Na lama não se joga, ganha-se

Com um terreno absolutamente impróprio para um jogo pensado e de qualidade ambas as equipas optaram por um jogo mais direto, precavendo o não “rolar” da bola e possíveis perdas em zonas potencialmente perigosas.

A primeira parte ficou marcada por um Sporting com mais chegada a área, a vencer mais duelos – Tal revelou-se determinante na toada da partida e foi o catalizador de um Nacional empurrado para trás – Conquistou mais bolas paradas e com isso foi mantendo-se mais próximo do golo.

A equipa de Ruben Amorim utilizou com muita frequência os corredores laterais para chegar à baliza adversária, e recorreu a cruzamentos constantes para a zona do segundo poste – Assim surgiu o golo de Nuno Santos.

Pote – Sporar – Nuno Santos: 3 avançados entre linhas próximos em largura

A Segunda parte foi completamente controlada pelo Sporting, apesar de uma boa entrada inicial do Nacional, que não foi capaz de criar oportunidades perante uma equipa leonina muito competente, que tornaria a chegar ao golo, em mais uma, situação de cruzamento ao segundo poste.

Mais uma exibição de nível alto do Sporting sem bola. Muito boa a coordenação da linha defensiva, com trabalho de pormenor a ficar bem evidente.

Notas Individuais:

Palhinha – Grandíssima exibição. Muitos duelos vencidos, a equilibrar sempre a equipa e poderia, ainda, ter feito golo.

João Mário – Ainda longe da intensidade desejada, oferece uma pausa incrível com bola ao Sporting e permitiu sempre ao Sporting variar centro de jogo.

Pote – de regresso às grandes exibições, apareceu em destaque em quase todas as boas oportunidades do Sporting.

Os nossos Videos são criados com

Avatar
Sobre Pirlo 73 artigos
Apaixonado pelo jogo e pela análise. É o pormenor que me move na procura do conhecimento. Da análise ao jogo, passando pelo treino, o Futebol é a minha grande paixão.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*