Da evolução – Carvalhal, Vitor Pereira, Jorge Jesus, e não só

Algumas frases fortes no Fórum do Treinador, que até chegam no sentido da evolução que temos vindo também a operar por aqui…

Adaptação – Variabilidade – Ideia de jogo que cada vez mais depende do jogador


Na 1a época de Benfica, eu fui treinador a 101%. A ideia de jogo era tudo. Hoje a ideia de jogo é dos jogadores, eu sou um orientador de características. Queremos jogadores autónomos, não automáticos

Joel Rocha


O futebol é uma droga. Nós treinadores somos um bocado autistas, estamos sempre no nosso mundo. Em casa parecemos uns fantasmas, estamos lá mas não estamos, estamos em constante reflexão a pensar na nossa equipa, no adversário que vamos encontrar e no que podemos melhorar.

Vitor Pereira


O grande momento de aprendizagem na minha vida foi ter descido uma equipa de divisão (1860 Munique) e não os títulos que já conquistei na minha carreira. 
Se propuser ideias complexas a jogadores que não têm capacidade para me dar aquilo que eu quero, esse é um erro enorme. Mas erro pior era eu não ter aprendido com os meus erros. 
Outro conselho? Não se metam em buracos ou em coisas que saibam, à partida, que vão falhar. Não pensem que podem fazer milagres. Eu pensei e cometi um erro.

Vitor Pereira


Tive de me adaptar. Cá está. O treinador tem de se saber adaptar à realidade do clube, do país e aos próprios jogadores. O jogador saudita não gosta de trabalhar, nem gosta de compromisso. Tive de me adaptar a isso

Jorge Jesus


Quando comecei a minha carreira, utilizei três centrais, muito por culpa do Cruyff. Os meus primeiros 10 anos foram em 3x4x3 ou 3x5x2. Hoje mudei para outro sistema. Para mim, a evolução do futebol vai partir para isso: para que os treinadores e os jogadores, no próprio jogo, mude de sistema. É como no andebol! É o desporto onde há mais alterações no sistema tática ao longo do jogo. Jogar com três jogadores a partir de trás é mais difícil, de ensinar e de jogar. A maior parte dos jogadores não começa a jogar com três mas sim com um quarteto defensivo. São formados com uma ideia de jogo diferente. É um sistema que a mim me apaixona. Na Arábia joguei assim algumas vezes. E quando voltar ao trabalho, vou tentar novamente que a minha equipa conheça mais um sistema. Isto é um trabalho diário. Tem de haver uma evolução da ideia de jogo. Tanto a defender como a atacar

Jorge Jesus


Tenho 10 tópicos que me orientam e aqui posso revelar cinco: criar, organizar, transportar a ideia para o treino, repetir e acreditar. Esta coisa de exigirmos aos jogadores. Nos dias que correm não está fácil, ainda para mais nas equipas tops. Há jogadores que não gostam da exigência

Jorge Jesus


Na adaptação que faço do meu treino, não posso, por exemplo, tirar a capacidade ao Hulk de se expressar, de levar a bola, de explodir no ataque, de arrastar a equipa. É claro que o meu processo de jogo se baseia em jogar a um ou dois toques. Mas tive de aprender a adaptar o meu modelo aos jogadores que tenho no plantel

Vitor Pereira


Há números em excesso à volta do futebol. Há um detalhe exagerado e acho que é negativo se os treinadores confundirem o fundamental com o acessório, reportando-se muito mais aos números e às estatísticas do que propriamente ao jogo, pois isso é que é o fundamental. E o que distingue os treinadores portugueses é essa capacidade perceber as coisas com emoção, para ligar as pessoas, as equipas. E isso não é estatística, é para lá disso

Carlos Carvalhal


O futebol está em extremos, jogar atrás, jogar longo, e parece-me que se está a perder a noção do equilíbrio da equipa e da necessidade de variedade e mudança dentro do jogo.

Carlos Carvalhal

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3697 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*