Ganhei a Bola, e agora?!

O exemplo da Transição Ofensiva do Real Madrid C. F.

Afinal, o que é uma Transição Ofensiva? É possível haver uma transição rápida? E se existem rápidas, também haverão lentas? É muito comum ouvir narradores ou comentadores num jogo de Futebol (e não só) a referirem-se a certas equipas que estas jogam em “transições rápidas”.

A transição trata-se de um momento, mas a organização ofensiva que se segue pode dar lugar a um tipo de ataque mais rápido e vertical, ou então mais paciente e elaborado. Será correcto associar o momento de transição, classificando-o como rápido ou lento, tendo em conta o que o procede, isto é, se é um ataque posicional, ataque rápido ou um contra-ataque?

Quando observamos uma análise, é comum ouvir-se “Esta Equipa joga em transição”, mas transição, todas as equipas a fazem, independentemente do seu contexto competitivo, o importante perceber é a definição pelo primeiro passe, pois é o que vai determinar o tipo de ataque que se seguirá. Mas porque razão se torna tão importante distinguir a “Transição Rápida” do “Contra-Ataque”? Parece que todos entendem essa distinção, mas se ela não for feita, provavelmente será por falta de conhecimento do Jogo, e quem não conhece o Jogo vai ter dificuldade em treinar os momentos, pois não se pode treinar o que não se conhece.

“Um jogo de Futebol sem golos é como um Domingo sem sol”

Alfredo Di Stéfano

Segundo Garganta (2010) a recuperação da bola é definida como o primeiro momento de posse de bola de uma equipa, coincidindo com o início da fase ofensiva de seu jogo. Uma Transição Ofensiva é considerada todas as ações técnico-táticas que uma equipa realiza desde que recuperou a posse da bola e procura tirar proveito da reorganização coletiva do adversário (que está naquele momento em transição defensiva), para alcançar uma situação ótima de progressão no terreno, até que a equipa se organize ofensivamente (Casal et al., 2015).

O objetivo das transições ofensivas varia de acordo com as necessidades e a vontade da equipe que as executa. Uma transição ofensiva direta e rápida, com busca imediata de objetivos, está associada a dois tipos de comportamentos ofensivos: contra-ataque e ataque rápido. Por outro lado, uma transição ofensiva organizada, sem a saída imediata em direção à baliza adversária, está associada a comportamentos de progressão em direção ao ataque ou como um meio de alcançar vários sub-princípios ofensivos (Fernández-Navarro et al., 2018).

Castelo (2003) atribui dois aspetos fundamentais à Transição Ofensiva. O primeiro diz respeito às atitudes e comportamentos dos jogadores no momento imediato após a recuperação da posse de bola, já o segundo aspeto depende da variação rápida do centro de jogo, a partir da zona onde ocorre a recuperação da posse de bola e em direção a zonas de finalização.

O Real Madrid C. F. é para mim uma das equipas mais fortes e letais naquilo que é a exploração do contra-ataque após a recuperação da bola, não pela complexidade de processos, mas pelo contrário, pela simplicidade e pela forma como os seus jogadores são fortes e vão de encontro, numa sintonia quase perfeita, aquilo que se pretende num contra-ataque.

A preponderância que o passe vertical e a velocidade dos seus jogadores assumem neste contexto são o primeiro passo para executarem a tarefa com sucesso. Estão bem visíveis princípios e sub-princípios ofensivos, na forma clara como a Equipa parte para o contra-ataque, sendo facilmente perceptível o bom uso do “Espaço”, seja em largura, como em profundidade.

Follow
Follow

Sobre Zidane 18 artigos
André Azevedo. Treinador de Futebol (UEFA B). Licenciado em Educação Física. Mestre em Ciências do Desporto (Especialização em Alto Rendimento). Experiência como Treinador-Adjunto e Principal de escalões de Formação, assim como Analista, Preparador Físico e Treinador-Adjunto no Futebol Sénior em contextos como CD Tondela, FC Paços de Ferreira e Seleção Nacional de Moçambique, respectivamente.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*