Neymar, Cavani e os tempos modernos.

[multilanguage_switcher]

El jugador escucha?

R. Hay de todo. Pero sí que hay muchos futbolistas que están confundidos permanentemente y no tienen la percepción real de la situación. Es difícil que se pongan en el lugar de sus compañeros o del entrenador. Pero creo que ha sido siempre así, aunque ahora hay un entorno y una repercusión tan mediática, que muchos se dejan llevar por los aduladores.

Quique Setién

Não é somente o jogo que se tem tornado cada vez mais sofisticado, obrigando a que as melhores equipas sejam de facto equipas e não apenas a soma de muitas individualidades com qualidade. Também as relações grupais vão importando cada vez mais., numa era de egocentrismo desmedido em que as redes sociais dão “voz” a qualquer pessoa por menos credibilidade que tenha, e mais desinteressante que seja o conteúdo que tem para partilhar.

E também por isso Júlio Garganta mencionava a “humanização do treino” como a próxima grande revolução metodológica no futebol.

Nos dias de hoje, praticamente desde crianças que as “futuras estrelas” começam a ser “adoradas”, com as consequências nefastas que isso acarreta para todos os que estão no processo. Para o treinador, que lida com quem demasiadas vezes não tem sequer noção do seu valor real, habituado que está a que de fora teçam “loas” a tudo o que faz, por mais banal que seja, e para o próprio jogador que tantas vezes deixa de ter o empenho necessário para evoluir, convencido que treinadores, colegas e tudo o mais conspiram contra si quando sente que não tem a atenção devida, porque perdeu simplesmente a noção da realidade, de tantas vezes que foi bajulado sem que nada o fizesse por merecer.

 

O argumento de que Neymar custou uma fortuna e de que é o terceiro melhor jogador do futebol mundial na actualidade, não pode de forma alguma legitimar uma subida na hierarquia por parte do brasileiro, no que ao cobrar os lances de bola parada diz respeito. Não importa se será cobrado na hora da derrota.
Até porque, se será cobrado na hora da derrota, então cabe ao PSG decidir o que maximize as possibilidades de ganhar!

Como é o histórico de Cavani?

O uruguaio que não é nenhum miúdo e segue para a quarta temporada ao serviço da equipa parisiense, com registos francamente positivos, não pode ser despromovido se não houver falta de competência própria. Se o argumento para a troca for somente que alguém custou milhões.

O Cavani está há quatro anos no PSG e já não vai ficar lá durante muito mais tempo, mas há que ter respeito pelos veteranos. No futuro o Neymar será o líder, sim, mas o Emery tem de intervir ou o Neymar vai acabar até a planear os treinos e a decidir o onze

Dugarry

A integração de Neymar em Paris, não pode ser tratada como se o brasileiro acabasse de se juntar a uma equipa da distrital em Portugal, onde seria mais que natural que todos os padeiros, calceteiros e mestre de obras da equipa, se afastassem para dar protagonismo ao internacional canarinho.

Neymar chega a uma equipa com muita qualidade, e nos dias de hoje tratar alguém desde o dia um, de forma diferente, é condenar possibilidades de um futuro proveitoso.
Não significa que o tempo não chegue. Mas, como em todas as actividades, quem chega vai ter de ser inteligente e paciente. Quando há qualidade (e se a há!), paulatinamente o espaço é conquistado.

 

Para terem acesso a todos os conteúdos que por cá se produzem, e darem uma pequena ajuda tornem-se patronos deste projecto. Também com acesso à drive do Lateral Esquerdo, onde partilhamos “influências”. Recordamos que 1 euro mês será desde logo uma grande ajuda! Alternativa no lateralesquerdo.com@gmail.com.

 

 

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2928 artigos
Creator of the "Lateral Esquerdo", is also a teacher at the University Stadium in Lisbon. Soccer coach, having conquered several national titles in Portugal. Experience as soccer coordinator, and lecturer at various Sports Universities. Author of the book "Build a champion team" from the publisher PrimeBooks.

2 Comentários

  1. Uma das razões que levou o Neymar a juntar-se ao PSG foi o maior “conforto” que terá em Paris. Não falo do conforto financeiro mas sim do conforto que ter 5 ou 6 compatriotas no plantel, a grande maioria deles titulares absolutos, lhe trará para ser aquilo que foi no Santos, é na Canarinha, e não conseguiu ser em Barcelona, a Rainha da Bateria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*