Como o Benfica empatou em Moreira de Cónegos – Um Por(maior) individual que fez a Diferença

Mais uma vez, com o jogo controlado, o Benfica acaba por empatar num por(maior) individual que se revelou decisivo para o resultado final. Uma má colocação dos pés não permitiu uma rápida rotação corporal de Grimaldo, acabando por demorar a encurtar sobre o portador e a cometer penalty, através do qual, o Moreirense chegou ao empate na partida.

Por estas mesmas situações, há muito que defendo a orientação para dentro do corpo e dos pés dos laterais. Porque para dentro, estarão sempre a olhar para a bola ou pelo menos, o seu campo de visão permitirá visualizar a bola. Com os apoios para fora, à priori, o lateral deixará de olhar para a bola, passando a olhar apenas para o adversário ou pelo menos, irá priorizar a sua atenção no adversário em detrimento da bola. Existe a necessidade de, nestas situações, conseguir olhar para a bola, ao mesmo tempo que, se controla o nosso adversário mais próximo e principalmente, controlar o espaço onde ela poderá entrar.

Além disto, a orientação corporal para o adversário direto, impossibilita-nos de controlar o espaço nas nossas costas porque, se a bola entra na profundidade (entre central e lateral), o tempo que o lateral irá demorar a rodar os apoios será suficiente para o nosso adversário chegar primeiro como no lance de Nuno Mendes contra o Moreirense. Trata-se, portanto, de estabelecer prioridades porque quando orientamos os nossos apoios para dentro, iremos perder contacto com o nosso adversário, mas estaremos a priorizar o fecho da baliza que, naturalmente, é o mais importante.

O posicionamento corporal dos jogadores é um porm(aior) que cada vez mais faz a diferença porque permite estar (ou não) um segundo mais à frente do que outro jogador e nos dias de hoje, um segundo faz a diferença num jogo cada vez mais complexo. Este por(maior) é cada vez mais determinante no resultado final como ontem ficou demonstrado. O erro individual virou um jogo completamente controlado pelo Benfica para um jogo com um grau de dificuldade tremenda.

Os nossos Videos são criados com

Sobre Pirlo 104 artigos
Apaixonado pelo jogo e pela análise. É o pormenor que me move na procura do conhecimento. Da análise ao jogo, passando pelo treino, o Futebol é a minha grande paixão.

11 Comentários

  1. Entao basicamente,defendes que apenas o lateral fica com os apoios para dentro,de forma a poder defender/chegar melhor ao espaço central(espaço entre lateral-central)?

  2. Mas isso faria com que ele chegasse ainda mais tarde a esta bola…
    E se ele defender mais por dentro e claramente virado para o opositor?

    • A rotação é muito mais fácil. Repare no tempo perdido por Grimaldo a fazer a rotação ou até por Nuno Mendes, situações diferentes mas a resposta é a mesma! Grimaldo, se tivesse com os pés virados para dentro, preparado para retirar profundidade em deslocamento lateral, chegaria muito mais rápido.

    • Eles não tinham só que olhar para o espaço entre central-lateral. Os laterais têm de olhar para a linha defensiva, de modo, a estarem alinhados, mas sobretudo ver a bola. É uma questão de prioridades como referi. 1 – Bola 2 – Espaço 3 – Adversário e já nem inclui aqui, a baliza. Posto isto, se a referência é as principais referências são a bola e o espaço, então fará sentido estar posicionado por dentro e com os pés virados para dentro.

  3. Não concordo com a tua opinião. No meu entender em nenhuma das situações, a colocação dos apoios, no momento antes da bola ser passada ao extremo, foi determinante para o desfecho da jogada. No caso do Grimaldo, não foi, na minha opinião pela dificuldade em virar o corpo que demorou a chegar perto da bola (porque a bola acaba por ir para o corredor lateral. Que é precisamente para onde ele está virado.) e o aspeto determinante foi a colocação dos apoios na ação de contenção (que permite a “cueca”). Já na situação do Nuno Mendes, parece-me que o que é determinante é a decisão da linha defensiva em manter a “altura” estando a bola descoberta e tendo um jogador a atacar aquele espaço vindo de trás. Ou seja, mesmo que ele estivesse virado para dentro seria difícil chegar àquela bola primeiro.
    Mas respeito a tua opinião e muito obrigado pela partilha e pelo tema que é muito interessante!
    Abraço!

  4. Uma questão: Que posicionamento ou orientação corporal achas que deve ter o teu lateral quando a bola está no corredor contrário? Se é para dentro, como controlas os movimentos de rutura efetuados nesse espaço?
    Obrigado

    • Boas. Esses movimentos seriam ainda mais fáceis de controlar. Porque o Lateral está por dentro e com o corpo virado para dentro, a distância para o seu central seria muito curta e fácil de anular.
      Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*