O futuro está ai – Sejam bem-vindos

Sempre acreditei que poderia vencer [com equipas menores]. [de igual para igual?] Não! Com estratégia! Com truques!

O futuro é como o jogo do gato e do rato, em apenas um jogo de futebol… adaptar mudanças tácticas para reagir ao teu adversário. Na Liga Europa do ano passado, fomos a Hoffenheim [Braga venceu na Alemanha 2 a 1]. Eles começaram em 5x3x2, e mudaram para um 4x3x3 durante o jogo. Nós começámos num 4x4x2, e terminámos num 5x4x1 para combater o que nos estavam a provocar.

É preciso ter a humildade de perceber que cada jogo precisa de uma abordagem diferente. Esse tem sido o nosso grande segredo.

Abel Ferreira, no “The Coaches’ voice”

Ao longo do último ano tenho trazido ao Lateral Esquerdo, um novo jogo que já chegou pela mente dos mais inteligentes. Um jogo onde os treinadores para além do seu modelo, trabalham cada plano de jogo e cada semana em função do modelo do adversário. Cada jogo é encarado como único e como uma oportunidade que não se pode perder para somar pontos. E aí, maximizar possibilidades é trabalhar sobre o lado estratégico, com adaptações ao modelo por forma a ferir os comportamentos do modelo adversário.


Pep manterá o essencial: tocar a bola até nos agruparmos; chegar a três quartos do campo através da sucessão de passes; subir bastante a linha defensiva, e ter sempre um homem a mais no meio de campo, seja como for. Mas não espere um sistema tático fixo nem uma equipe titular indiscutível. Isso mudará a cada jogo. E a análise do rival será cada vez mais importante

Domènec Torrent, no “Pep Confidencial”



Mudámos o nosso sistema tático habitual porque este jogo assim o exigia
Paulo Fonseca, sobre a incrível vitória na Alemanha na presente edição da Liga dos Campeões

Na antevisão do confronto de “titãs tácticos” [Bruno Lage e Luís Castro] havia referido:


Por isso ao longo da partida foram várias as trocas de ambas as partes, numa espécie de jogo do “gato e do rato”, com Luís Castro a alterar dinâmica para chegar com maior perigo à baliza encarnada, e Bruno Lage a responder, com uma alteração táctica (linha média a cinco, e alas mais baixos) que lhe garantiu maior equilíbrio em função da alteração inicial do técnico vimarenense. Ao longo da partida, ambas as equipas trocaram de sistema! O Vitória para procurar o que não estava a conseguir ao longo de um primeiro período na partida, e Bruno Lage, na parte final, como forma de proteger a sua equipa do crescimento do oponente.

In Lateral Esquerdo

Nos tempos mais recentes, parece ter havido um “boom” entre quem acredita que o resultado é secundário. Espero, que tal não tenha nascido no Lateral Esquerdo, porque nunca foi isso que se fez passar. O resultado, pode nem sempre, ou até demasiadas vezes, aferir competências, mas é sempre ele o que deve mover o treinador. O que mudará, é a forma como cada um acredita ser mais plausível de lá chegar. Quando se defende maioritariamente uma forma de jogar este jogo, é porque se acredita que aproxima da vitória, e não porque é giro e está na moda!

É o resultado que deve determinar as opções do treinador! E sobre isso, o treinador que guia a equipa sensação da Liga, afirmou no passado fim de semana, depois de se ver forçado a alterar o seu estilo atractivo e habitual, pelas condições do relvado:

Sou aquele que pede para eles saírem a jogar. Mas, há dias em que não dá… não sou maluco!

Jorge Silas

Personalidade e colocar o “eles” [jogadores] à frente do “eu” [treinador] é cada vez mais raro de encontrar nos dias de hoje. Teria sido muito confortável para o treinador dos azuis, não alterar nada, deixar-se perder e no fim escudar-se nas condições que não beneficiam o bom futebol da sua equipa. Ao invés disso, foi à volta, e alterou hábitos para resgatar pontos. Porque o propósito de um treinador, é ajudar a sua equipa a somar! O propósito não é morrer de pé. É não morrer!

Quando alguém diz eu tenho a minha filosofia, que é baseada em posse, construção de trás, baseada na beleza… mas depois não tem resultados. Isso é uma protecção para os derrotados.

José Mourinho

O futuro é também fugir dos tais “malucos”, que sem colocar o “eles” [jogadores] à frente do “eu” [treinador] são os novos treinadores das redes sociais. Uma praga cada vez mais em voga no futebol jovem.

Treinadores que para partilhar as suas magníficas ideias, expressas numa jogada mirabolante que utiliza todos os jogadores e envolve uma saída desde a rectaguarda, que apenas sai de três em três meses, e surge no Youtube como se fosse uma prática corrente, expõem os seus jogadores, não apenas a algo que os incomoda como ainda os faz parecer uns verdadeiros nabos.

Depois da praga dos treinadores que não permitem que a sua equipa ouse sequer trocar a bola no meio campo defensivo, sob pena de uma perda acontecer, e o golo adversário chegar em forma de contra-ataque, coarctando com as suas decisões toda e qualquer possibilidade de desenvolvimento individual dos seus jogadores, surgiu a praga do treinador de Youtube. O treinador mal preparado, incapaz de potenciar a individualidade dos seus jogadores, mas antes condena-a a um jogo só seu, na esperança de um dia ter uma jogada para expor na internet.

