“Carlos (Carvalhal) had a dream”, e hoje são os adeptos do Sheffield que sonham.

por vezes… gostava de ter mais paciência com a bola e esperar o momento certo, mas às vezes não consegues controlar, mesmo com a minha equipa! Como o Gundogan, Bernardo, Silva, De Bruyne… eles têm a capacidade para dar um jogo mais calmo, mas aqui…  é sempre…. uhhhh… é energia para cima e para baixo

Pep Guardiola

Já por cá referimos por diversas vezes o quão a cultura própria da bancada influência o curso de um jogo e a tomada de decisão dos atletas. E tantas vezes aqueles que ousam diferente, se vêem com maiores dificuldades em ser aceites.

No caso da realidade britânica, todos apelam e pretendem um jogo sem controlo, de constantes correrias, e choques. Há, todavia, quem procure retirar ao máximo o caos e aleatoriedade do jogo, pela forma como preparam cada momento do jogo, e a ligação entre cada um destes, para que seja feita de forma mais harmoniosa e controlada possível. Guardiola referiu porque não pretende forma alguma um jogo mais directo. Embora possa ser bom para quem ganha a bola ficando com o jogo partido, quando não a vence, a equipa não subiu junta e não está preparada para a transição ofensiva.

Em Espanha o valor da bola é tão importante…

Pep Guardiola, sobre o que é mais valorizado no país que consecutivamente tem o clube vencedor da Liga dos Campeões

No Championship, aquela que é provavelmente a Liga mais competitiva do futebol mundial, e onde é possível encontrar vinte candidatos ao pódio final, há um outro treinador que procura ao máximo impor o seu jogo. Um jogo de inteligência e tentativa de controlo máximo sob o caos, numa realidade onde a cultura britânica se faz sentir ainda mais do que na Premier League.

Conseguir impor o seu jogo em tal contexto deverá ser o desafio maior que qualquer treinador tem pela frente ao longo de uma carreira. Daí o fascinante “apelo” que o contexto futebol inglês é para os melhores treinadores do futebol mundial.

E há um treinador de nacionalidade portuguesa que não só impõe as suas ideias, como soma boas prestações, garantiu o respeito de todo um país, e uma admiração muito especial dos seus. Os adeptos do Sheffield que com o português ao leme voltaram a sonhar com um regresso à divisão maior.

Uma coisa é preparar uma equipa na Turquia, onde todas as equipas jogam de forma similar. Não é fácil, mas a construção desta realidade é mais previsível. Em Portugal, Espanha, Itália ou Alemanha sabemos mais ou menos com o que contar. E montamos uma equipa para estas dificuldades. O Championship tem características distintas; temos de nos preparar para jogar sábado com o Newcastle, Norwich ou Derby, ou outras equipas que jogam apoiadas, a partir de trás; temos de ser mais organizados, com um padrão mais europeu, com capacidade para superar as dificuldades, mais competentes tacticamente. Na terça feira podemos defrontar uma equipa mais inglesa, com segundas bolas, jogadores altos, jogo muito parado, e todas as bolas paradas metidas na nossa área; um jogo diferente, com o desafio de dentro do nosso padrão, após vencer o Newcastle, como aconteceu, quando estava em primeiro, ter a capacidade de defrontar o Rotherham, último, e vencer aos 90’+4, num jogo dificílimo. Temos de nos preparar para uma prova heterogénea, jogando de três em três dias.

Carlos Carvalhal

A experiência e sucesso que Carlos Carvalhal vai somando num contexto que lhe proporciona uma variedade de situações inacreditável, a agradável ideia de jogo que preconiza, e a capacidade para entender o que o rodeia, tornam-o hoje um dos treinadores mais interessantes na Europa do futebol. E seguramente, dos mais preparados para qualquer contexto.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3043 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

3 Comentários

  1. A organização e funcionamento da equipa frente ao Leeds foi incrível, tanto pormenor interessante que merece ser destacado. Tanta personalidade em campo numa altura em que vinha sendo bastante contestado e acusado de estar a perder a compostura. E o que está a tirar de Gary Hooper!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*