equipa azul a uma pressão e organização defensiva mais elaborada, possam ser boas pistas.

Não será pois de estranhar que prepare a introdução de um quinto elemento na linha média, posicionado no corredor central, possibilitando dessa forma libertar um pouco mais de espaços tão baixos e do rigor posicional Brahimi e Jesus Corona ou Marega.

Em suma, garantir pela presença de um terceiro elemento no corredor central, linha média, a possibilidade de ter Brahimi e o ala que for a jogo do lado oposto, menos ligados em termos posicionais ao meio campo, e mais prontos para receber a bola em espaços mais adiantados após a recuperação da bola.

Um eventual FC Porto menos preocupado em chegar ao golo em organização ofensiva, e que não deverá conceder tanta liberdade para ir constantemente na profundidade a Allex e a Ricardo, e mais preocupado em fechar espaços, vencer os duelos nas zonas que definir, e libertar Brahimi para conduzir transições ofensivas a explorar defesa alta do Sporting e movimentos na profundidade de Aboubakar.

Sobre Paolo Maldini 3800 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*