Em ambos os casos, o propósito é evidente. A valorização ou pelo resultado, ou pela jogada, como forma de ascender numa hierarquia. O único intento é portanto promover-se e não promover quem são de facto os actores principais. Não percebendo sequer que nos maiores clubes, se percebe que é quem promove os jogadores, ignorando o “eu”, e que quando há que tomar opções, essas passarão sempre por esses treinadores…

Na verdade estes são os tipos de treinador a quem não deveria sequer ser permitido aproximarem-se de crianças / jovens. Quando se fala em futebol formativo, tudo deveria ser centrado no que é melhor para o jovem atleta, e nada no que é a valorização do treinador.

Tão incompetente e inapto para guiar jovens é aquele que não os deixa jogar, como o que os assassina, obrigando, independentemente das condições, a tomar sempre a mesma decisão que tantas vezes acaba em golo adversário, e desvalorização e desconforto maior do interveniente no lance.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3698 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

11 Comentários

  1. Lateral esquerdo, sabes quando pensas algo sobre futebol sobre estratégia sobre treino, sobre os selfpromotion coach como contaminam a opinião pública com os seus posto egocêntricos que terminam com um obrigado aos meus jogadores são eles que proporcionam isto… e partilhas com muita gente menos nas redes sociais para não seres mal interpretado?
    Obrigado 👏🏽👏🏽👏🏽

    • Ainda que silenciosa… ainda é uma maioria, os que percebem tudo o que é aqui dito…

      Podemos sempre contar com o Lateral Esquerdo, para continuar a iluminar o caminho, e quebrar mitos e figuras.

      OBRIGADO!

  2. mais uma vez, um passo á frente! ha muito que aqui se fala de estratégia. quantos aos misters de redes sociais, não acredito que quem não tem capacidade de dar alternativas aos miudos e os deixar crescer a decidir tenha capacidade para entender este magnifico post. vao chorar muito!!!

  3. A propósito:

    Já está na net as jogadas do gangbang de Alcochete ou só vêm para fora quando o Sporting joga com equipazecas locais?

  4. Oh a misturar 2 temas diferentes nao gosto! Devias ter feito 2 textos diferentes, assim já gostava mais!

    😂😂😂😂😂

    É ver o espernear 😕

  5. “Nos tempos mais recentes, parece ter havido um “boom” entre quem acredita que o resultado é secundário. Espero, que tal não tenha nascido no Lateral Esquerdo”

    Culpa do LE, nao foi mas quando aqui se falou de modelo e que os leitores viram ao vivo e a olho nu, graças ao LE, os treinadores que modelavam muito o jogar, alguns leitores acharam-se mais inteligentes que certos treinadores. Como o resultado nao seguia sempre os treinadores do modelo, certos leitores menorizaram o resultado e as causas dessa incoerencia eram o azar, os jogadores, as emoçoes…E nao olharam onde era preciso porque nao viram, por exemplo, uma parte da estrategia que é invisivél a olho nu.

    Por exemplo, muitos gostam do Bruno Lage porque começa as jogadas na abertura mas nao é a parte onde ele tem mais sucesso porque até o proprio o RV modelava mais as jogadas ( mesmo se eram sempre as mesmas dinamicas) depois da estrategia defensiva de pressao alta. O problema do RV foi que os adversarios adaptaram-se ao seu modelo algo pobre e que esse modelo trazia desequilibrios na estrategia post-pressao. A verdadeira força do Lage està por enquanto na nova estrategia defensiva muito segura.

    Para acabar, tenho uma pregunta: quando teremos o post sobre o soberbo trabalho do Joao Rocha no benfica em futsal? é que em termos de modelo ( tanto jogadas variadas) e de estrategia ( aquela pressao alta!!) com um grande turn over, a aplicaçao pelos seus jogadores é impressionante.

    • *Joel Rocha, João Rocha é o pavilhão xD

      E discordo em relação ao “soberto trabalho”. A forma de trabalhar não mudou dos últimos anos para este ano, o que mudou foram os ovos com que está a trabalhar.

      • Obrigado pela correçao.

        Vivo em França, vejo pouco futsal e ainda mais português, e nao tinha a minima ideia este ano do nivel do Benfica nem do Sporting. Ontem, tive ocasiao de ver o jogo contra o Fundao e nunca tinha ouvido o nome do Joel Rocha. Pelos comentarios, ele estava antes no Fundao e imagino como tu dizes que o trabalho dele começou bem antes deste ano.

        O que eu sei é que fiquei impressionado e imaginava o LE a analisar aquela equipa porque havia muito a dizer.

  6. Muito obrigado pelo post!!!

    Axo realmente que estamos todos fartos de levar com auto promoções de gajos fracos… que pensam que é assim que saem lá de baixo!

    Treinem, trabalhem com qualidade… a competência triunfará! É por acaso que nao se vê tr dos grandes, ou bragas e Guimarães a partilhar as suas jogadas…????

    Quem não presta vai sempre cair ano após ano… Não aproveitará as oportunidades… nao é porque ta nos Facebooks da vida cheio de teorias que passa a ser bom… e muito menos que passa a ter oportunidade em clubes que reconhecem esse chico espertismo falso à distância

    Vao comprar inimigos mas acreditem que fizeram um grande favor a 90 p cento dos treinadores

  7. A chegar aos 300 shares, o post?!?! Afinal é mesmo uma maioria silenciosa que tem de levar com as merdas dos nabos… mas só quando ganham e corre bem!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*