Mar azul – O aprendiz passou o mestre

Um FC Porto mais controlador, num jogo equilibrado, em que o jovem prodígio Rafael Leão, por cá mencionado há um mês atrás, (aqui) ainda antes do início da sua explosão, se tornou o mais novo de sempre a marcar no clássico. Ele que teve mais tarde a oportunidade de resgatar um resultado diferente.

A equipa de Jorge Jesus surgiu nos dois jogos grandes da Liga fora de casa, a assumir uma postura de risco defensivo, na procura de retirar posse ao adversário. A sua estratégia nestes dois jogos é tida por muitos como o caminho número um a seguir. Não mostrar medo, ir para “cima deles”. Pessoalmente, creio que traz mais desvantagens do que vantagens. É verdade que retira tempo de ataque ao adversário, mas essa pressão constante também leva o adversário a predispor-se menos ao erro, porque “arrisca” menos. Além de que adiantar constantemente os médios para estar mais próximo do adversário directo a todo o instante, abre espaços entre sectores, sempre que há um timing para sair ao adversário mal preparado.

E perante um FC Porto com uma linha ofensiva com traços marcadamente físicos, tudo o que importa para se poder ser bem sucedido, é retirar espaço! Encurtar o campo a Marega, expondo-lhe as dificuldades técnicas, e não dar metros para comer.

Sérgio, um confesso outrora aprendiz de Jorge Jesus, mais calculista. Mais controlador. Com timings definidos para controlar e para pressionar. Linhas mais juntas em organização defensiva e momentos para apertar pensados com base em referências mais calculadas.

Sérgio Conceição vai provando passo a passo a óptima ideia que foi chamá-lo de volta à invicta. Curiosidade de vermos hoje um Porto defensivamente com um modelo próximo do antevisto aqui na sua passagem por Nantes.

Sobre Paolo Maldini 3791 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

4 Comentários

  1. Porque será que o Ontem vi-te no estádio da luz, que apesar da óbvia parcialidade costuma fazer análises sérias, discorda tanto desta análise?
    ://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1594405337294630&id=347101362025040&ref=page_internal&__tn__=%2AW-R

    Eu não tenho conhecimentos para analisar correctamente, pelo que vou lendo aqui e ali para perceber bem aprender. Perante a disparidade de opinião fico sempre desarmado. Normalmente confio mais no Lateral Esquerdo e tenho aprendido a admirar o Porto de SC.

  2. Eu gostei mais do Sporting, na primeira parte então! O FCP faz coisas que não me agradam nada e que também não são muito inteligentes (tipo oferecer constantemente a bola ao adversário após um único passe; insistência em bolas rápidas mesmo quando em inferioridade ou em zonas pouco indicadas para esse tipo de jogo;). É uma equipa que não será lembrada por aquilo que joga. E que sente enormes dificuldades quando o nível sobe um bocadinho.

  3. Qual é a sua opinião ao facto de o FCPorto ter deixado o jogo partir nos instantes finais e que quase deu o empate ao Sporting? Que comportamentos fizeram com que isso acontecesse?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*