Braga em ataque posicional

Entre o demérito do Feirense com especial destaque para a distração de Etebo, e o mérito bracarense de se mover com qualidade para desmontar a organização adversária, o Sporting de Braga chega a um golo no momento mais difícil de o conseguir. Em organização ofensiva, iniciando o ataque contra 11.

Movimento de Jefferson a arrastar ala direito da equipa da Feira, e a partir linha média, apoio frontal de Hassan a tirar defesa da jogada, e André Horta, o jogador ideal para receber a bola de frente para o jogo, pela sua qualidade a conduzir e a quebrar linhas, para posteriormente servir com enorme categoria a ruptura de Paulinho, que termina o vistoso lance com uma finalização de classe.

No Minho, a qualidade do trabalho de Abel faz-se notar cada vez mais. Tal como prometeu desde sempre.

Para terem acesso a todos os conteúdos que por cá se produzem, e darem uma pequena ajuda tornem-se patronos deste projecto. Também com acesso à drive do Lateral Esquerdo, onde partilhamos “influências”. Recordamos que 1 euro mês será desde logo uma grande ajuda! Alternativa no lateralesquerdo.com@gmail.com.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3047 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

6 Comentários

  1. Então porque motivo quando treinava o Sporting B o Abel era um péssimo treinador? Não seria por culpa dos jogadores certamente, visto que pelas mãos dele passaram jogadores fantásticos. E ainda assim, o processo ofensivo era chutão para a frente, não havia proximidade entre jogadores na zona da bola, o controlo da profundidade e da linha defensiva era ridiculo… Já para não falar das decisões inexplicáveis como ter afastado o João Mário.

    Terá sido a aprendizagem com o Peseiro?

  2. Provavelmente, a equipa B do Sporting a que o David se refere só tinha pernas de pau que, quais crisálidas que viram borboletas, se transformaram mais tarde em “jogadores fantásticos” ou então uns miúdos com algum jeito mas sem cérebro – porque as equipas B do Braga que o Abel comandou tinham princípios de jogo e jogavam um futebol agradável.

    Mas a propósito do jogo frente ao Feirense, o que mais gostei foi do controlo do jogo que o Braga conseguiu exercer no segundo tempo (para mim, melhor do que o primeiro, apesar de neste termos marcado os três golos). Destaco os dois centrais, muito bem com bola, sem caírem na tentação do chutão, mesmo quando o Feirense apertou mais alto.

    Mas, sinceramente, sei que não é essa a vossa praia aqui e que o futebol é o vosso ganha pão (e a vossa paixão), mas permitam-me este desabafo (que hoje é meu, ontem foi de outros e amanhã de outros será): em Portugal não é possível sequer apertar os calos aos três grandes, por muita competência que se tenha (e é sempre difícil tal a disparidade de meios). Mas esta época, com apenas dois lugares a darem acesso à Champions, isto está ainda pior. É de ponderar se vale a pena continuar a ligar a isto (e conheço muitos que já tiraram as devidas ilações).

  3. Pedro Ribeiro, deixo-te a equipa que o Abel iniciou em 2013/14 para tu tirares as tuas próprias conclusões em relação aos “pernetas” que somaram minutos nessa época:
    https://www.transfermarkt.pt/sporting-cp-b/startseite/verein/10949?saison_id=2013

    Eu vi praticamente todos os jogos dessa equipa, alguns ao vivo. Chegava a ser confrangedor o Abel constantemente a gritar aos centrais “bate bola, bate bola”. Ou quando mal se apanhava a ganhar metia uma mota (Dramé ou semelhante) e baixava as linhas para jogar no contra-ataque quando tinha jogadores com muito mais qualidade técnica que 95% dos rivais da 2ª Liga.

    O Abel neste momento pode apresentar um futebol agradável. Mas não foi essa a matriz dele quando esteve no Sporting B nem eram essas as suas ideias. E um treinador que sentou o João Mário ou o Iuri por estes fazerem diferente do “plano de jogo”, nem se pode dizer que seja por causa dos “pernetas”.

    • Mesmo na primeira época como treinador da B do Braga o Abel não fez um trabalho muito bom. Foi um treinador que cresceu muito quando o Paulo Fonseca aqui chegou e adaptou o seu 442 e, principalmente, algumas das suas ideias em organização ofensiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*