Desafie o Perito

O que é o DESAFIE O PERITO?

“Basicamente passa por desafiar o Lateral Esquerdo, site perito em análise futebolística.”

Para participar, basta preencher o número de seleções indicadas pela casa de apostas.

Esta semana a equipa do Lateral Esquerdo retoma o desafio! Escolhemos mais um lote de jogos interessantes para o desafio da Moosh.pt. Atreves-te a jogar? ENTRAR AQUI.

Eis a Lista escolhida:

Famalicão Vs Sporting de Braga

Percursos bem díspares pós quarentena enfrentaram Famalicão. Enquanto a equipa da casa somou 6 pontos batendo FC Porto e Gil Vicente, o Braga perdeu em Lisboa perante o Santa Clara e perdeu também na recepção ao Boavista.

O 4x3x3 de João Pedro voltou munido de uma criatividade ímpar e o Famalicão é hoje uma das equipas da Liga com mais facilidade para tirar a posse ao adversário e chegar a zonas de criação preparado para fazer estragos. O meio campo formado por Pedro Gonçalves e Racic tem a complementariedade defensiva / ofensiva necessária para impedir criação bracarense e ao mesmo tempo alimentar o último terço onde Diogo Gonçalves, Fábio Martins e Rúben Lameiras provam a cada instante a capacidade que têm para provocar desequilíbrios.

Custódio chega ao confronto em dificuldades. Perdeu a vantagem que Rúben Amorim havia “cavado” para o Sporting e o seu 5x4x1 em Organização Defensiva revela dificuldades a estancar a produção ofensiva adversária. Com bola o sistema bracarense transforma-se num 3x4x3 mas perdeu a capacidade de ligação dos centrais, e vive hoje muito dependente da capacidade desequilbradora de Francisco Trincão. O jovem tem somado golos, e desequilíbrio individual mas,  e também por isso tornou-se rota obrigatória dos ataques do Braga, que certamente o Famalicão fechará.

Tottenham vs United

O regresso da Premier League ficará desde logo marcado por um confronto de enorme expectativa e importância competitiva. A presença nos primeiros cinco dará presença na Liga dos Campeões da próxima edição, e o United que ocupa precisamente o quinto posto parte para o confronto em Londres com mais 4 pontos que o Tottenham, que terá oportunidade única de se aproximar.

Os forasteiros deverão voltar à fórmula utilizada nos jogos grandes, e que tão bons resultados proporcionou. Uma linha defensiva a cinco, Fred ao lado de Matic no meio campo, e Bruno Fernandes nas costas das “motas” Martial e Daniel James. Pressão asfixiante na saída adversária que trará imensas dificuldades à construção da equipa de José Mourinho, organização defensiva robusta e cuidada, e muito perigo na forma como assume o jogo em contra ataque, explorando as costas dos laterais adversários com constante solicitação em profundidade dos avançados.

Do outro lado Mourinho estará obrigado a vencer e deverá deixar cair o sistema com três centrais com que se apresentou em Leipzig, no último jogo antes da pausa. Garantidamente que preparada estará uma construção mais longa que contorne pressão adversária, e que utilize um avançado como apoio frontal para que a bola chegue então de frente a um dos interiores. 

Sevilha vs Barcelona

A recepção do Sevilha ao Barcelona será um dos confrontos mais decisivos de toda a temporada no país vizinho.

O Sevilha chega no pódio e por lá quererá manter-se para poder aceder à Liga dos Campeões, enquanto que a magra vantagem pontual do Barcelona dependerá sempre de uma vitória para manter liderança.

Duelo de 4x3x3 e de estilos bem parecidos. Embora com armas individuais diferentes, também a equipa da casa tem argumentos qualitativos importantes.

Fernando, Jordán, Óliver e Banega são médios capazes de uma grande complementariedade de acções. Do equilíbrio defensivo à capacidade para encontrar espaços para fazer a ligação do primeiro com o último terço, o Sevilha de Lopetegui tem o condão de ter chegada fácil à frente, e lá chegado, a capacidade individual de Lucas Ocampos e de Munir Haddadi, causa sempre problemas à estrutura defensiva adversária.

Do outro lado, a presença de De Jong mais próximo de Sergio para na segunda fase da construção procurar Messi será um ponto forte, complementado com a capacidade reactiva de Vidal na perda, e a criatividade de Griezmann. Não ignorando o possível aparecimento de Luis Suarez que vai entrando paulatinamente na equipa depois de longa paragem.

Brighton vs Arsenal

O Brighton precisa desesperadamente de pontos para fugir aos lugares de desproporção, que tão perto estão, enquanto o Arsenal de Arteta vai em busca de uma recuperação na tabela que lhe permita ainda chegar a lugares de Champions. O nono lugar envergonha, mas os cinco pontos para o United, último classificado entre os que se apuram para a Liga dos Campeões, são perfeitamente recuperáveis. 

