Influência táctica de Battaglia no apuramento para os Quartos

FUTEBOL - Battaglia no Sporting - Vitoria de Setubal, jogo da 2 Jornada da PRIMEIRA LIGA 2017/2018. Estadio Jose Alvalade, em Lisboa. Sexta Feira, 11 de Agosto de 2017. (Miguel Nunes/ASF)

Na noite de ontem em Plezen, o Sporting começou por ser surpreendido bem cedo na partida, e tardou a acordar da letargia latente.

Aos sessenta e sete minutos, e quando perdia por dois a zero, Jorge Jesus tirou Cristiano Piccini do banco, colocou-o como lateral direito, retirou Petrovic do campo, e puxou Battaglia para a sua posição habitual.This content is only available to subscribers. Please contact us at lateralesquerdo.com@gmail.com for details or visit our Patreon page

Para terem acesso a todos os conteúdos que por cá se produzem, e darem uma pequena ajuda tornem-se patronos deste projecto. Também com acesso à drive do Lateral Esquerdo, onde partilhamos “influências”. Recordamos que 1 euro mês será desde logo uma grande ajuda! Alternativa no lateralesquerdo.com@gmail.com.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3232 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

1 Comentário

  1. A mim, pelo menos, parece-me incrível como, à semelhança do jogo de Chaves, um jogador que na minha opinião faz uma exibição, quando muito, medíocre, acaba por ser extremamente decisivo nos dois jogos, fruto de acções isoladas. Consideram haver, de forma pensada, espaço num 11 com processos implementados, para um jogador assim? Simplificando, é possível que um treinador pense “eu tenho 9 mecanizados em processos e rotinas e tenho mais 2 que são um talismã” ou “tenho mais 2 que assumem um free-role para o que der e vier”? Sou sportinguista e deixo ma questão: o nível exibicional de Gelson tem sido muito abaixo do esperado, no meu entender. Se, por um lado, é o agitador de serviço (com toda a importância que isso tem, sobretudo no Sporting actual), ele é o mesmo responsável por matar N ataques, fruto de uma má decisão quando conduz. Isso é só fruto do processo evolutivo ou poderá estar o jogador a acusar um excesso de responsabilidade ou estar mesmo “espremido” nesta fase da época?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*