O lado táctico no Castelo – Abordagem ao jogo e Estratégias

No Castelo, teve lugar mais um duelo entusiasmante entre duas equipas muitíssimo bem orientadas que culminou num triunfo injusto da equipa encarnada dada a ligeira superioridade do emblema vitoriano em grande parte do jogo. Se no jogo para a Taça de Portugal, o duelo entre Vitória e Benfica foi riquíssimo do ponto de vista táctico e estratégico, o jogo para o campeonato não lhe ficou nada atrás. Com algumas nuances diferentes do jogo para a Taça, ambas as equipas prepararam-se muitíssimo bem para um jogo em que o Vitória de Luís Castro voltou a demonstrar-se extremamente competente em todos os momentos do jogo.

Pressionámos sempre alto a construção do Benfica, não deixámos sair com a tranquilidade que tinha saído no último jogo. Decidimos fazer uma pressão mais alta, conquistando a bola no meio campo adversário.

Luís Castro

Uma das nuances estratégicas que a equipa do Vitória trouxe para este jogo foi a pressão sobre a construção encarnada. A equipa de Luís Castro procurou sempre deixar o conjunto benfiquista desconfortável no seu primeiro momento ofensivo, uma vez que, o Benfica de Bruno Lage é uma equipa que procura construir desde trás e ser dominadora com bola. Desta opção, surgiram várias as recuperações em zonas altas fruto de um pressing bem articulado e indicadores de pressão bem definidos.

O Benfica optou por não pressionar a construção adversária em grande parte do jogo. Num bloco médio/baixo, a equipa encarnada esteve mais junta, de modo, a impedir a entrada da bola em zonas de criação pelo corredor central e também, para não se desorganizar no momento de saltar na pressão como tantas vezes aconteceu antes da chegada de Lage ao cargo. A preocupação em fechar o corredor central foi evidente, encaminhando o Vitória de Guimarães para os corredores laterais, e com isso garantir menos condições para que os vimaranenses surgissem em condições óptimas no último terço.

No momento ofensivo, ambas as equipas revelaram qualidade com chegadas ao último terço de forma apoiada, quer por fora, quer por dentro e até na profundidade. No entanto, o Vitória de Luís Castro demonstrou-se mais capaz em Ataque Posicional do que a equipa orientada por Lage, mesmo que, o resultado final não tenha sido demonstrativo disto mesmo.

(…) Ficaria mais preocupado se a equipa não produzisse em campo um jogo com ligações, com uma construção a 3 que coloca 2 médios à frente da linha de 3, com os alas por dentro e os laterais projectados. (…) Hoje, estivemos mais eficazes até ao momento da finalização, mas pecámos na hora de finalizar.

Luís Castro

Tendo mais bola ao longo de todo o jogo, o conjunto do Berço conseguiu ligar mais por fora do que por dentro (mérito para Lage). Com a sua construção habitual a 3, a equipa comandada por um dos melhores treinadores da liga, foi muito capaz de chegar ao último terço de forma conjunta. Durante grande parte do jogo, numa postura de controlo, o Benfica revelou algumas dificuldades em controlar a amplitude da construção do Vitória na sua saída a 3, tendo até mudado a forma de condicionar a construção vitoriana durante a segunda-parte como o seu treinador referiu após o jogo.

Coloquei o Castillo por duas questões: o desgaste do Seferovic e por estratégia. Sabiamos que o Vitória SC ia fechar o corredor central, tentámos colocar o Castilo preso entre os centrais para a provocar a profundidade e assim, o João Félix e o Pizzi terem espaço para receber a bola entre-linhas.

Bruno Lage

Ofensivamente, o Benfica não foi tão capaz em relação a outros jogos com mérito para o Vitória pela pressão exercida sobre a sua construção curta, que forçou o erro em algumas situações. No entanto, notou-se, uma vez mais, uma intenção de aproveitar o corredor central com Pizzi a vir para o espaço interior para se juntar a João Félix e com Castillo a pedir na profundidade, para que a equipa tivesse capacidade de entrar no espaço entre sectores do Vitória.

Em zonas mais baixas, o Vitória SC voltou a revelar o mesmo problema desta temporada: controlar o espaço nas costas da linha média. Embora nem sempre aproveitando da melhor maneira, a equipa encarnada chegaria ao golo da vitória num momento de ataque posicional onde liga o seu jogo pelo corredor central, nas costas dos médios adversários. Além disto, os “conquistadores” revelaram algumas dificuldades no controlo da profundidade, baixando excessivamente a sua última linha e com o Benfica, à imagem do que tinha feito no jogo da Taça, a aproveitar espaços.

Guimarães presenciou mais uma grande batalha táctica e estratégica na Liga NOS. Por trás desta excelente partida, houve um infinito número de horas perdidas / ganhas por aqueles que sustentam o trabalho de cada um dos treinadores principais, na preparação da competição.

Sobre Pirlo 62 artigos
Apaixonado pelo jogo e pela análise. É o pormenor que me move na procura do conhecimento. Da análise ao jogo, passando pelo treino, o Futebol é a minha grande paixão.

5 Comentários

  1. No benfica alas por dentro (mais Pizzi) a aproveitar espaço nas costas dos médios, mas depois quem fica para o corredor é o bigornas do Almeida. Quão mau será o Corchia para não ser titular?

  2. Em relação ao Almeida não é só o Corchia, é o Corchia, o Pedro Pereira, o Douglas, o Milos, o Buta e houve um momento que até o Semedo. Eu julgo que há uma explicação para isto. Em primeiro lugar que o Almeida compensa as óbvias limitações técnicas com inteligência táctica e normalmente está bem colocado tanto a atacar como a defender. É o que eu chamo uma espécie de Arbeloa. Em segundo lugar viveu uma época em que a atenção ao detalhe táctico do treinador foi menor o que fez que sempre conseguisse estar mais em jogo que os sucessivos reforços que nunca perceberam que se pretendia deles. Para dar um exemplo concreto, o Douglas era um jogador que trabalhado pelo JJ tinha todas as características para ser não só titular absoluto como o melhor lateral direito da Liga de longe. Veremos que faz o Lage ainda que, olhando para a convocatória está claro que não tem nem sequer substituto neste momento.

  3. A ausência do Corchia acho que tem a haver com os muitos problemas físicos que tem tido/tem, juntando-se a isso o facto do André Almeida ser um jogador importante no balneário. Às vezes o treinador tem de optar pela estabilidade emocional em vez da melhoria individual. Se a época não está a meio, talvez o titular fosse outro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*