Rúben Dias, futuro líder encarnado

Posicionamento, orientação corporal, concentração, tomada de decisão sem bola, enfim qualidade nas abordagens defensivas. A qualidade de Rúben mesmo quando jogava na segunda Liga era evidente.

Com tempo de jogo ao mais alto nível, tem crescido também nos momentos ofensivos, seja pela forma como progride com espaço, ou como vai descobrindo os colegas em espaços interiores. Aos vinte anos já tem muito menos erro que tantos outros, centrais feitos.

Um verdadeiro líder que conquistou bem cedo o seu espaço. Tal como havíamos previsto logo depois de o ver jogar, ainda na equipa B.

Na partida com o Rio Ave, até está ligado à perda do duelo que valeu o golo dos vilacondenses. O restante jogo foi apenas mais uma prova da personalidade de quem chegou para ficar.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3400 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

7 Comentários

    • Talento? Para dar e vender. Daqui a 3-4 anos está na selecção, não tenho duvidas.
      Não só tem uma tecnica de drible apuradíssima e uma excelente relação com a bola, que se vê muito pouco, como mete bolas ao centimetro, o que é ainda mais raro.
      É ainda um bocado fragil fisicamente. À semelhança do Bernardo e do João Carvalho (parece-me), a idade entre os 20 e os 22 será importante, alcançando uma maturidade fisica lá para os 23 ou 24.
      É um bocado diferente do Félix nesse sentido. Este ultimo é mais lutador, alem de jogar no meio, que promove mais duelos fisicos e maior intensidade. O João Filipe é um extremo.
      O que me intriga, e de certa maneira chateia, é não os porem a jogar juntos, do mesmo lado, para promoverem um entendimento entre os dois. No treino então devia ser todos os dias. Não há nada que chegue a dois jogadores jogarem um com o outro de olhos fechados, como se costuma dizer. Melhor que isso só mesmo 3 ou 4. Se forem 5 ou 6 temos um Barcelona. Dois jogadores que se entendem “de olhos fechados” decidem a maioria dos jogos, desde que a defesa nao meta agua e o resto da equipa funcione bem.
      Tudo bem que, parece-me a mim, os jovens do Benfica sejam experimentados nas varias posiçoes, o que os enriquece, e tambem seja importante prepará-los para a vida profissional onde nem sempre terão os companheiros preferidos, mas, por um lado, preparava-os para numa nova equipa procurarem novos companheiros preferidos, e por outro, continuo a pensar que mais importante que saber estar tacticamente, que é mais fácil de aprender, é saber resolver situações de jogo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*