Big troubles, Mou

Décimo quarto lugar, três vitórias em doze jogos, e nove pontos de atraso na qualificação para a Champions de 2020/2021. Não parece que o Tottenham pudesse estar ainda pior. Um clássico José Mourinho ao longo dos anos mais recentes.

Chega a um Tottenham que Pochettino fez crescer até à presente época, com o intuito de vencer um troféu para um clube que soma apenas um (Taça da Liga) no presente século – Com a dificuldade acrescida de este ano já não poder sonhar com tal competição (Pochettino foi eliminado pelo Colchester). É o regresso a um clube cheio de problemas, mas com potencial humano e material para crescer.

Em Londres encontrará um plantel com possibilidades de construir um onze repleto de jogadores que em tempos tentou ter consigo. De Kane a Dier, passando por Alderweireld e Eriksen.

Depois da paragem fica por perceber que modelo novo traz para a sua equipa – Como atacar e como se desdobrar defensivamente?

A reinvenção táctica de Mourinho que terá passado os últimos meses a preparar-se para regressar é uma das maiores curiosidades entre quem segue com expectativa o futebol actual.

Veremos um Tottenham a defender à Liverpool, com linha de três na frente, com Kane, Son e Eriksen, ficando uma linha média a três – Ndombelé, Winks e Delle Ali?

E ofensivamente? Como se irá desdobrar o Tottenham na passagem da Transição Ofensiva para Organização? Chegada de Ali às costas de Kane, num triângulo que se formará com Eriksen, enquanto corredor lateral ofensivo entregue a Son e a um dos laterais? Num 3x2x5? (Alderweireld, Sanchez e Verthongen) x (Winkx e Ndombelé) x (Aurier, Eriksen, Delle Ali, Kane e Son)

Aceitam-se apostas!

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3704 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

4 Comentários

  1. Não partilho do mesmo otimismo. Se é verdade que o Tottenham não ganhou troféus, o que até é lógico porque não será em termos de plantel mais do que 4º ou 5º na hierarquia da premier, a verdade é que era das equipas que praticava melhor futebol e teve um crescimento brutal sob o comando do Mauricio.

    Já o Mourinho, pela primeira vez em longos anos, vai pegar numa equipa em que presidente não pode (ou não quer) gastar dinheiro e em que parte importante da espinha dorsal dos últimos anos está em final de contrato e em trânsito para outras paragens (Toby, Jan e Cristian). Vai ter que se agarrar aos miúdos vindos da formação, que vendo o histórico do Mourinho em Londres, Manchester, Madrid ou Milão, não é propriamente o seu forte. Em suma, no imediato terá condições melhores do que teve no United, porque herdou um plantel mais forte, mas no longo prazo não terá os 500 milhões que teve no United para torrar em jogadores.

    Finalmente, e como adepto à distância do Tottenham acho Mourinho uma péssima opção para o clube. O tempo dirá o que trará Mourinho de bom ao Tottenham.

    • Por ventura essas condicionantes ate podem ser beneficas.

      Embora seja evidente que os Spurs querem titulos, talvez isso explique a decisao de optar por Mourinho, a verdade e que a pressao, ou “obrigacao”, nao e a mesma do United, um pouco por causa dessa capacidade de investimento que usufruiu. Aqui, tera que lutar com as armas que tem, que na minha opiniao sao muito boas, apesar de uma ou outra lacuna, sera obrigado a ser mais criativo no mercado e a trabalhar para desenvolver individualmente os jogadores que tem. Neste caso, parece-me ter jogadores mais a sua imagem, “menos vedetas” e capazes de serem potenciados. Por outro lado, herdou um colectivo que ja e forte, embora haja relatos de problemas no balneario.

      Julgo que ele procurava um desafio deste genero, um clube que nao e “o topo”, mas que ja esta perto de o ser, com menos responsabilidade, mas com legitimas ambicoes… onde ele possa ser o balsamo, que ja foi no passado, podendo elevar o clube para outro patamar (o de vencer).

      A questao essencial e que futebol ira apresentar, porque os olhares criticos aos seus ultimos trabalhos, e com razao, apontavam todos ao mesmo problema… um futebol muito pobre.

  2. Pra jogar em contra ataque lá teremos o velocista Lucas Moura… Sim,acho que será “Lucas e mais dez”!

    Não,mas a sério,vamos ver o Mourinho do costume:a apostar mais no músculo do que no cérebro(ao contrário do Guardiola)… Chamados pra “guerra” os soldados Aurier,Sissoko,N’Dombélé etc etc… Pra dar como sempre um “Boring Football” 🙁

    PS:Esse comentário NÃO É da autoria d’El “Conguito Blanco”,Bernardo Silva 😉

1 Trackback / Pingback

  1. A estreia de Mourinho, a Libertadores de Jesus, e um Benfica apurado – Lateral Esquerdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*