De perdas em perdas até perder o que há para perder

ele não perde a bola, e isso é muito importante para mim

Pep Guardiola sobre Bernardo Silva

Retirado do “Saber Sobre o Saber Treinar”

Nenhuma equipa será verdadeiramente grande enquanto reunir um conjunto de jogadores que sistematicamente perdem a posse. Que a perdem porque não são suficientemente inteligentes ou porque não têm nível técnico ou motor o suficientemente eficiente para promover eficácia.

Por mais que ainda hoje se continue a valorizar jogadores que acertam apenas uma em cada dez, porque essa uma tem uma qualquer beleza estética, nenhuma grande equipa resiste sem que tenha na sua base jogadores capazes de terem regularidade na sua qualidade.

Ter Pizzi, Gabriel, por vezes até Rafa (embora com grande capacidade para criar, e de quem se pode sempre esperar mais – e não há outro assim) e Vinícius (não há melhor, é um facto) significa que se espera por momentos, mas que não se consegue na regularidade aproximar a equipa desses momentos – Afinal, são jogadores com erros sistemáticos. O oposto serão jogadores como Chiquinho, Weigl ou o próprio Tiago Dantas – Podem nem se fazer notar, mas porque não erram ajudam ao carrossel ofensivo, aproximam a equipa do último terço, são eficientes e ajudam a estrangular opositores que não conseguem roubar bolas e aproveitar para respirar.

Bruno Lage trouxe para o relvado na retoma do campeonato o mesmo conservadorismo nas escolhas com que atravessou a fase negra pré paragem. E curiosamente na temporada finda, foi quando trocou tais receios pelo lançamento dos jovens Felix e Florentino que fez o Benfica crescer.

Já reparaste que nós muitas vezes substituímos um jogador e ele é que fica chateado connosco? Então mas eu estou a tirar um jogador do campo porque ele não está a render e ele é que se chateia comigo? Eu dizia-lhes: “Amigos, calma lá, vamos aqui perceber uma coisa: quem está lixado convosco sou eu. Não ponham as coisas ao contrário. Não vão por aí. A mim é que me apetece partir-vos todos, não são vocês a mim. 

Luis Castro, ao Expresso

Surpreendente (analisando exclusivamente qualidades dos jogadores) a exclusão de Chiquinho e a persistência em Pizzi. Sim, o transmontano tem um registo estatístico que impressiona (número de golos), fruto de ser um jogador com grande capacidade para definir em FINALIZAÇÃO. Contudo, é sempre um jogador a menos no processo defensivo, e sempre incapaz de ajudar sequer a equipa no processo de CRIAÇÃO. Para lá de que mais do que ser incapaz de criar, é uma fonte de problemas por perder sistematicamente bolas fáceis – É completamente ineficiente na forma como recebe a bola, e a sua velocidade de execução paupérrima é hoje um problema de dimensão gigantesca.

Sem surpresa é sempre o jogador encarnado com pior percentagem de passe (apenas superado pelo Avançado Centro), e uma fonte de perdas de bola. Não cria, não desequilibra ofensivamente, não defende e por isso torna toda a pressão colectiva insípida e limita-se a esperar que alguém o alimente para finalizar na grande área.

É curioso que muito dificilmente os melhores 10 goleadores do futebol mundial venceriam jogos se coabitassem todos o mesmo onze. É que sendo o golo o dado mais importante do jogo, para que alguém o possa marcar, é preciso haver quem construa e quem crie. Nos dias que correm ter Pizzi é ter alguém que o pode fazer, mas menos um para o criar, além do tempo que gastará à sua equipa – Afinal muitos dos ataques que passam por si passam a ser ataques do adversário. Embora neste particular ninguém na realidade clube grande em qualquer ponto do globo consiga bater Gabriel (tendo em conta o posicionamento sem pressão que ocupa).

A perda de qualidade individual do Benfica de ano para ano é uma evidência, e nenhum treinador no futebol mundial o esconderá – Embora alguns possam exigir outros “ovos”, e outros possam não compactar com quem tem mais estatuto que rendimento.

