Acelerar na bola de saída – O golo de Portugal na final do Euro

Muito raramente os segundos que se seguem após a bola de saída, serão o momento para acelerar. Porque o adversário está organizado, com superioridade numérica gritante na protecção à sua baliza.

Na final do Europeu de sub 19, e após a Itália mais uma vez ter empatado a partida, desta feita já no prolongamento, a selecção das quinas voltaria à vantagem logo no pontapé de saída. Mas, porque, e ao contrário do que será habitual, foi importante acelerar o lance?

Tudo a ver com relações numéricas nas imediações da grande área italiana.

 

3 Comentários

  1. A minha questão é: será que o passe entrou porque quem o faz se apercebeu das relações numéricas ou só porque sim?

  2. cá para mim… estavam em brasa por mais uma vez escapar a vitória e foi…

    a relação numérica foi determinante no chegar ao golo.. agora se o passe saiu por isso tb tenho duvidas…

    • Pois, porque muitas vezes se fala que houve inteligência na tomada de decisão e muitas das vezes eu acho mesmo que é tentativa erro. Tanto fazem passes, por exemplo, para onde a relação numérica é vantajosa como para onde não é. Calha bem porque calha. Muitas das vezes o golo acontece porque estão reunidas determinadas circunstâncias para tal acontecer mas quem o fez acontecer não o fez porque conseguiu ver que essas circunstâncias estão reunidas. Calhou bem. E quem fala em marcar golos, pode falar em criar desiquilibrios em qualquer parte do campo. Muito do que acontece, acontece porque sim.

Responder a Gil Von Doellinger Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*