90 Segundos sobre Fernando Santos

 

Demorou duas semanas ou três? É normal. Ele não fazia parte desta equipa, não conhecia os processos de jogo desta equipa. Ele esteve comigo três dias antes de irmos para França, esteve aqui em dois jogos em Portugal. Não teve muito tempo aqui

Ele não estava preparado para jogar nos primeiros jogos, é tão claro como isto. Era preciso que ele percebesse o que eu queria dele e era preciso que eu percebesse o que ele podia dar à equipa e isso só se percebe no treino. Depois de alguns treinos percebi que toda a sua imprevisibilidade podia ser decisiva

Fernando Santos sobre Renato Sanches.

Se há coisa a elogiar no nosso seleccionador é a sua abertura pouco habitual para discutir a sua ideologia, e para explicar a sua linha de pensamento sem truques. É fundamental para o crescimento do jogo em Portugal que mais Fernandos Santos apareçam a explicar as suas opções, independentemente da crítica que daí possa surgir. Assim, ficamos todos a conhecer as suas ideias, e a sua forma de pensar, sem arriscar dizer que o processo foi absolutamente aleatório. Podemos, claro, discordar das suas opções. Mas, este acesso que o seleccionador nos dá deve ser valorizado e exaltado sempre.

Blessing
Sobre Blessing 88 artigos
Treinador de futebol, de momento na formação. Experiência como Treinador Adjunto no escalão de seniores masculino e feminino, tendo esta época culminado com a conquista de todas as provas nacionais em disputa. Desempenha também funções como Scout para 1ºLiga. Criador do Blog Posse de Bola

14 comentários em 90 Segundos sobre Fernando Santos

  1. F. Santos não é casmurro, consegue fazer os jogadores acreditarem nas suas ideias e consegue gerir muito bem o grupo.
    Em contrapartida está francamente desatualizado e pela entrevista nota-se que se sentiu quase forçado a jogar mais em organizaçao ofensiva nos jogos do grupo. Por isso, para ele o jogo da Hungria foi uma bençao. Pôde finalmente convencer o grupo a seguir as suas ideias, aquele jogo pachorrento que todos conhecemos.

    Uma pessima noticia a sua continuidade. Portugal em 1,2,3 anos, terá vários jogadores distribuidos pelos maiores clubes mundiais e com carateristicas que nos levariam a aumentar muito as probabilidades de sucesso, jogando em organizaçao ofensiva. Não irá acontecer ou será que ele, F.Santos, campeão europeu, com um estatuto de heroi nacional, irá acabar por ceder?

    O grande mal deste Europeu, é que convenceu MUITA gente que Portugal aumenta as hipoteses de sucesso, “jogando feio”. Esquecem-se dos imponderaveis do jogo, e de todos os detalhes este ano que se conjugaram de uma forma nunca vista a nosso favor. Ganhámos APESAR disso e não por isso. Esta herança poderá representar uma mudança de paradigma em Portugal para pior. Fui só eu, ou o Peixe foi claramente influenciado, abordando o jogo dos sub 19 contra a França, mimetizando o F.Santos? Correu mal pois…como mais vezes irá correr mal!

    • já se escreveu por aqui que tendo ganho o euro como o fizemos, e o facto de termos ficado satisfeitos pelo título histórico que tínhamos muito que evoluir para que os imponderáveis sejam cada vez menos responsáveis pelo nosso sucesso. que sejam responsáveis em menos jogos. Não sei se renovar ou não com ele foi boa opção, porque não sei de que forma ele irá abordar o futuro. mas concordo em tudo com a tua linha de raciocínio e que é preciso fazer muito mais. o mal do europeu, ainda é cedo para avaliar.

  2. Quando ganhar um europeu é mau,ahahahahaha,só porque se vai deixar de jogar em organizacao ofensiva,porque não potencia o manuel e o joaquim…amigos quando chegarem ao futebol profissional e tiverem que ganhar jogos,quero ver esse romanticismo todo!!!!abraco

  3. Blessing,

    Julgo que a FPF, pelos motivos errados, fez bem em renovar com F. Santos. Os motivos errados foram a conquista da prova. Fez bem em renovar porque F. Santos é capaz de muito mais relativamente ao que mostrou, caso nada de estranho se passe com a sua pessoa (é sempre uma possiblidade dado o tempo de antena que dedicou a deus). As pessoas religiosas estão sempre muito perto de a qualquer altura perder o juízo.

    Mas para o caso de F. Santos ser o mesmo treinador que sempre foi antes do Europeu, terá felizmente oportunidade de rectificar o absurdo daquela participação, dada a qualidade dos jogadores à sua disposição. E se às vezes os resultados andam em desacordo com a competência duma equipa, neste caso os resultados encaixaram de modo perfeito no que a equipa portuguesa fez. Ser campeã europeia vencendo somente 2 jogos (Gales e França) e evitando perder 1 (Croácia) foi obra, e mesmo jogando com a Croácia podendo Portugal afirmar que os croatas não tiveram muitas oportunidades de perigo (não as tiveram), ninguém dirá que a Croácia tem melhores jogadores do que Portugal nem a Croácia arroga possuir o melhor jogador do planeta.

