Sporting onde Conceição o quis. 1ª parte em Alvalade.

Referiu-se a Herrera como o homem do jogo, o treinador leonino.

Não foi. Não foi porque na definição faltou-lhe amiúde mais qualidade, que terá sido o muito pouco que faltou ao FC Porto para traduzir no resultado a superioridade evidenciada ao longo de toda a primeira parte em Alvalade.

Mas o destino do jogo passou muito pelo mexicano e pela forma como Conceição teve o jogo que idealizou. A ausência de Coentrão facilitou a que o plano saísse na perfeição.

Com controlo do espaço entre linhas por Danilo, que pela forma como venceu todos os duelos não permitiu a Bruno criar nas poucas vezes em que teve posse de frente para a última linha, com Bas Dost, sem mover-se na ruptura, dando conforto à última linha dos azuis, e como previsto sem tocar mais de duas, três vezes na bola ao longo de toda a primeira parte, também pela forma como o FC Porto moldou o jogo, havia que anular a maior ameaça na criação leonina – Gelson Martins. Parando Gelson, pelo retirar-lhe da posse não haveria bolas para Dost entrar no jogo onde faz a diferença. Na grande área a finalizar.

E foi ai que entrou Herrera no jogo, pela forma como o FC Porto condicionou a construção leonina. Quando Sporting saía pela direita, Herrera baixava, fechava espaço à frente da linha média, Aboubakar fechava espaço à frente do central leonino, a equipa azul e branca encurtava o campo e obrigava o Sporting a sair pelo lado oposto. Ai, o comportamento da pressão da equipa de Sérgio Conceição era diferente. Não tapava o espaço à frente de Mathieu, mas antes convidava o Sporting a sair pelo seu corredor esquerdo, pela forma como Herrera saía na pressão, sempre com movimento em L, tapando primeiro ligação de Mathieu com corredor central, e saíndo depois na bola.

Foram quarenta e cinco minutos de Sporting a tentar sair sempre pelo corredor esquerdo, com a sensação de espaço que Sérgio Conceição oferecia, para recuperar mais à frente, beneficiando da menor qualidade de Jonathan, e de Acuña quando comparado com Gelson, mas também da presença de Danilo sobre a metade esquerda do campo leonino, para se impor nos duelos, sempre que o Sporting conseguisse ligação.

FC Porto a levar o Sporting para o seu lado menos capaz, e equipa leonina sem nunca conseguir assumir o jogo. As perdas sucediam-se, e ou os azuis saíam em transição ofensiva, com ataques rápidos de maior potencial, ou as bolas perdiam-se pela linha lateral e a posse voltava ao FC Porto.

Herrera tem o perfil físico e mental idealizado por Sérgio Conceição, que lhe permite cobrir mais metros de forma mais rápida, e vai surgindo quer a sair á construção adversária, quer como ligação defensiva com a linha média, e ainda tem disponibilidade para nas transições ofensivas assegurar os movimentos de dentro para fora, para explorar costas dos laterais adversários, que o modelo do FC Porto contempla.

Foi reconhecendo a influência táctica do mexicano que Jorge Jesus o trouxe para a conferência de imprensa. Faltou a Herrera, todavia, capacidade para nas suas decisões com bola aproximar mais o Porto de vencer em Lisboa.

O livro do “Lateral Esquerdo” está em promoção (9.90€) no Site da Prime Books (aqui).

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3767 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

1 Trackback / Pingback

  1. Hoje há clássico – Recordar o passado para construir o futuro – Lateral Esquerdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*