Taarabt tão adiantado parece um equivoco – Não tem habilidade motora e velocidade de movimentos corporais para definir em espaços tão curtos, e ainda mais se recordarmos que é de frente para a zona de criação que tem mais impacto pela forma como a alimenta. A saída de Weigl, único jogador de todo o onze capaz de valorizar a bola outro equivoco gritante, ainda para mais quando a opção passou por manter o melhor jogador do Tondela, pela quantidade de bolas que deu para os forasteiros atacarem – Gabriel Pires.

Se recordarmos que foi com Chiquinho que o Benfica cresceu na presente temporada, mais se percebe a importância de ter quem seja eficiente no seu gesto e nas suas decisões.

Follow
Follow
Dejan Savicevic
Sobre Dejan Savicevic 87 artigos
Ricardo Galeiras Treinador, apaixonado por desporto, futebol e treino. Experiência em campeonatos nacionais na formação e atualmente ativo no futebol sénior. Colaborador na área de scouting e análise de jogo, com vários treinadores e equipas do campeonato nacional da Primeira Liga. Contacto: galeiras@gmail.com

21 Comentários

  1. Os comportamentos miseráveis do ponto de vista competitivo por parte do Pizzi não são de agora. Há meses que ele se anda a arratar, com a complacência do treinador. Por mais que o balneário possa pesar nas decisões, nenhum treinador com amor próprio mantem aquela cabra constantemente no 11.

  2. Exactamente! O Benfica não pode jogar com metade da equipa a perder bolas porque sim, porque não e porque também.

    E a fixação com o Almeida em vez do Tomás? Alguma vez o Almeida vai jogar o que o miúdo já mostra hoje em dia? Claro que tem problemas sem bola – com bola é óptimo, pelo menos não a entrega à toa! – mas será que isto é assim tão importante para uma equipa como o Benfica, que passa 90 por cento dos jogos com a intenção de atacar, atacar, atacar? Ainda por cima o que lhe falta aprende-se com a orientação certa e com jogos nas pernas.

    Na minha opinião, ontem faltou muita cabeça, pausa, calma e o Tomás teria sido importante nestas vertentes. O Rafa é um jogador terrível, executa ao nível dos distritais (há uma jogada na segunda parte que é elucidativa: dispara na frente numa longa correria, consegue virar-se para dentro e ultrapassar o adversário e depois… mete a bola no único espaço onde ninguém lá poderia chegar ahaha :-D).

    • Essa jogada foi um único desiquilíbrio por drible da 1a parte, ele cruza atrasado para a zona do 2o ponta….que estava no banco.

  3. Grande post. Vocês precisam de mais espaço nos meios mais mediáticos. Perdemos tanto tempo com comentadeiros, e o pessoal com conhecimento de causa, técnico, fica de fora. Acreditem que o futebol não é o único meio em que isso acontece! É uma pena. Grande abraço

  4. Assumindo que o Pizzi e o Gabriel não são muito diferentes disto nos treinos, o que justifica a fixação do Lage por estes dois jogadores? É o peso que cada um deles tem no balneário? É falta de alternativas? É falta de coragem para apostar em alternativas?

