De que é que o Sporting está à espera?

FUTEBOL - miguel cardoso treinador do Rio Ave no Sporting Rio Ave referente a 27 jornada no estadio Alvalade XXI em Lisboa Domingo 18 de Março de 2018 (ASF/CARLA CARRICO)

É a questão que deixo.

Nos últimos dias, após a saída de Jorge Jesus, começaram a surgir os nomes dos seus potenciais substitutos. A primeira questão a fazer é: que tipo de treinador o Sporting procura e porquê? Que tipo de ideia de jogo pretende? Qual o projecto e seus objectivos? Qual a ideia em termos de metodologia de treino? Haverá um perfil definido? Sem querer ser demasiado crítico, parece-me que não. E aqui, parece-me que a ideia da SAD leonina passa por trazer alguém congregador, motivador, que acalme os adeptos. Só assim me parece aceitável o argumento da escolha primordial em Scolari que, na minha opinião, não era mais do que anedótica. O que viria Scolari trazer de novo ao Sporting a não ser ganhar um balúrdio de ordenado? O Sporting quer um treinador de futebol, ou quer um “paizinho” para os atletas? Quer um treinador de futebol, ou alguém que acalme os adeptos e depois logo se vê? Por esta altura, todos estamos à espera de saber o que aí vem…

Por cá, não tenho dúvidas. Miguel Cardoso seria a escolha principal. Porquê? Porque tem uma ideia de jogo de equipa Grande, porque a sua ideia de jogo valorizaria imenso o plantel leonino, porque o Sporting iria ser sempre uma equipa controladora com bola, com mais bola que o adversário, com um estilo de jogo curto e de combinações a privilegiar a entrada no bloco adversário quer por dentro ou por fora. O que poderiam crescer por via de um jogar, jogadores como Petrovic, Rúben Ribeiro, Francisco Geraldes ou Matheus Pereira, já para não falar dos habituais? Ouço muita gente a dizer que joga sempre da mesma forma. E eu pergunto: e Guardiola? Não joga sempre da mesma forma? E Paulo Fonseca? Qual foi a ideia de jogo que o fez chegar ao topo do futebol europeu? Qual a ideia de jogo que mais valoriza os jogadores? Quantos jogadores saíram do Rio Ave esta temporada, extremamente valorizados com o que a equipa colectivamente apresentava e que os potenciava individualmente? O que gostam os jogadores? De ter prazer no jogo, de ter bola, de sentirem que estão a controlar o jogo com a mesma, de terem uma atitude pressionante quando a perdem ou não a têm para a poderem recuperar rapidamente e voltarem a dominar o jogo.

Para os mais esquecidos, quem não se lembrará dos autênticos chocolates dados em Vila do Conde a Sporting e Benfica? A melhor forma de liderar um grupo, é convencê-los da sua ideia de jogo. Há algum jogador que não goste de ter bola? Estamos conversados. Para mim, era a escolha mais do que natural e necessária tendo em conta o estado actual leonino. Porque a ideia de jogo iria valorizar toda a gente, desde Presidente (é possível um Presidente ser valorizado pela ideia de jogo do treinador, reflitam lá um bocadinho porquê…) aos jogadores. O Sporting, atendendo ao seu perfil de equipa de carácter formativo, tem que ter treinadores que estejam em constante formação para com os jogadores. Miguel Cardoso já trabalhou no Sporting, conhece os cantos à casa, tem uma ideia de jogo que agrada aos jogadores e que valorizará toda a gente, uma metodologia de treino focada no jogar que pretende e um caminho muito específico que traçou.

