Da Liga portuguesa à Liga dos Campeões – Estes tipos são reais?

O Pedro Bouças já abordou o segundo golo do Bayern na Luz (aqui), e a forma como depois de uma boa  e coordenada pressão, que respondeu aos indicadores certos, e não estava propriamente mal posicionada, embora pudesse no pormenor ter feito diferente, inclusive nas abordagens para “matar” a transição.

No primeiro golo, a qualidade de alguns intervenientes da equipa bávara foi ainda mais notória. Da altamente invulgar decisão de (mesmo para!) Neuer, pelo posicionamento dos colegas e das condições em que recebeu a bola (só alguém com a sua qualidade, auto confiança, confiança nos colegas, e porque não, confiança nas qualidades do adversário, tomaria tal decisão), à qualidade suprema de Kimmich, um jogador com um alcance notável. Capaz de ver a trinta e quarenta metros, mesmo que apertado num quadradinho.

A qualidade individual suprema dos jogadores do Bayern serviu para partir a pressão do Benfica, partir o bloco encarnado em dois, sobrando então poucos jogadores para defender.

Chegar ao último terço com espaço, com Ribery e Lewandowski para definir, proporciona a que tudo o mais se resolva.

A diferença do que temos por Portugal para o que de melhor há no Mundo é simplesmente absurda.

 

1 Comentário

  1. Discordo totalmente que a pressão do Benfica fosse eficaz. Kimmich tem tempo suficiente para levantar a cabeça e escolher com toda a calma do mundo o passe para o Renato, porque a pressão do Gedson foi mal feita,atabalhoada, preferiu cortar a linha de passe para o Neuer em detrimento de fechar a linha que ligava o Kimmich à sua baliza. Depois, o Renato recebe a bola tranquilamente,levanta a cabeça e distribui também com toda a calma. O meio campo do Benfica não incomodou o suficiente, não provocou duelos físicos, não soube condicionar. Quando a bola chegou ao Ribery já o mal tinha sido feito. Este golo é um bom exemplo da inépcia defensiva do Benfica, da sua falta de agressividade positiva, do saber pressionar/defender/jogar. O Bayern do Guardiola era muitíssimo mais forte. O Benfica também estava melhor.

Responder a Sérgio Pedro Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*