    Sobra portanto Gales. Sobra portanto Gales.
    Portugal é campeão da Europa porque conseguiu derrotar o País de Gales.

  4. Mas Blessing, a “culpa” ao mesmo tempo não é só de F. Santos. A culpa daquele absurdo reparte-se por 3 ou 4 jogadores que se vêem como algo que não são. Neste caso a responsabilidade dele (FS) é não ter feito nada para colmatar essa ilusão e render-se a ela. Mesmo com o exemplar Ronaldo (exemplar em quase tudo o que se relacione com futebol mas não com o jogar futebol) visivelmente não apto para jogar quando se lesionou na final, mesmo aí FS não o tirou do jogo.

    Qual foi uma das poucas acções positivas dele na prova? Ter dado espaço ao R. Sanches para jogar e tentar dessa forma quebrar a mediocridade. Agora o FS por ter sido campeão europeu e tratando-se duma pessoa muito capaz, não deve desresponsabilizar-se dessa mesma mediocridade.

  5. Blessing e reparaste que nas suas declarações acabou por dizer q deu o lugar ao Renato por aquilo q nós dizíamos que ele tinha de jogar sp 🙂

    • Maldini,

      Ele no Sporting deu a titularidade a Custódio (encostou o Paulo Bento, foi o grande motivo para que PB tivesse decidido deixar de jogar) e também o Lourenço. Não teve quaisquer problemas em apostar no Lourenço deixando-o jogar muito tempo. Essa era / é uma das razões para que FS devesse ser valorizado: não ligar às idades desde que veja os jogadores capacitados. A maior razão: as suas equipas imporem-se e andarem sempre perto do topo, comum às passagens pelo Sporting e Benfica. Séries muito grandes de vitórias e muita regularidade. No Sporting tendo Mourinho no FCP a quem “mordeu” os calcanhares até às últimas 5 ou 6 jornadas e no Benfica ficando a 2 pontos do campeão. O Benfica achou que deveria castigar FS e foi buscar o Camacho – por algum motivo sempre adorado pelos benfiquistas -, Camacho esse que pegando no SLB do Fernando Santos à 2ª jornada acabou o campeonato com 50 míseros pontos.

      Entre 2008 e 2016 muita coisa pode ter mudado. Mas que se esperava muito mais duma equipa de FS isso é inegável.

  6. Nem mais Romário. E nós não tínhamos equipa para jogar de outra forma e esperar vencer. Com melhores jogadores o nosso futebol tbm poderá evoluir. Mas agora, sinceramente, dizer que é mau termos renovado com o Fernando Santos é ser-se do contra porque sim.

    • “E nós não tínhamos equipa para jogar de outra forma e esperar vencer.”

      Portugal jogou no grupo da Islândia, Hungria e Áustria, 3 equipas a quem não conseguiu vencer. Mais à frente também não conseguiu vencer a Polónia.

      Mas por isso mesmo é que os resultados estiveram de acordo com as exibições, a não ser que as ideias e a estratégia concebessem passar a fase de grupos com 3 pontos … e mais à frente arriscar tudo nos penalties com a Polónia, lol.

      A sério … todos viram os jogos. Como é possível elogiar aquilo?

  7. Tens razao MM,ao ler o teu raciocínio fez se luz,foram as piores exibições de sempre colmatado com o melhor resultado de sempre!melhor nem festejei o golo do eder,primeiro porque não foi nos 90m e depois porque nao foi em organizacao ofensiva,foi em transição e quando é em transição quem nao gosta nao pode festejar!!

    • O que por si mesmo se evidencia não luz, nem sobressai. O que se destaca – tal o erro – é ver na participção portuguesa do europeu feitos merecedores de louvor. Não sei se terão sido as piores exibições de sempre, nem é preciso saber. Basta ver que foram péssimas. O golo de Éder foi um bom golo – e depois? Que influência terá na apreciação duma campanha que até à final somou 6 jogos dos quais Portugal venceu 2, um dos quais com um golo perfeitamente casual à beira dos penalties (Croácia)?

      Uma final é uma final, contexto onde não discutiria a justiça do resultado, motivo pelo qual nem a mencionei. A França foi naturalmente muito superior mas perdeu. É futebol. É o jogo da final que valida a miséria da campanha portuguesa?

      Sinceramente. É preciso coragem (quase 10 milhões de vezes) para negar o óbvio. Rejeitar a negação do óbvio não requer coragem nenhuma, somente honestidade. Sem qualquer ironia, parabéns pela coragem demonstrada.

  8. Coragem por escrever,falar??!!isso todos o fazem,eu,tu,o joaquim e o manuel….fazer….fazer é diferente,o fernando e a sua equipa fizeram,o resto é bla bla bla.abraco

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*