Eintracht Frankfurt – Risco máximo de olho na Champions

Na sequência de um ciclo muito positivo (4 vitórias seguidas), o Eintracht Frankfurt recebeu o campeão mundial Bayern com a possibilidade de continuar a marcar uma posição na luta animada que se prevê pelos lugares de acesso à Champions League na época 2021/2022 (começou mesmo a jornada no 3ª lugar da Bundesliga). Tal pode explicar a abordagem arrojada que os comandados por Adi Hütter apresentaram principalmente nos primeiros 45 minutos, onde a dinâmica ofensiva de grande risco permitiu que saíssem a vencer por 2-0 ao intervalo (resultado final seria 2-1). Dissecamos então neste artigo os pormenores da organização ofensiva das águias durante a primeira parte.

SofaScore
  • Fase de construção – da estrutura-base em 1-3-4-3, a saída inicia-se em regime de 3+2, com os centrais bem largos e projeção dos alas em largura e profundidade quase máxima (à procura de alargar a linha defensiva do Bayern e gerar superioridades contra os laterais, muitas vezes desprotegidos já que os dois extremos do Bayern não faziam esse acompanhamento para alturas tão baixas no campo) e dois médios (Rode e Hasebe) com movimentos dinâmicos em diagonal fugindo às possíveis marcações individuais. Os médios criativos (Younes e Kamada) jogando entre linha defensiva e linha média adversária, baixando ligeiramente quase para perto dos médios para criar superioridades (4v3 no meio) e potencialmente receber em movimentos de apoio aquando duma saída curta, ou aproximando-se do avançado para ganhar uma segunda bola de um duelo aéreo aquando da saída longa.

  • Fase de criação – a largura máxima no campo dada pelos alas era intencional não só para alargar a linha de 4 do Bayern mas para permitir que os dois criativos tivessem espaço para jogar. Tanto os centrais como os médios procuraram muitas vezes ligar com ambos através de passe interior e a partir daí, do momento em que enquadraram para a linha do Bayern, surgiram os grandes problemas para os bávaros, seja por combinações curtas entre si (jogaram sempre muito próximos) ou com o avançado (forte como apoio frontal), progressões com bola agressivas para cima da linha defensiva para fixar ou pela capacidade de definição no passe a responder aos movimentos em profundidade. Os dois alas apresentavam, curiosamente, comportamentos distintos: Kostic a pedir mais bola no pé ou em espaços que lhe permitiam enquadrar para cruzamento (a sua característica mais forte) e Touré (muito veloz) com movimentos diagonais de rutura agressivos nas costas do lateral sempre que algum dos médios ou criativos enquadrava para profundidade. Foram muito solicitados principalmente também através de rápidas variações de flanco já que o bloco do Bayern quase que abandona o corredor contrário nessas situações (com jogo no corredor, o lateral do lado contrário muitas vezes está ao nível de largura do 2º poste), mantendo-se o ala contrário largo em espera e não adquirindo um posicionamento de equilíbrio a não ser em caso de transição defensiva.

  • Fase de finalização – chegada em zonas de finalização com muitas unidades: geralmente trio ofensivo mais os dois alas envolvidos (muitas situações de cruzamento com o avançado, os dois criativos e ala do lado contrário a chegarem a zonas de finalização) e um dos médios em chegada à área. Outro pormenor curioso é que muitas vezes vimos o ala a cruzar com cobertura ofensiva próxima do central do lado da bola (até com estímulo para contrapressionar em superioridade no local da perda). Estando o ala contrário em chegada a zona de finalização e um médio à entrada da área, o Eintracht equilibrou muitas vezes a equipa apenas com 2+1 (centrais mais médio), numa postura de risco pouco usual contra o Bayern.

“Our playing style always depends on the situation. If I thought we’d only have to run a lot to pick up points, I’d demand 123 kilometres every game! It’s more important to make the right sprints at the right time.”

Adi Hütter, em conferência pré-jogo com o Bayern.

Os nossos Videos são criados com

Sobre Juan Román Riquelme 63 artigos
Analista de performance em contexto de formação e de seniores. Fanático pela sinergia: análise - treino - jogo.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*