Ninguém se compara contigo

Nas provas a eliminar, e quando são várias as boas equipas, as probabilidades da melhor vencer, não serão muito significativas. Tem, naturalmente, mais probabilidades que qualquer uma outra, mas não terá mais probabilidades que o somatório das outras quatro ou cinco candidatas.

Numa prova de regularidade apostaria todo o meu dinheiro na melhor selecção da prova. Foram somente dois jogos, e até com resultados aquém do expectável, mas a superioridade exibicional sobre todas as outras selecções foi absolutamente abismal.

Porque é a Espanha a melhor equipa do mundo?

Porque reúne o conjunto dos melhores jogadores naquilo que mais importa e mais diferença faz no futebol actual. Percepção rápida e correcta do que rodeia, qualidade técnica, e de decisão de quem recebe a bola.

Com um conjunto de jogadores como Isco, Iniesta, Sergio Busquets, David Silva, Thiago Alcântara, entre outros, é praticamente garantido que não há, ou haverão pouquíssimas perdas! E o número de perdas, já o Ricardo Ferreira o referia, é talvez o único dado estatístico relevante do jogo, logo a seguir ao número de golos.

Se o que faz uma equipa ser forte colectivamente a defender, é a capacidade para entender o jogo defensivo, saber fechar espaços e mover-se de acordo com princípios comuns, algo possível de obter com trabalho de qualidade, com bola, o que faz uma equipa ser mais forte colectivamente é em primeira instância o nível dos seus jogadores. Não significa portanto que o trabalho de Lopetegui, que Hierro herdou, seja de um nível tremendo do ponto de vista ofensivo, embora à semelhança do que fez Zidane no Real Madrid, foi bastante inteligente nas suas opções, trazendo os alas para dentro (Isco e David Silva) libertando os corredores laterais para os defesas.

Ter jogadores com capacidade para nos mais curtos espaços, na mais forte pressão não só saírem vivos, como ainda partirem em desequilíbrio, pela qualidade do anterior mencionado como mais importante para se poder fazer a diferença no jogo (Percepção rápida e correcta do que rodeia, qualidade técnica, e de decisão de quem recebe a bola), é não somente o primeiro caminho para um jogo aprazível, mas para vencer!

A diferença qualitativa da Espanha para todos os outros é de tal forma elevada, que parece de facto impossível não imaginar a roja campeã numa prova de regularidade. Contudo, a beleza do Mundial está precisamente na maior aleatoriedade que as provas a eliminar trazem, e na maior importância que a estratégia assume.

Isco, realizou contra o Irão uma das melhores exibições individuais do Mundial. Um tratado de bom futebol, apenas ao alcance de um lote restrito de jogadores, e onde infelizmente, não cabe nenhum português.

 

 

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3310 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

10 Comentários

  1. O jogo da Espanha com o Irão não foi nada de especial, até foi um encontro bastante equilibrado e se Marrocos tiver a mesma garra com eles, que teve connosco, duvido que ganhem. fica já aqui escrito

    • Pois, nada é certo, mas para mim, se Marrocos jogar contra a Espanha como contra nós, eu acho que a Espanha ganha muito facilmente.

      • eu concordo com o Gil… aqueles médios todos na recepcao de costas, apertados, não só nao erram como ainda viram e deixam opositor para trás abrindo o campo todo..

        • Pois Pedro, mas eu quando me referia a jogarem como contra nós, referia-me também a faltas ilimitadas (possibilitadas por arbitragem engraçada), por isso, passa a bola em finta ou em passe, não passa do homem.

  2. Isso mesmo, nem mais nem menos…Sim, so uma: mesmo a estàtica da perda da bola nao explica esse jogo sublime dos jogadores da Espanha.
    Estou ansioso de ver como esses jogadores vao responder às armadilhas das estrategias adversas.

  3. À ultima équipa que jogou como o Marrocos contra a Espanha foi a Argentina em amigavel… Jogadores que saem facil do pressing aproveitam as autoestradas là atràs.

  4. O Irão-Espanha foi um jogo equilibrado? Epá! Mas só houve uma equipa em campo. De futebol, pelo menos. E depois Isco, Isco, Isco e mais Isco!

  5. Marrocos é demasiado aberto para esta Espanha. Mas vai ter que acelerar as tabelas e progressão em posse. Se seguir com muito sofá, Costa não vai resolver sempre.
    O problema é aparecer quem defenda realmente bem, juntos?!

  6. Tivemos este ano na Champions, o Man. City e o Barcelona, eliminados por equipas que souberam pressionar alto e evitar que se instalassem no meio-campo adversário. Parece-me que passa por ai a receita para vencer esta Espanha. Em todo o caso acho que a selecção espanhola, apesar de toda a posse que tem, demonstra dificuldades em criar situações de finalização.

  7. Parece que acertei e a Espanha efectivamente não ganhou a Marrocos (lá teve a sorte de empatar no fim)… Joga alguma coisa Espanha? Para os iludidos que acreditam que a posse de bola é tudo, talvez jogue.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*