Curtas de Moreira de Cónegos

  • Um Benfica muito mais organizado na sua linha média em Moreira de Cónegos, com Pizzi e Krovinovic muitos furos acima no posicionamento defensivo, comparativamente com jogos anteriores. Já a moverem-se em função da saída de um e o outro ao central adversário (geralmente o ajuste de Krovinovic, quando Pizzi saía ao central esquerdo);
  • A percentagem de sucesso das acções de Krovinovic é um absurdo, sobretudo se percebermos que numa grande maioria das vezes toma opções mais ofensivas, seja progredindo para fixar e soltar, seja rodar para enquadrar e dar seguimento com espaços mais avançados, seja quando recebe de Cervi no último terço, para definir em zonas de criação;
  • O nível técnico e de tomada de decisão de Jonas a fazer toda a diferença. Em Moreira de Cónegos até perdeu algumas finalizações pouco habituais em si. A classe com que desenhou os golos da partida, é apenas mais um dia no escritório para um avançado que prova a cada jogo que o sistema não é assim tão relevante quando há qualidade para jogar em todas as fases. Por isso é tão completo, por isso sempre foi tão elogiado! Nunca foi um jogador só de golo, ou só de criação. É um jogador do jogo, capaz de definir sempre esteja onde estiver;
  • O número de perdas sem pressão de Samaris, porque tenta definir a um toque, quando manifestamente não tem nível técnico para o fazer, continua a ser um entrave para que o Benfica aproveite ainda melhor a presença de Pizzi, Krovinovic e Jonas no corredor central. O grego continua com a mesmo nível de precipitação com e sem bola desde que chegou à Liga portuguesa.
  • Excelentes ligações à esquerda, onde o Benfica desequilibrou o jogo ao longo de toda a primeira parte, com as suas combinações curtas;
  • Jogo tranquilo e com qualidade em organização, quer ofensiva quer defensiva, antes da deslocação a Braga que poderá determinar quase toda uma época. Na Pedreira só com rigor máximo e bom índice de aproveitamento ofensivo o Benfica poderá passar.
Rodrigo Castro
Sobre Rodrigo Castro 217 artigos
Rodrigo Castro, um dos fundadores do Lateral Esquerdo. Licenciado em Ed física e desporto, com especialização em treino de desportos colectivos, pôs graduação em reabilitação cardíaca e em marketing do desporto, em Portugal com percurso ligado ao ensino básico e secundario, treino de futsal, futebol e basquetebol, experiência como director técnico de uma Academia. Desde 2013 em Londres onde desempenhou as funções de personal trainer ligado à reabilitação e rendimento de atletas. Treinador UEFA A.

5 Comentários

  1. Pegando no ponto do Krovi, por outro lado temos um jogador que faz 1 acção correcta em cada 10, de seu nome Sálvio, e hoje foi mais do mesmo.
    Como se compreende a titularidade indiscutível do argentino quando há Zivkovic, Rafa, Diogo ou até Pizzi (com João Carvalho no meio)?

    Já que falei em Rafa, levantou outra questão… Esta é uma ideia que tenho e gostava de ouvir a vossa opinião. Não seria Rafa a solução perfeita para lateral direito (e para ele revitalizar a carreira)?
    Digo isto com base na sua velocidade incrível, arranque, e falta da técnica apurada (e eficácia) que deverá ter um extremo. Partindo de trás com espaço para correr e rasgar, tal como o Semedo, e adaptando-se como o Coentrão nos tempos do JJ, não seria ele uma enorme mais-valia na maioria dos jogos da liga, em que o Benfica ataca bem mais do que defende?
    E com o tempo poderia ganhar sentido táctico defensivo, até porque não me parece ser um jogador limitado a nível de inteligência para isso.

    • A nossa dinâmica está se transformando cada vez mais. Os blocos estão cada vez mais juntos a troca de bola é cada vez mais constante e isso faz com que o Sálvio seja um elemento estranho no 11. Acredito que o tem mantido em campo é a sua capacidade de fazer golo.

      Neste estilo de jogo enquadra-se mais um jogador como Zivkovic, contudo neste sistema de jogo com Jonas como ponta de lança muitas vezes vai haver falta de presença na área pois o Brasileiro foge para fazer jogar a equipa nesse momento os extremos vão ter que encher. Repara no primeiro golo de ontem o Jonas descai ligeiramente faz um cruzamento e quem está lá para atacar a bola ? Sálvio que arrastou com ele o lateral e por ai entrou o Pizzi isolado para fazer o golo.

      Estão a pedir dinâmicas e movimentações que não são assim tão adequadas alguns jogadores do plantel.

      Se a equipa está a ganhar com isso alguns jogadores não.

      Neste momento e voltando ao Sálvio acho que deveria se procurar outro tipo de alternativa que não me parece que esteja no plantel. Vejo potencial para o Raul e o Heriberto corresponderem a essa dinâmica a breve prazo

    • Na minha opinião adaptar o Rafa a lateral direito é um desperdício de talento, que tem de estar em zonas de terreno mais avançadas, para causar mossa naquilo que ele é mais forte, a transição ofensiva. Julgo que o melhor é mesmo começar a apostar nos que lá estão – Alex Pinto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*