Um FC Porto mundial

white corner field line on artificial green grass of soccer field
Se no rescaldo da vitória do SL Benfica apelidamos de Europeu o SL Benfica, que dizer deste FC Porto?
No final da época, porque só um poderá vencer é seguro que Vitor Pereira, ou Jorge Jesus serão tidos por incompetentes. É a equipa que não aguenta fisicamente, serão os erros nas substituições ou estratégias erradas. Não que possíveis explicações não possam passar um pouco por tais crenças. Mas um pouco bem bem bem reduzido. 
Em Portugal joga uma equipa de nível Europeu e outra que se mostra de nível Mundial, assim mantenha o seu núcleo de 11,12 jogadores sem lesões. Um verdadeiro candidato a campeão europeu assim a sorte o proteja nos sorteios (evitar o Barcelona e Messi, sobretudo). O insucesso de uns será sobretudo e maioritariamente pelo sucesso de outros.
Verdadeiramente impressionante o curtíssimo espaço que o FC Porto permite aos adversários para jogar. E se o espaço já é curto, que dizer da agressividade do FC Porto dentro do bloco? Nível assombroso dos cinco mais recuados com João Moutinho. Impossível enquadrar dentro do bloco azul e branco. O Málaga tem vários bons jogadores. Porém para se ser bem sucedido contra este FC Porto é necessário nível mundial. Relembre que na Luz, num dos jogos mais complicados que enfrentou Vitor Pereira, só Matic foi capaz de ter bola contra um Porto sensacional na velocidade a que responde a cada situação nova na partida. A forma como Danilo, Mangala, Alex Sandro, Otamendi, Fernando e Moutinho se antecipam aos seus adversários não se traduz em benefícios unicamente defensivos. As dezenas de antecipações que protagonizam por partida tem o condão de desde logo deixar atrás da linha da bola o adversário que esperava para receber a bola. A agressividade defensiva acaba por garantir tantas vezes vantagem numérica na transição ofensiva azul e branca.
Ofensivamente, em jogos de Liga dos Campeões, será sempre determinante que James esteja a um nível elevado. É o toque de criatividade, decisão e qualidade técnica que ajuda a resolver jogos. Jackson beneficiará da presença do compatriota, podendo explorar ainda mais vezes a profundidade. Ele que tem mil e uma movimentações de ruptura. 
Destaques individuais:
Alex Sandro. Fantástico. Melhor lateral esquerdo, e com larga vantagem, em Portugal. Agressivo, muito veloz e com grande qualidade técnica. Muitas das suas recuperações desenvolvem-se para ataques de enorme potencial perigoso do FC Porto. Talento brasileiro integrado na cultura táctica do FC Porto. Verdadeiramente soberbo.
Mangala e Otamendi. Grande poderio físico e muita classe. Sobretudo de Otamendi, que se antecipa e começa desde logo a provocar desequilíbrios ofensivos. Os centrais do FC Porto parecem inultrapassáveis. Controlam o espaço com enorme qualidade e revelam velocidade e assertividade nas respostas posicionais de cada vez que a situação de jogo se altera.
João Moutinho. Curioso que um dos “defeitos” que lhe é apontado e sugerido como razão para não jogar numa liga diferente, seja o físico. Nada mais falacioso. O jogo de Moutinho é todo ele físico e mental. É e sempre foi, um dos jogadores mais rápidos nas suas decisões sem bola. Muito pressionante sem bola, é um verdadeiro exemplo de abnegação. Com bola, não prima propriamente pela criatividade. Todavia é rápido a  fazê-la circular, retirando-a do centro do jogo, garantindo condições de sucesso a quem a recebe. Inteligência e perseverança são os dois traços mais admiráveis do melhor médio português.
Fernando. Sempre posicionalmente bem, e sempre rápido na forma como sai para recuperar. Não é só a qualidade técnica e decisão dos jogadores do FC Porto que faz parecer que apenas uma equipa tem bola ao longo de todo o jogo. É a agressividade e cultura posicional do meio campo e defesa azul e branca que garante que ninguém consegue jogar contra o FC Porto.
Jackson Martinez. A Europa ainda não percebeu a sua enorme qualidade. Em Malaga, com James mais disponível, poderá afirmar-se. Como o finalizador de excelência que é, mas também na forma como a sua movimentação em apoio para os corredores laterais oferecerá possibilidades à transição do FC Porto.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2364 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*