Afiar as garras a pensar na Supertaça, nas asas de um líder FABULOSO

A preparação do Sporting vai avançando sendo pensada em função do que a grandeza do clube exige – Preparar-se para vencer. Consegui-lo será outra história… Tende-se a confundir o propósito de uma pré época de um clube da dimensão do Sporting da de outras realidades. A este nível, opções são para ser tomadas logo nos jogos de preparação… afinal devem… preparar! Oportunidades são dadas todos os dias, em cada minuto nas unidades de treino – Depois, há que preparar uma equipa para que possa triunfar.

Por isso Marcel Keizer vai dando mais minutos e em simultâneo a quem tem mais argumentos para poder ajudar o Sporting a triunfar, e já basta as dificuldades que as competições de Verão (Copa América, CAN) trazem, privando os treinadores dos seus jogadores durante um período inicial importante.

No jogo da última madrugada, apenas uma única surpresa, sem que se tenha ainda percebido exactamente o porquê. Bruno Fernandes trocou de espaço com Vietto, passando a defender o corredor esquerdo em Organização Defensiva no 4x4x2, enquanto o argentino se posicionou como avançado.

Uma única mudança (e técnica) ao habitual – Troca de Bruno Fernandes por Phellype
Organização Defensiva

Embora a espaços apresente bons momentos em ataque organizado, maioritariamente quando Bruno Fernandes de frente para o jogo descobre colegas e se vai associando por entre as linhas adversárias, é sobretudo em contra ataque que o Sporting se prepara para investir na Supertaça.

É no momento de transição ofensiva que tem mostrado mais capacidade para criar, beneficiando de uma dinâmica que se vai notando cada vez mais – Na recuperação, os avançados são referência para receber no pé (Vietto e Phellype) – Se recebe o mais profundo toca no segundo avançado que vem de frente para o jogo, enquanto Raphinha no corredor direito chega a grande velocidade para receber na frente com espaço. No corredor oposto é Wendel que com uma largura e velocidade de passada impressionante chega para finalizar

Vietto de frente para o jogo referência para receber no pé – À direita Raphinha chega muito rápido e é uma das referências para receber o 2º ou 3º passe do Contra Ataque. 2º se 1º for para Avançado / médio de frente para o jogo; 3º se 1º for para Phellype que tocará no tal Avançado / Médio de frente

O Benfica parte com favoritismo, mas Keizer vai paulatinamente desenhando formas de preparar a equipa na sua transição ofensiva, e beneficia bastante da incrível capacidade de acerto em zona de finalização de Bruno Fernandes e Wendel que não precisam de demasiada criação para balançar as redes. No imediato falta maior regularidade (mais tempo durante o mesmo jogo) com qualidade na organização ofensiva, e principalmente trabalho de pormenor (pormaior!) nos momentos defensivos – Alinhamentos e coordenação das diferentes linhas.

Nota final para um jogador e um líder FABULOSO.

Não há forma de liderança tão eficaz e tão cativante quanto a da qualidade e do exemplo:


MAIS CONTEÚDOS EXCLUSIVOS  na página de patronos deste projecto. Recordamos que 1 dollar mês será desde logo uma grande ajuda, e suficiente para poder ver tudo o que é por nós produzido

Se enquadra parte-te todo, Thiago Almada (aqui)
O Segredo do 6×4 de Lage (
aqui)
A nova vida de Romário Baró (aqui)
A progressão do City de Guardiola (aqui)

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3618 artigos
Pedro Bouças - Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

4 Comentários

    • E o Sporting tem algum desses também?
      Eu sou da opinião do autor. Acho que o Benfica parte à frente, mas com o Bruno Fernandes, que é quase o Messi do campeonato português, tudo é possível.

    • A questão é mesmo essa. O Benfica pode não estar “afinado”, pode “não ter” uma série de coisas, mas o Sporting definitivamente “não tem” ainda mais. Atentas as características do jogo e o momento em que o mesmo é disputado, não me atrevia a arriscar num favorito, mas exclusivamente do ponto de vista do conjunto de coisas que, se assim o podemos dizer, está ao alcance do controlo do treinador, favoritismo ao Benfica, de facto. Uma pergunta: não consideram que, caso Mathieu tivesse um feitio diferente (estilo Luisão) o Sporting não beneficiaria da sua postura em campo, enquanto elemento que berra, lidera e corrige? O Sporting precisa de organização defensiva como de pão para a boca…

  1. Sinceramente vejo a Supertaça como um troféu de pré época. Não lhe dou grande valor tal como não dou à Supertaça europeia. É uma fase em que nem os planteis estão fechados nem as ideias do treinador estão implementadas, sejam elas as que vêm de trás, novas ou com nuances.

    A própria taça da liga passa para mim a ficar bastante desvalorizada e/ou apenas uma competição de treino por não ter final no fim da época.

    Entendo que possam no entando ser importantes para quem parte da posição de chalenger.

    Não vejo ainda no Sporting de Keizer ideias que façam sentido. Podem ser ideias que ganhem taças mas para ganhar campeonatos são precisas ideias para todos os momentos de jogo. Ou muda ou os adversários fraquejam ou não pode competir no enduance do campeonato com mérito próprio sem sequer organizar as movimentações da defesa nos vários momentos do jogo. Ou estarei a ver mal?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*