“MarsBet”

FC Porto 2017 / 2018. Parte II.I

FUTEBOL - durante a apresentacao do plantel do FC Porto para a epoca 2015/16. Estadio do Dragao, no Porto. Sabado, 8 de Agosto de 2015. (ASF/PAULO ESTEVES).

O sector defensivo.

Sem mexidas e com um eventual regresso de Ricardo (tem mercado e poderá sair), continuará a ter o FC Porto uma linha defensiva muito forte no que concerne a traços individuais, sobretudo para os duelos defensivos. O que faltará será trabalho colectivo, de coordenação do sector.

Defesas Direitos:

Maxi Pereira. Defensivamente é o melhor lateral da Liga. Muito forte nos duelos individuais, nas bolas aéreas que cruzam a área ou que surgem do futebol directo adversário. Ofensivamente já com algumas limitações, pela perda progressiva das capacidades condicionais. Na temporada passada a recorrer em demasia ao esticar no corredor, fruto também do modelo adoptado. Não tem capacidade de desequilibrio com bola, embora tenha boa chegada ao último terço.

Ricardo Pereira. Um dos laterais com impacto a nível Europeu. Tem ofensivamente o desequilibrio que um clube como o FC Porto necessita para desbloquear jogos. Liga-se bem com os colegas, e não é somente um jogador veloz. Tem qualidade técnica para jogar em espaços curtos e sair com bola dominada mesmo da pressão. Defensivamente faz valer-se da sua velocidade para resolver os lances de 1×1. Menos forte que Maxi no ar. Ficando, será a primeira opção.

Fernando Fonseca. O jovem deverá ter presença assegurada na primeira equipa. Mesmo que vá somando minutos à Segunda liga, onde fez uma temporada muito interessante. Sai com bola em progressão para dentro, ligando com corredor central com qualidade. Ofensivamente demonstra competências. Técnicas e na percepção do que se passa ao seu redor. Um ano a treinar num contexto mais elevado será determinante para que possa continuar a ser um dos bons jogadores de futuro em Portugal. Tem capacidade para começar a somar minutos na Liga, mesmo que como alternativa.

Diogo Dalot. Uma das maiores esperanças da formação azul e branca. Muito boas qualidades físicas e técnicas, é o tipo de lateral capaz de provocar ofensivamente. Deverá na presente época consolidar o seu espaço na equipa B, experenciando de forma contínua os campeonatos profissionais, para num futuro poder integrar a equipa principal dos azuis e brancos.

Rodrigo Castro
Sobre Rodrigo Castro 82 artigos
Rodrigo Castro, um dos fundadores do Lateral Esquerdo. Licenciado em Ed física e desporto, com especialização em treino de desportos colectivos, pôs graduação em reabilitação cardíaca e em marketing do desporto, em Portugal com percurso ligado ao ensino básico e secundario, treino de futsal, futebol e basquetebol, experiência como director técnico de uma Academia. Desde 2013 em Londres onde desempenhou as funções de personal trainer ligado à reabilitação e rendimento de atletas. Treinador UEFA A.

2 comentários em FC Porto 2017 / 2018. Parte II.I

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*