A Alteração da Regra da Saída de Bola – A Evolução do Jogo

No seguimento do post anterior, sobre o aparecimento de novos problemas que provocaram o surgimento de novas soluções, a alteração da regra da saída de bola foi, também, um problema que, de imediato, originou várias soluções. A nova regra indica que a equipa em posse pode agora receber a bola na sua área, enquanto que, a equipa que defende tem de aguardar fora desta pela reposição da bola em jogo para poder lá entrar. Para nós, estes segundos parecem-nos valiosos pela possibilidade de colocar um jogador logo de frente, com mais espaço até chegar a pressão.

Esta nova regra, embora ainda não tenha sido explorada da melhor forma pela maioria das equipas, aumentou a possibilidade de sair a jogar curto, uma vez que, na regra anterior, quem defendia estava mais próximo para vir pressionar e quem atacava, tinha menos tempo para decidir. Portanto, quanto mais próximo um jogador (ex: central) estiver do GR, maior será a distância a percorrer por parte de quem pressiona. Fará sentido, então, aproximar (pelo menos) um jogador perto do GR.

A largura da saída será extremamente importante para alargar o espaço entre os elementos que pressionam bem como a colocação de um ou mais jogadores nas costas dos avançados adversários, até pelo facto de que, as equipas que optam por pressionam utilizam, hoje, mais jogadores com a mudança da regra do pontapé de baliza. Um pormenor que, nos parece importante de realçar e se têm levantado porque várias equipas colocam um jogador junto do guarda-redes, é a perda de protagonismo deste último. A importância do guarda-redes não deverá diminuir, mas sim aumentar se bem trabalhada. Outra vantagem desta saída poderá ser o maior tempo para atrair e fixar por parte de quem já está de frente sem ser pressionado.

Há uma série de factores que poderão (como sempre) influenciar a forma como saímos curto ou até longo, tais como: ideia do treinador, contexto, características dos jogadores, características do adversário, momento da equipa, estado do relvado… entre outros! Num plano mais micro, parece-nos mais relevante ainda, para além também dos posicionamentos desta saída, a orientação corporal, o pé preferencial de cada jogador, distância para o jogador mais próximo que vem pressionar, etc. De realçar que, embora nos queiramos referir a uma possível saída curta, a alteração da nova regra poderá, ainda, estender o adversário no campo e jogar longo, aproveitando toda a profundidade do terreno de jogo como o caso de Ederson no Manchester City.

Embora a Literatura defenda que, existem apenas três momentos ofensivos (Construção, Criação e Finalização), nós acreditamos que, existem quatro momentos ofensivos com a inclusão da saída de bola, uma vez que, o momento do pontapé de baliza é um momento diferente da fase de construção porque cada vez mais as equipas se preparam de forma diferente para este momentos, logo, fará sentido separá-los em quatro fases.

Para quem pensa que já está tudo inventado, e bem errado que está, o facto de as regras do jogo irem mudando de ano para ano vão alterando o jogo e só quem se mantiver actualizado triunfará num jogo cada vez mais complexo! Perceber e usar as regras para influenciar o jogo é fundamental e são elas que fazem, também, evoluir o jogo e direcciona-lo num outro rumo.

Follow
Follow
Avatar
Sobre Pirlo 66 artigos
Apaixonado pelo jogo e pela análise. É o pormenor que me move na procura do conhecimento. Da análise ao jogo, passando pelo treino, o Futebol é a minha grande paixão.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*