São 7 jogos consecutivos sem triunfar, mas nem por isso é expectável que Graham Potter utilize a pausa competitiva para mudar o 4x3x3 com que a equipa da casa se apresenta. Com pouca qualidade individual para o nível Premier League, o Brighton tem em Webster e Dunk dois centrais dominantes e capazes de controlar investidas adversárias na sua zona. É precisamente no momento defensivo que mais confortável se sente a equipa da casa, e não será uma surpresa que o Arsenal assuma as rédeas da partida de forma integral.

Com Arteta o mágico Dani Ceballos voltou a emergir na equipa londrina. Como Xhaka formará a dupla de médios responsáveis por alimentar último terço, mas também conferir equilíbrio defensivo nas investidas ofensivas dos laterais, com especial incidência para Saka, o canhoto revelação da Liga. A ligação a Ozil entre linhas parece assegurada, e a velocidade de Pépé e Aubameyang serão problema de difícil resolução para a equipa da casa.

Leipzig vs Dortmund

Jogo grande na Bundesliga. O terceiro recebe o segundo, e fica a certeza de um confronto tático de tremenda complexidade.

O Dortmund viajará nas asas de um modelo bem definido e imutável. 3x4x3 aquando da posse, com centrais a procurarem assumir protagonismo na ligação com sectores adiantados. Emre Çan e Witsel dão o suporte em cobertura às investidas dos laterais – À direita o “voador” Hakimi, e à esquerda a criatividade e definição de Guerreiro, e ao jogo de permanente risco dos três homens da frente. Sancho e Haaland deverão ser presença assídua pela preponderância que assumem nas saídas rápidas. E face à pressão sem bola do Leipzig de Nagelsmann fica a expectativa de um Dortmund menos capaz de assumir o jogo, mais conservador e na espera pelo momento ideal para contra atacar.

O Leipzig traz sempre incertezas para cada partida. Nagelsmann muda agulhas táticas a cada partida, promovendo adaptação na fase defensiva número um – Impede Construção sempre com o intuito de pressionar e recuperar mais rápido a posse, para a partir daí impor o seu jogo. 

Independentemente do sistema, a dinâmica ditará um Leipzig a roubar bola e a procurar assumir o jogo em ataque posicional. 

A capacidade criativa de Dani Olmo, e a rotatividade e eficiência de Sabitzer será preponderante no alimentar da dupla de atacantes – Werner e Schick. Os avançados do Leipzig formam uma das duplas mais completas do futebol Europeu. Associam-se em posse, geram espaços e aproveitam-os, com tremenda eficácia.

Everton vs Liverpool

Os “toffes” são a desilusão da época na Premier League, onde ocupam o 12º posto, e os “reds” sagrar-se-ão campeões nacionais muito brevemente. O derby de Liverpool é mais um grande atrativo no recomeço da Primeira Liga Inglesa.

Ainda que há três jogos consecutivos sem triunfar, não é expectável que depois da paragem a equipa da casa altere paradigma táctico. O 4x4x2 bem desenhado no momento defensivo deverá manter-se como forma de impedir ataque posicional da equipa de Klopp. André Gomes deverá ser o elemento criativo que procurará explorar a velocidade na ala de Bernard e o talento de Ricarlisson que defendendo na linha da frente, se moverá por todo o ataque no espaço entre linhas. É todavia quando perde a bola que os “toffes” deverão ter dificuldades para controlar ímpeto adversário.

O Liverpool é provavelmente a melhor equipa do mundo a sair em contra ataque. Condiciona bem pressão, direccionando-a para o corredor central precisamente para ter Hendersson, Fabinho e Keita a recuperar nas costas dos adversários, procurando imediatamente Firmino que se transforma num número dez que alimenta a velocidade de Salah e Mané, que aceleram na direcção das balizas adversárias após cada ganho da bola.

Sociedad vs Real Madrid

Jornada incrível e de grandes definições na La Liga. O Real Madrid desloca-se ao país basco onde defrontará uma Real Sociedad em lugar “Champions”, e obrigada a vencer para manter Atletico à distância.

O 4x2x3x1 da equipa da casa encontra na criatividade de Odengaard e Januzaj a grande capacidade de desequilíbrio ofensivo. A Sociedade é no presente uma das equipas mais capazes de se tornar protagonista em toda a Liga. Pressão incessante sobre construção adversária retira espaço, bola e tempo para jogar aos oponentes. E com bola, tem o futebol de toque e criatividade com marca de uma Espanha que não mais é fúria mas antes inteligência.