  5. Sou leigo na área, mas gostei da análise por ir ao encontro de aspetos centrais do modelo da equipa técnica liderada pelo Bruno Lage. Tenho pena de se expor tão negativamente alguns jogadores, que noutros momentos contribuíram para levar a equipa do Benfica a tão bons resultados. Sendo o futebol um jogo coletivo, eles encaixavam muito bem na equipa que tanto sucesso teve na época passada. Parece-me que ontem, manter Gabriel em campo fez algum sentido, dado ser ele o mais competente a recuperar bolas e depois a acelerar o jogo em transição, potenciando as características dos avançados. No vosso post no final da época passada sobre o modelo do Bruno Lage (https://www.lateralesquerdo.com/2019/05/24/bruno-lage-o-pack-completo/) expõem, com declarações do próprio, que é deliberada essa maior vertigem no jogo do Benfica:
    “Temos que olhar para os jogadores que estão à nossa disposição e perceber para onde os podemos levar. Ter rendimento. Quando temos os cavalos de corrida que temos, precisamos de os potenciar. Temos de marcar golos, mas primeiro não precisamos de dar 30 ou 50 passes. Não é isso que eles querem! O que fizemos foi perceber os jogadores, como os podíamos relacionar uns com os outros”.
    Gostava também de saber a vossa opinião sobre o impacto no modelo do Lage, em relação às saídas do Jonas (22 jogos, 1000 minutos na Liga) e do Félix (26 jogos, 1700 minutos na Liga), porque me parece que eram claramente os melhores jogadores ofensivos da equipa e que serviam para ligar o jogo, em que para além de camuflar os pontos fracos dos colegas, que vocês elencam neste post, também serviam para potenciar os seus pontos fortes. Ambos saíram e este ano as figuras do ataque são Pizzi, Rafa e Vinícius. Não me parece que as armas ao dispor este ano se aproximem das do ano passado, seja do ponto de vista da qualidade individual, seja do impacto que têm no rendimento de outros colegas. Parece-me que falta mais capacidade na leitura do jogo no último terço do terreno neste momento. Chiquinho deve estar com algum problema físico para nem sequer ter sido convocado, quando no banco estiveram dois pontas-de-lança, com características relativamente semelhantes ao titular. Caso não seja um problema físico, então nos treinos Seferovic e Dyego Sousa estão com uma excelente veia goleadora. Não quero pensar que num clube como o Benfica os técnicos sejam pressionados nas convocatórias.

  6. Pegam em dados incorretos, extrapolam e tiram uma conclusão sem nexo nenhum.

    Não, o Pizzi não é o jogador com pior % de passe (Rafa, Gabriel e Cervi são piores, já descontando os avançados). O que é normal dado ser dos jogadores da frente que mais arrisca no passe.

    Depois dizer que o Pizzi “Não cria, não desiquilibra ofensivamente” é toda uma falta de noção gritante quando é de longe o jogador da equipa com mais ocasiões criadas, passes chave e assistências.

    Fonte: https://www.whoscored.com/Teams/299/Show/Portugal-Benfica

    Em relação ao resto concordo. Taarabt tem de jogar mais atrás para transportar jogo que Weigl não o consegue fazer. Gabriel não acrescenta nada.

  7. O Pizzi é talvez o maior problema desta equipa, perde muitas bolas faceis,constroi muito pouco,muito passe para trás e para o lado, muito fraco no momento defensivo e pior de tudo, a equipa só o tem a ele para desequilibrar em espaços curtos e tirar uns coelhos da cartola o que torna este Benfica Pizzidependente, já não há Felix, Jonas ou Salvio.Quando Pizzi não marca ou não inventa nada o Benfica não ganha e ele já não marca nem inventa há muito tempo.
    Já o Gabriel é uma história diferente.
    Perde muitas bolas é verdade,mas também recupera muitas e está constantemente a construir e a assumir o jogo, não se esconde como o Pizzi com passes para trás e para os lados.
    Mas concordo com o post, uma grande equipa não pode ter tantos jogadores a perder bolas com tanta facilidade e eles já são tantos, Pizzi, Gabriel, Rafa, Grimaldo, André Almeida,Seferovic, Vinicius, Cervi, Jota …

    • Olhando às estatísticas do Gabriel neste jogo recuperou menos bolas do que as que perdeu! Faz assim tanta falta a sua recuperação de bola se tem um saldo negativo? Então na segunda parte foi um fartote de perder bolas e de más decisões… Aliás na primeira andava com tanta fome de bola que queria sempre ir pressionar seja onde for e criava espaços vazios no campo para serem aproveitados, na segunda e notou-se que fisicamente já não tinha muito gás perdeu ainda mais bolas.
      Tenta jogar à quarterback, mas tem uns pés bem tortos…

      • Aliás o Lage se queria arriscar tirava o Jardel que é o pior defesa a construir, baixava o Weigl e teria muito mais definição na construção de jogo.

