Mário Rui, 32ª estreia de Fernando Santos.

O lado esquerdo da selecção campeã da Europa, nunca como agora teve tantas e tão boas opções! Depois de 1996, Dimas, Rui Jorge, Nuno Valente e Paulo Ferreira (que fez muitos jogos como defesa esquerdo), as opções neste momento recaem em Raphael Guerreiro, Fábio Coentrão e Mário Rui.

Raphael vem aos poucos a recuperar de uma lesão grave (a ultima vez que fez 90 minutos foi em Dezembro), Coentrão está também ele aos poucos a ganhar o ritmo e a consistência que o levou a Madrid, no entanto perdeu algo que o distinguia dos restantes e o fez um dos melhores laterais do mundo, o desequilíbrio ofensivo.

Mário Rui apresenta-se vindo de uma das melhores ideias do mundo futebolístico, o Nápoles de Sarri! Ideia essa que consegue potenciar, mas também disfarçar muitas lacunas nos seus intervenientes! Mário, em posse não arrisca, joga simples, consegue em espaços curtos manter a calma e jogar como Sarri quer, de pé para pé, sem pressas. Movimenta-se sempre de forma a dar apoio ao portador, sabe onde se posicionar e para onde ir. Ofensivamente gosta de jogar perto da linha mas sabe quando aparecer por dentro, no entanto não é um lateral técnico, precisa de espaço para cruzar ou passar, dificilmente cria desequilíbrio se tiver oposição e se no Nápoles consegue muitas vezes combinar com colegas para tirar a bola do corredor, na selecção não terá muitas das vezes colegas por perto e terá de sair no 1×1…as tais ideias!!!

Defensivamente aparenta ser baixo, mas tem o mesmo 1.70m de Raphael, é agressivo e quando entra no duelo, na tentativa de desarme, raramente perde. É rápido a ocupar o espaço e a encurtar quando deve fechar os caminhos ao portador da bola.

Em suma, na nossa perspectiva, das 3 opções é a que parece dar mais garantias actualmente, pois não saberemos como Raphael e Fábio poderão chegar a Junho. Fábio por exemplo, leva neste momento 35 jogos nas pernas, se estiver fisicamente apto, pela experiência, qualidade e o que pode dar á equipa com bola, será sem duvida o titular, mas até lá será uma incógnita! Raphael tem um longo caminho a percorrer, pois a recuperação da lesão grave que teve pode ser um entrave à sua entrada na lista final!

Relembramos apenas, que no ultimo mundial do Brasil, com a lesão de Fábio Coentrão, andamos com Miguel Veloso e André Almeida na lateral canhota. Levar duas opções com histórico de lesões complicadas, pode custar caro!

Pelo Nápoles

Por Portugal

4 Comentários

  1. Sinceramente, com a quantidade de opções de qualidade para todas as posições não me parece que tenha muitas hipóteses de ser chamado.

    • Certo, daí eu ter colocado a questão ‘poderia ter’. O que achas que poderia acrescentar, em relação a todos os outros, partindo do princípio que, tirando Coentrão, todos são suplentes ou sem ritmo ou a jogar em equipas de terceira linha? Falo dos laterais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*