Rápidas de Guimarães

Vitoria de Guimaraes´s Andre Andre (R) vies for the ball with SL Benfica's Gabriel (L) during their Portuguese First League soccer match between Vitoria de Guimaraes and SL Benfica held at Dom Afonso Henriques Stadium, Guimaraes, Portugal, 18 January 2019. HUGO DELGADO/LUSA
  • Jogo tremendo em quase todos os momentos e aspectos por parte do Vitória. Quer no processo ofensivo até chegado ao último terço, e ai a individualidade ganha maior preponderância, quer no defensivo na forma como impediu a equipa de Bruno Lage de ser o que pretende ser! Dominadora e controladora com bola. Não merecia tal resultado!
  • SL Benfica praticamente sempre incapaz de assumir o jogo em ataque posicional, fruto da competência do adversário, mas com um crescimento defensivo bastante notório, e expresso na forma como a equipa nas dificuldades, optou por manter o bloco junto e não se perder em momentos para sair a pressionar que o condenassem ao insucesso e a defender com menos e com mais espaço entre elementos;
  • A aposta continuada em Gabriel no corredor central, trouxe ao Benfica uma competência em Organização Defensiva que simplesmente não tem quando Pizzi ocupa a posição. E a curiosidade de ter sido o brasileiro num recorte individual de elevado nível quem criou o lance que sentenciaria a partida
  • O golo dos encarnados, mesmo que num lance um pouco isolado do pendor da partida, a provar a importância de se poder entrar pelo corredor central. Ai, o adversário ou mantêm posicionamento afastado e permite que bola passe por entre defesas, ou junta para impedir chegada à finalização, e abre espaço fora. Ora veja:

7 Comentários

  1. E estranho no nosso campeonato o dito pequeno arriscar para ganhar. Bela mentalidade ! Como tinha dito, a segurança defensiva do Benfica a permitir o discutir o resultado até ao fim.
    A estrategia ofensiva ( o Luis Castro falaria de dinamicas) do Guimaraes da segunda parte foi letal, depois da grande batalha estrategica da primeira parte. Jogar alto, impedindo à perda da bola, a abertura do Benfica ou ganhando as segundas bolas. Agora, nao é por falta de qualidade de jogadores na finalisaçao como dito no artigo que o Guimaraes pecou mas porque no ultimo terço, havia muita inferioridade numerica devido à estrategia ofensiva. Houve pouco perigo sem ser certas segundas bolas que podiam ser fatais.

    O Benfica resolveu o jogo numa grande jogada tactica do Gabriel depois doutra grande jogada um minuto antes do Rafa. A diferença foi nesses detalhes como muitas vezes e o Benfica sobrevive graças a esses fogachos. O Rafa voltou e permitiu disfarçar mais o jogo pouco modelado; esse pouco de trabalho de entrosamento mete mais a nu as fraquezas tacticas de alguns jogadores (AA, Cervi, Samaris, castillo…) que destroem as poucas dinamicas. O pizzi como sempre a desaperecer nestes tipos de jogos devoradores de espaços e espero que o Lage tenha coragem de o sentar para jogar o Rafa. Mais jogadores de Finta a associar se e mais ligam as dinamicas mesmo pouco modeladas. O trio Gabriel/Rafa/Félix promete.

  2. Tacticamente um jogo espectacular. Luís Castro montou bem a equipa para fazer frente a este Benfica, mas o lage também o fez muito bem. É verdade que na maior parte do jogo o Guimarães controlou, mas também é certo que nunca o fez com verdadeiro perigo, e as melhores oportunidades surgiram de erros do Benfica, enquanto que do lado contrário, o Benfica, conseguiu chegar várias vezes à zona de finalizacao e praticamente sempre, não por erros do adversário, mas por mérito próprio. Penso que o Benfica ainda tem que melhorar muito na saída de bola, quando o conseguir fazer com maior velocidade pode ser um caso sério e possivelmente irá aparecer muitas vezes em situações de 1 para 1.. Para concluir, é pena este vitória já estar tão distante pois é sem dúvida uma bela equipa e muito bem montada!

  3. Concordo plenamente com o post. Quanto a Gabriel estão à vista as melhorias da equipa e do seu rendimento nesta fase. Só o Freitas Lobo é que não vê…ontem disse uma série de vezes que aquele lugar era do Pizzi q é o maestro e q devia ser o gabriel a sair. nao sei que jogos tem visto…

  4. É de certeza a minha ignorância ou até costela pragmática, mas alguém aqui me pode dizer quantas oportunidades reais de golo teve o Guimarães?

    Houve superioridade clara do Guimarães em posse de bola, ataques, remates enquadrados, cantos, durante o jogo?

  5. Continuo a achar o seguinte do meu benfica: Defensivamente a equipa está mal trabalhada pois têm mecanismos que não potenciam a posse e controlo de bola, e como tal, sempre que não têm bola defende-se, isto é, recua em demasia para retirar zonas de entrada de bola ao adversario. Esta forma é tipica de equipa pequena onde depois tenta um rasgo em contra ataque…Porém, quando recupera equipa fica distante da baliza adversaria e mais sujeita a pressing adversario. A equipa deve trabalhar melhor a defesa, sempre mais alta, e controlar melhor a linha média adversaria atraves de pressing para que os passe de rotura nao entrem(por vezes não é necessario marcar HH e basta retirar a linha de passe para neutralizar adversarios).. Os 2/3 elementos do miolo em conjunto com os laterais devem ter outra postura individual e coletiva.. No meu ver o Gabriel só terá lugar no benfica a jogar a “6” com as devidas limitações que possa apresentar… A nivel ofensivo a equipa precisa de estabilizar muito com bola, na sua defesa e linha média, sempre no meio campo adversario, para que permita movimentos de rotura, tabelas e desmarcações na frente, junto à baliza.

  6. O Gabriel é um jogador horrível, um especialista em fazer parvoíces de toda a ordem e sentido (com bola então chega a ser patético, descoordenado em termos motores, não tem qualquer ideia do que fazer com a bola). Só mesmo o Rui Vitória para fazer finca-pé perante um artista destes. Dito isto, é evidente que o Lage e a nova forma de jogar o beneficia bastante e até pode ajudá-lo a entender algumas coisas. O jogo físico dele faz lembrar o Enzo Perez, que tanto deu ao Benfica em 442 (com mais qualidade técnica mas não muito mais). Ontem foi um jogo difícil para todos, com poucos espaços e muita coordenação dos dois lados e também muito equilíbrio. Ligeiríssimo ascendente do Vitória mas sem grande perigo e a maior valia individual a fazer a diferença (a entrada do Rafa deu a vitória ao Benfica, na minha opinião). Parabéns aos dois treinadores, que merecem contextos com mais qualidade individual. O Bruno Lage demonstra, mais uma vez, que não é preciso muito tempo, nem muito treino, para colocar uma equipa de abéculas a jogar um futebol mais ligado e com muito mais intenção a todos os níveis. O conhecimento do jogo e as ideias/convicções próprias fazem mesmo maravilhas.

Responder a Miguel Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*