O belo mundo da nova Académica

Uma entrada na Segunda Liga completamente em falso, onde durante a vigência de César Peixoto a Briosa somou apenas duas vitórias em dez jogos e se afundou perigosamente na tabela ao ponto de parecer um sério candidato à despromoção atrasou por completo a equipa de Coimbra na tabela.

Com a chegada de João Carlos Pereira, iniciou-se uma recuperação inacreditável!

A briosa que nos dez primeiros jogos somou apenas oito pontos (duas vitórias) tendo marcado à média de menos de um golo por jogo, somou sob o comando de João Carlos Pereira dezanove pontos em nove jogos. Ou seja, mais que dobrou a pontuação num período menor! E da média inferior a um golo por jogo passou a marcar mais de dois por jogo.

A recepção ao Académico de Viseu não trouxe apenas mais uma vitória, mas também um golo de fazer recordar as famosas entradas de Dani Alves no antigo Barcelona de Pep Guardiola.

Passe recuado que sobe a linha adversária e duas entradas nas costas – Uma para servir outra para finalizar.

Em Contra Ataque ou em Ataque Posicional, sabendo sempre defender e defender-se, a outrora “afundada” briosa chega ao cimo da tabela da Liga Pro.

2 Comentários

  1. É muito bom ver que alguém conseguiu pôr ordem naquela bagunça e que começaram a subir na tabela. A Académica é uma equipa de 1.a Liga, e se aparecer por lá qualquer jogador com outro espírito que não esse, que seja imediatamente despedido e substituído por outro, nem que seja dos júniores.

  2. Recordo-me da primeira passagem de João Carlos Pereira pela AAC e sempre o admirei como treinador, desde logo pela sua postura e pelas suas intervenções.
    Sempre defendi que, quem sabe como actuar na gestão de uma equipa é o treinador, pois é ele que trabalha diariamente com os atletas.
    Neste pressuposto, que mantenho, mas como mero espectador, não compreendi a substituição de um jogador, aliás a primeira substituição efectuada por JCP.
    Nesse momento, a AAC perdeu o meio campo, perdeu o controle da posse de bola e o Académico de Viseu passou a dominar, criando várias oportunidades.
    Sem que a entrada de Djoussé e a passagem de Barnes Osei ( ? ) para a ala trouxessem quaisquer vantagens.
    Felizmente, a AAC fez o segundo golo e matou o jogo.
    Força, AAC !

Responder a António Carlos Machado Martins Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*