Pelé, o relógio vilacondense

FUTEBOL - durante o jogo FC Porto - Rio Ave relativo a Fase de Grupos da Taça da Liga. Estadio do Dragão no Porto. Quinta, 21 de Dezembro de 2017. ASF/HELENA VALENTE

E se os próprios grandes em Portugal, numa liga tão desnivelada, têm tido problemas para abdicar deste tipo de jogador, como poderá sequer um Rio Ave pensar em jogar sem alguém mais disponível para as tarefas defensivas, quando não há um único jogador na sua equipa que tenha nível suficiente para um jogo próximo dos “oitenta e cinco / noventa por cento limpo”. Quanto mais todos!

Pedro Bouças, aqui

Curiosamente, e no clube citado, há um jogador que tem na presente edição da Liga mantido o seu registo ao longo de praticamente todos os jogos acima dos tais oitenta porcento de boas acções. Por estas entenda-se, somatório de uma boa decisão com uma boa execução.

Também curiosamente, não é João Novais, o jogador do Rio Ave, tão “falado” como próximo de ingressar num clube de outra dimensão. E ainda mais curioso é o facto de ser o jogador que ocupa a posição seis, aquele que maior acerto tem no seu jogo.

O encontro de Pelé com Miguel Cardoso trouxe uma nova vida ao médio de nacionalidade portuguesa. Pelé sempre mostrou conforto com a bola, mas nunca como nos dias de hoje, havia usado tal conforto para gerir o ritmo de cada lance, e consequentemente do jogo. Deixou de ser um elemento que a cada instante procurava “galgar” metros, para ser um jogador criterioso, capaz de perceber que o jogo não vive unicamente de intensidade física e galopes.

Relógio de Vila do Conde, precisamente porque à competência para os momentos defensivos, juntou-lhe critério, e é hoje, mesmo que em zonas mais baixas, o jogador do Rio Ave que mais se destaca pela regularidade em qualidade ao longo da e das partidas.

Somou dois golos no jogo que poderá ter aberto as portas da Europa para o Rio Ave, mas é e foi muito de como coordena o jogo ofensivo da sua equipa, impondo a paciência e determinando o ritmo que Miguel Cardoso tanto aprecia que tem deixado marca.

 

 

1 Comentário

Responder a Henrique Noronha Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*