        Não percebi a entrada do Jardel num jogo onde já se sabia que o espaço ia ser reduzido e o Ferro tem mais qualidade a sair a jogar.

        • Não percebeste a saída do Ferro? Não andavas a ver a autostrada que ele dava aos adversários nos últimos meses? O jardel , hj em dia mesmo coxo rende mais do que este actual Ferro, o facto dele ter uma boa saída de bola neste momento não justifica sua presença em campo.

  8. Bravo! Que grande análise. Finalmente alguém que põe exposto o que eu tenho visto no Benfica, e que ontem foi mais que evidente!
    Concordo com isto a 1000%.

  9. Aliás o Lage se queria arriscar tirava o Jardel que é o pior defesa a construir, baixava o Weigl e teria muito mais definição na construção de jogo.

    Não percebi a entrada do Jardel num jogo onde já se sabia que o espaço ia ser reduzido e o Ferro tem mais qualidade a sair a jogar.

  10. ja ha um tempo que noto isto e ontem foi bem visível no weigl ao ser substituído quando acenou com a cabeça visivelmente chateado, lage perdeu o balneário e quando assim é podem vir com o melhor sistema modelo que nao vai resultar, os jogadores andam no campo sem animo e parece me que nao fazem o q o lage pede.

  11. Agora vejam. O Benfica vendeu o Salvio, um desequilibrador como mais ninguém no plantel para andar com o Pizzi a arrastar-se em campo. O Gabriel sempre foi assim não sei qual é a surpresa. Este plantel é fraco e não tem estofo para ser campeão. Faltam craques como tínhamos o Di Maria ou o Gaitán. Mas o presidente só que saber vender, o desportivo está quieto.

  12. Há jogadores que não sabem ter bola, e há uma equipa que não sabe o que fazer com a bola. Isso é nítido. Lage não durará muito mais porque não demonstra inovação para sair da situação.

  13. O weigl é zero….tem o quê? …não tem nada….não corre, não passa, não chuta, não recupera uma bola.. não perde uma bola????…pois não ….passa para trás e para o lado….não pressiona, não corta uma linha de passe…basta ver o rendimento da equipa desde o que entrou no plantel….o autor do texto pode fazer um video com ação do weigl desde que chegou a Portugal? …um lance atacar ou a defender decisivo??? 20 milhões?…os outros perdem muitas bolas?…é verdade…por isso havia o fejsa, o samaris e o florentino….

  14. Não sou assim tão crítico em relação ao Gabriel , por vezes ele exagera é verdade mas pelo menos ele não se esconde e assume o jogo , o Alemão é muito bom jogador, ningém tem dúvidas nenhumas sobre isso, mas fazendo o que ele faz hj em dia , apenas passes para o lado até eu fazia…

    Não entendo a fixação com o Pizzi, o tarabat podia perfeitamente jogar ali , a equipa precisa urgentemente de um segundo avançado que apareça em zonas de finalização e saiba ligar o jogo, mais do que perdas de bola, o SLB é neste momento uma equipa sem ideia.
    PS: o ano passado o Lage fez 1 ,milagre e ganhou 1 campeonato que me atrevo a dizer que mais nenhum treinador do mundo ganharia, todavia este ano temo que vai oferecer ao FCP , aquele que provavelmente seria o campeonato mais fácil de ser ganho nos últimos 20 anos em Portugal

  15. Enquanto Pizzi continuar a jogar o Benfica não ganhará muitos jogos, consegue estragar grande parte das jogadas ofensivas pela sua inércia,falta de velocidade e força física. Não estou a privilegiar o físico em detrimento da inteligência e técnica, Iniesta por ex é/era excelente sem ser um portento físico, mas o facto de Pizzi não ter condições físicas sequer para ser jogador de Primeira Liga dá que pensar. Escandalosa a contínua aposta neste homem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*