“Ici c’est Paris” – Os Príncipes do Parque

Em Paris mora uma das melhores propostas ofensivas do futebol mundial, com talento individual que suporta a ideia colectiva e o PSG segue a sua caminhada rumo à conquista natural do título francês.

No passado fim de semana, mais uma demonstração de poder, qualidade e criatividade no duelo frente ao Marselha para a Ligue 1. O vídeo mostra os comandados de Unai Emery em ataque posicional. Do jogo, destaco a capacidade natural da equipa parisiense de ter bola, de se sentir confortável com a mesma, de cada portador ter sempre vários apoios próximos e linhas de passe com quem tocar e ligar, com o facto de usar a circulação para atrair o Marselha para onde queria e depois aproveitar espaços ou entrelinhas ou por fora nos corredores laterais (muito bem aproveitado o espaço entre central e lateral do Marselha) para poder criar e também da capacidade de saber gerir ritmos e a velocidade do jogo (saber acelerar/saber travar).

Muito interessante também a dinãmica dos três médios, com destaque para os interiores Rabiot e Lo Celso, já anteriormente aqui referenciados neste espaço, a baixar para tocar e assim atrair e chamar adversário à pressão, a baixar para pegar e assumirem eles as ligações da construção com a criação ou simplesmente já estando em posições mais altas no terreno para poder desequilibrar. Ao trabalho muito competente e capaz em zonas de construção e nas ligações com a criação, faltou por vezes neste último momento da decisão melhores definições de alguns lances, o que a acontecerem, poderiam ter trazido o score para um nível muito mais elevado. Foram várias as vezes em que o PSG através da sua circulação e da paciência com bola, conseguiu abrir espaços entre sectores da equipa do Marselha, partindo-a e entrando em zonas altas, onde aí por várias momentos tiveram situações apenas com a linha defensiva do Marselha pela frente.

Na frente, liberdade e criatividade absoluta para Neymar, Mbappé e Cavani. Os dois primeiros mais pelos corredores laterais (esquerdo e direito), mas com liberdade para aparecerem no corredor central e com isso criar desequilíbrios (ver movimentações de Neymar) individuais. Muito capaz também a relação destes com os seus laterais, criando dinâmicas interessantes nos corredores laterais que o Marselha simplesmente não conseguiu parar.

Vale a pena ver o vídeo.

 

José Carlos Monteiro
Sobre José Carlos Monteiro 47 artigos
Treinador de Futebol, Uefa B, com percurso e experiência em campeonatos nacionais nos escalões de formação. Colaborador como observador e analista em equipas técnicas na Primeira Liga. Alia a paixão pelo treino e pelo jogo à analise de jogo.

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*