100 Jogadores a seguir no Mundial – 86 ao 90

Rodrigo Betancur, Uruguai

Aos vinte anos de idade prepara-se para jogar o seu primeiro Mundial.

Betancur é um médio moderno, capaz de desequilibrar em cada toque, pela forma como pensa o jogo e pela qualidade técnica que demonstra. A qualidade de decisões permitem-lhe jogar em qualquer espaço do meio campo, mas é na posição seis que se tem feito notar, por ser mais um médio defensivo no futebol mundial, capaz de assumir grande protagonismo em posse, ora progredindo eliminando linhas, ora conectando a equipa com os seus passes verticais. Muito jovem, ainda procura a afirmação total na sua selecção, mas é sem dúvida um dos jogadores a ter em conta e a observar na Rússia.

Renato Tapia, Peru

O médio do Feyenoord chega ao Mundial aos 22 anos, e destaca-se sobretudo pelo acerto das suas acções em posse. Pouco vistoso, e mais preocupado com o equilíbrio defensivo das suas equipas, Tapia é a pedra fundamental do jogo do Peru, uma das selecções que estarão na Rússia à procura de um jogo mais aprazível, mais capaz de se mostrar com bola. Fundamental, porque deverá ser o médio mais recuado do Peru, que não sente desconforto com bola e que sabe sair da pressão em condução para ligar o jogo mais à frente. Não é comum vê-lo perder a posse, e isso torna-o um dos mais interessantes da sua selecção.

 

Nabil Fekir, França

Aos 24 anos o primeiro mundial para Fekir, um dos mais interessantes jogadores que estarão na Rússia. A concorrência interna é gigante, e o segundo avançado do Lyon poderá ter menos minutos do que os que desejará.

A velocidade com que executa, a qualidade do seu gesto técnico, a forma como decide e pensa o jogo mais à frente que o normal, tornam-o um candidato real a ter um impacto grande na prova, se tiver as oportunidades de ir a jogo que a sua qualidade fazem prever. Com Griezmann poderá fazer uma das duplas da prova.

 

Ellyes Skhiri, Túnisa

O médio defensivo do Montepellier, chega ao Mundial aos 23 anos de idade. Na sua selecção tenderá a assumir a preponderância do jogo ofensivo mesmo partindo da posição mais recuada do meio campo, pela forma rápida com que dá sempre seguimento às bolas que lhe são solicitadas. Decide e executa rápido, e não perde um passe, dando a segurança necessária no início da construção. Também sem bola, se destaca pela forma como antecipa os lances, roubando para sair a jogar e ligar para o ataque.

Mathew Ryan, Austrália

Tem 26 anos e joga na surpresa da Premier League, o Brighton.

Ryan segue a escola dos guarda redes Australianos, e é também ele a figura da sua selecção. Num torneio onde previsivelmente terá muito trabalho, pelo desnível entre a selecção da Austrália e as restantes equipas que enfrentará, Mathew terá oportunidade para demonstrar que a época na Premier League não foi um acaso. Sério candidato não somente a sofrer vários golos, mas sobretudo a fazer-se notar no muito trabalho que irá ter.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3288 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

2 Comentários

  1. que bom seria se portugal tivesse assim um médio defensivo que soubesse organizar jogo, passar longo, rematar de fora da área… sei lá, tipo um Ruben Neves?…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*