O que temos em Portugal? Ode aos nossos misters e jogadores.

Muitos são os textos sobre formação partilhados ao longo dos anos.

Preocupações várias. Desde a protecção do talento sobre o mais apto apenas pelas capacidades condicionais, à necessidade imperiosa de criar espaços suficientemente competitivos para que o estímulo seja sempre elevado por forma a potenciar a evolução dos jogadores (escalões acima, equipas B), à forma como tantas vezes o jovem treinador coarcta possibilidades de desenvolvimento aos seus atletas com modelos altamente sofisticados para as idades em questão, tudo na busca do resultado imediato, ou como não se promove o jogo e o tempo de empenhamento motor no processo de treino, nunca ignorando a importante condicionante que é o contexto social em que vivemos nos dias de hoje. Poucos espaços, pouco tempo livre para as crianças. Em suma, poucas possibilidades para uma prática livre durante horas a fio na rua. Como vivenciou a nossa geração de ouro.

Tudo problemáticas importantes e que não podem deixar de ser tidas em conta quando pretendemos continuar a promover a formação dos jogadores em Portugal, independentemente dos recentes resultados de excelência!

Todavia, é importante realçar o quão é impressionante o trabalho que uma franja de clubes formadores fazem em Portugal.

Um país que tem hoje um pouco mais de 168 mil praticantes federados, recorde máximo experienciado em Portugal, vai formando jogadores de nível elevado, vai competindo com outros paises cujas condições são completamente inalcançáveis. Há precisamente um ano atrás, a Federação Alemã alcançava um recorde de 6.9 MILHÕES! de atletas federados. E não é só a base de trabalho e recrutamento que é infinitamente inferior em Portugal. As próprias condições de trabalho, se conseguirmos esquecer o topo da pirâmide, são ridiculas quando comparada a realidade portuguesa com a das maiores potências europeias no que ao futebol diz respeito. Competimos com os grandes com tão pouco e sem qualquer responsabilidade de o fazer.

O título Europeu em sub 17, o apuramento dos sub 19 para o Mundial sub 20 do próximo ano, aos pés da anfitriã Alemanha, o titulo Europeu em séniores. Tudo marcas aprazíveis às quais é sempre preciso perceber contextos, sob forma de não se crer que tudo está bem e que nada deve ser alterado. Porém, é demasiado grandioso o que em Portugal os treinadores e jogadores fazem, com o contexto praticamente sempre demasiado amador que enfrentam, para que continue a ser sistematicamente alvo de críticas fáceis.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2366 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

5 comentários em O que temos em Portugal? Ode aos nossos misters e jogadores.

  1. Caro Paolo Maldini

    Os clubes/sads terão de perceber que resultados desportivos e financeiros querem alcançar e obviamente implementar uma estratégia que os leve a esses resultados.

    As brincadeiras dos jogadores nas selecções têm prejudicado os resultados desportivos e financeiros dos clubes/sads, desvalorizam os jogadores e minam o trabalho dos treinadores.

    Menciona os recentes êxitos das selecções nacionais, já os recentes êxitos dos clubes/sads simplesmente não existem.

    • Nao significa que os clubes nao tem merito, alias é inseparavel uma coisa da outra, ja que sao os clubes que formam os jogadores, mas sao as competiçoes de selecçoes k permitem uma aferiçao correcta do trabalho que cada país faz na formaçao dos seus atletas, ja que os clubes podem actuar com uma equipa inteira de jogadores formados fora do clube

    • Caro Nuno Fernandes

      Presumo que não esteja a compreender, eu estou a falar de FUTEBOL PROFISSIONAL.

      A formação dos clubes integra cada vez mais jogadores de outros países, numa clara tentativa de conseguir os melhores talentos mais cedo e mais barato do que o habitual e também de conseguir jogadores que não brincam nas selecções. Não é por acaso que se trazem jovens jogadores brasileiros.

  2. Autênticos milagres face ao que temos!!!seja pela táctica pela união ou pela crença,os resultados não mentem…ou será que sim!?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*