Se o Sporting continuar a querer dormir à sombra da bananeira e continuar a querer pescar no estrangeiro quando tem tão bom em melhor em Portugal, em Outubro nas bancadas possivelmente o que se verá são lenços brancos. O nome pode até não ser motivador ao mais comum do adepto, mas o que virá depois será e muito. É preciso saber escolher, ter uma visão e um projecto delineado para o futuro. Miguel Cardoso era logicamente a minha escolha. Porque o treinador de futebol, está para liderar, motivar, mas também e sobretudo para criar uma identidade, para criar uma ideia de jogo que permita que os adeptos que se desloquem ao estádio se identifiquem com a mesma e se revejam na mesma. As palmadinhas nas costas e as palavras bonitas são boas no ínicio. E depois? E a qualidade das ideias no jogo? Não contam? Quem tiver dúvidas, basta clicar lá em cima no pesquisar e escrever “Miguel Cardoso”. Aí as dúvidas ficam dissipadas.

Aguardamos ansiosamente a escolha do Sporting.

9 Comentários

  1. Totalmente de acordo!!!
    Mas a justificação pode ser simples, a exemplo de Sá Pinto (publicamente) e Scolari (por via de terceiros se não estou em erro) e da opinião que não existe condições pra trabalhar no clube actualmente.
    Abc

  2. Como Benfiquista só te posso dizer uma coisa, deixa o Miguel onde está sff… Aliás o Miguel até se inseria melhor no SLB, apesar do RV não sair… Imaginem só um Rafa, Carrillo, Zivkovic, Krovinovic, Grimaldo, Jonas e Ferreyra nas mãos do Miguel!

  3. Até percebo que se considere o Miguel Cardoso uma aposta arriscada. A verdade é que demonstrou muita qualidade mas também deixou algumas dúvidas sobre a qualidade de alguns aspetos do trabalho.

    Numa equipa com pressão para ganhar já, que tivesse investido muito, apostar assim podia não ser a opção mais clara de todas.

    Mas, a verdade é que o Sporting nem vai investir muito nem vai ter pressão para ganhar, vai sim ter um plantel com gente com potencial e sem investir muito dinehiro ao mesmo tempo que vai perder muitos jogadores. A verdade é que parte bem atrás dos outros dois candidatos. Perante este cenário Miguel Cardoso é a escolha óbvia pelos motivos enunciados, porque o que o Sporting precisa é de perante o caos em que se encontra pensar a 2/3 anos e nesse sentido trazer alguém para arrumar a casa e segurar o balneário é só adiar o problema, nunca como no momento como este fez tanto sentido dar o lugar a alguém com uma identidade forte porque vai ter tempo para fazer a equipa crescer e porque o Sporting precisa desesperadamente de valorizar os ativos que conseguirá manter na próxima temporada.

  4. É o Sporting – este Sporting – que está à espera de um sim apesar do Miguel Cardoso estar à espera do Sporting.

  5. Treinador em destaque? Sem dúvida.

    Estará preparado para um grande? Tenho muitas dúvidas e pego exatamente no aspeto de parecer ‘jogar’ sempre da mesma forma. Nem o Guardiola nem o Paulo Fonseca jogam sempre da mesma forma e o recente post do Maldini explica porquê.
    Adaptar a equipa a aspetos concretos da forma de jogar do adversário e saber usar os mesmos, é algo que deve ser colocado por cima das ideias base; eu chamo-lhe ‘modelo adaptativo’ e não vi isso no Rio Ave.
    Também me pareceu que o Miguel precisa de crescer no saber lidar com a pressão, algo bastante mais complicado num grande.
    Implementará um modelo mais adaptativo se tiver um plantel mais rico? Isso permitir-lhe-á gerir melhor a pressão?

  6. Totalmente de acordo. Mas a minha pergunta é: se algum de vocês fosse convidado para treinar agora o Sporting, aceitariam?

    • Se eu fosse treinador e fosse ganhar o que o Sporting tem pago não pensava duas vezes.
      Cabe na cabeça de alguém que qualquer treinador que se tem falado se fosse convidado não aceitaria?
      Eu sou um daqueles que pensa que já temos treinador dentro do clube.
      De resto só comentários

  7. Será o Sporting o clube que o Miguel quer, face ao momento que se vive? Ou será que está tudo e tratado e só à espera de uma altura mais acertada para tornar público o acordado?

    Nestas coisas nem sempre o que parece é, mas também não há casamentos sem as duas partes acordarem isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*