Coates em Braga – Liderar pelo exemplo

Mesmo reduzido a 10 elementos durante grande parte do encontro, o Sporting rapidamente reajustou a sua estrutura para um 1-5-4-0 (a forma que menos altera os princípios do modelo, apesar da vertente mais defensiva) mantendo a sua linha de 5 mas resguardando os alas pela colocação de uma linha média de 4 à frente responsável pelo controlo da largura numa primeira fase (sem necessidade de ter os alas a sair à pressão como é costume na estrutura normal, com os extremos/médios exteriores a fazê-lo). A estabilidade defensiva alcançada permitiu que os leões saíssem da Pedreira sem conceder nenhum golo e, para além do enorme esforço e competência coletiva defensiva (manter os índices de concentração e foco durante tanto tempo é de campeão), é importante realçar mais uma exibição imperial de Sebástian Coates. Apesar de muitas vezes nesta época ter sido herói pelos feitos nas áreas adversárias (soma já 7 golos esta época, muitos deles particularmente decisivos), em Braga o central uruguaio destacou-se essencialmente pelo pormenor defensivo que mais uma vez aportou à linha, liderando-a mais uma vez pela voz e pelo exemplo:

  • O desarme que trava, desanima e domina – pelo chão demonstrou mais uma vez uma enorme perspicácia na ação técnico-tática defensiva do desarme, com o longo comprimento dos seus membros inferiores a irem sacar mesmo as bolas mais bem protegidas em espaços curtos ou as bolas no espaço para condução pelos criativos do Braga.
  • O duelo aéreo imperial – neste aspeto não deu qualquer hipótese aos dianteiros do Braga. Do alto do seu 1.96m, da sua capacidade de impulsão em salto vertical e do seu posicionamento correto no controlo de cruzamento (boa noção de controlo do espaço para manter distâncias em largura para os colegas e ter as referências individuais do adversário para duelo) e mesmo em momentos de maior chuveirinho por parte dos bracarenses, o uruguaio foi sucedendo duelos aéreos ganhos atrás de duelos aéreos ganhos (ver imagem abaixo).
  • O padrão de deslocamento de topo – apesar de, olhando para a capacidade condicional de velocidade, não se tratar de um velocista nato – nem se esperaria que fosse, dada a sua morfologia – a passada larga permite atenuar muito disso e, jogando a central do meio, as características do central uruguaio são potenciadas: sempre foi um central muito reativo na antecipação dos cenários seja nos encurtamentos à frente da linha ou nos momentos para começar a baixar. Se numa linha de 4 isso poderia expô-lo por vezes, a linha de 5 com dois centrais ao lado dão-lhe grande conforto, aliando a sua capacidade de orientação dos apoios e padrão de deslocamento a esta alta reatividade que lhe permitem ir buscar bolas na profundidade como ativar um encurtamento de marcação entre linhas.

Os nossos Videos são criados com

Sobre Juan Román Riquelme 63 artigos
Analista de performance em contexto de formação e de seniores. Fanático pela sinergia: análise - treino - jogo.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*