Serão portanto enormes as dificuldades que a equipa de Zidane encontrará fora de casa. O 4x3x3 apresentado deverá voltar a ter Casemiro a controlar o espaço interior, preocupando-se com forma com define Odengaard, mas o pouco rigor defensivo de linha média no fechar das entradas para criação poderá ser um problema. Mesmo que Varane e Ramos sejam agressivos e consigo demasiadas vezes impedir enquadramento adversário.

Sem bola, só depois de ultrapassada a pressão inicial poderá o Real descansar, mas dificilmente haverá espaços largos para Vinicius Júnior ou Lucas Vazquez, ou Bale ou Rodrigo imporem a sua velocidade.

Valencia vs Osasuna

A equipa da casa tem desperdiçado possibilidades de aproximação à frente, enquanto o Osasuna vive tranquilo no meio da tabela. Expectativa, portanto, de um confronto competitivo mesmo que um Valencia bastante mais necessitado do resultado.

Mais fadado para um jogo de acelerações em contra ataque, onde beneficia da velocidade dos alas Gonçalo Guedes e Ferrán Torres, e ainda das demarcações de ruptura de Rodrigo Moreno, o Valência tem também na capacidade criativa de Dani Parejo, e na competência em zonas de finalização de Maxi Gomez, elementos capazes de em ataque posicional aproximar a sua equipa do golo. O 4x4x2 em Organização Defensiva rapidamente se transforma após o ganho da bola com o posicionamento mais interior dos alas e a profundidade ofensiva dos laterais – À direita o Italiano Florenzi e à esquerda Gaya têm soluções para alimentar o jogo ofensivo.

Também em 4x4x2 deverá surgir o Osasuna em Valência. Ainda assim, com uma matriz tática bem diferente, porque partindo de uma ideia mais defensiva e sem ter nos seus elementos capacidade criativa para poder assumir o jogo em ataque posicional.

Aston Villa vs Chelsea

Momentos opostos vivem as equipas londrinas que se defrontarão no regresso da Liga. O Aston Villa em zona de desproporção não poderá desperdiçar o factor casa se pretende sair da actual classificação. Do outro lado, o Chelsea de Lampard é uma das boas surpresas da época. Revelou jovens de grande talento e ainda soma bons resultados.  Porque não totalmente seguro no garantir de um lugar na próxima edição da Liga dos Campeões, fica a certeza de uma partida de grande competitividade.

O menino Gilmour deverá voltar a comandar o início do processo ofensivo dos “blues” – Talento e Criatividade logo na saída mais baixa de bola, que encontra o portento Mason Mount, capaz de desequilibrar no último terço, e a velocidade e definição de Willian. Giroud e Pedro serão os homens que deverão acompanhar o brasileiro no processo de criação.

O Chelsea de Lampard transformou-se numa equipa com enorme simplicidade de processos e capacidade de encontrar o homem livre nas costas das organizações contrárias. O 4x3x3 de Lampard revela astúcia e criatividade em ataque posicional.

Com cinco derrotas nos últimos cinco jogos, Dean Smith deverá montar um Villa de tracção à rectaguarda. Manterá o 4x1x4x1 com Nakamba a funcionar como um médio de cariz marcadamente defensivo, procurando controlar zona de criação adversária. Toda a esperança ofensiva residirá na capacidade criativa de Jack Grealish. O rapaz das meias baixas será o responsável por acelerar em progressão sempre que a bola for roubada e houver espaço para contra atacar.

Atletico vs Valladolid

Época interna atípica para o Atletico de Simeone. A perda de Griezmannn trouxe maiores dificuldades ofensivas – O pecúlio de golos marcados é muito baixo (média pouco superior a um por jogo), e tudo o que o Atletico faz de positivo centra-se sobretudo na tremenda capacidade defensiva da equipa. Focado na conquista da Europa, depois de batido o Liverpool, a equipa de Simeone não quererá deixar de ter na Liga uma garantia de que estará na próxima edição da Champions.

Será garantidamente em 4x4x2 que o Atletico se fechará no seu processo defensivo, dando aos laterais Trippier e Lodi preponderância ofensiva em ataque posicional, enquanto Saul Niguez, ala no momento defensivo se juntará ao meio campo formado por Koke e Partney. Por perceber estará o nível físico da linha ofensiva. Num jogo que procura aproveitar a agressividade de movimentos de Diego Costa, o Atletico encontrará dificuldades de criação.

Também o Valladolid se apresentará em 4x4x2 no Wanda Metropolitano. Linhas baixas, espaço encurtado, e grande preponderância de Salisu nos duelos. O central africano que encanta o Atletico estará do lado oposto e será arma poderosa contra o vigor ofensivo do Atleti.

Sem grandes armas individuais, Sergio lidera uma equipa que prima essencialmente pela sua organização e capacidade combativa sem bola, que se transforma numa equipa que pretende jogar aquando do processo ofensivo.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*