O controlo do treinador. Jogadores que cresceram na frente a jogar atrás. E porque há pouco do contrário.

“Jorge Jesus nunca transformou um jogador defensivo em ofensivo. Fez sempre o contrário […] reparem que quando questionado sobre o sucessor de Enzo, Jesus falou de Pizzi, de Talisca e de João Teixeira mas nunca referiu Samaris” Carlos Daniel.

Quase tudo o que o treinador controla refere-se ao trabalho sem bola dos seus jogadores. E por sem bola, inclui-se naturalmente qualquer momento ofensivo, também. A um nível elevado, os ganhos técnicos são praticamente nulos e não é nada fácil alterar a tomada de decisão dos atletas. Ainda que dentro de um modelo de jogo seja possível condicioná-los a procurar mais vezes umas opções que outras em situações que se repetem. Por exemplo: “nesta situação prefiro que procures tabelar com o avançado e não que esperes a desmarcação das costas do lateral para jogar com eles”).

Ou seja é fácil mexer com os comportamentos sem bola (“movimentas-te assim… estás aqui com bola ali… Baixas quando a bola entra ali… tu dás linha de passe à esquerda aqui, e ele à direita… etc”), e muito difícil mudar tudo o que envolve a parte técnica e decisão com bola.

É por isso que tantas vezes extremos dão melhores laterais que os próprios jogadores que cresceram como laterais. Por norma, desde bem cedo os jogadores mais aptos tecnicamente e até fisicamente (velocidade) são colocados em posições avançadas. Ou seja, naquilo que o treinador não consegue controlar, o jogador é melhor (tecnicamente / fisícamente) que o(s) colega(s) de uma posição recuada. Porque o comportamento táctico é muito mais fácil de alterar. Não é assim tão complicado pegar em quem tem a base que não dá para tocar, e ensinar, rotinar, treinar, alterando a posição do atleta, e naturalmente que aprendendo a parte que dá para tocar (táctica), dará sempre um jogador melhor que outro menos apto tecnicamente e fisicamente. 

Esta é a principal razão pelo qual a afirmação de Carlos Daniel é totalmente verdadeira. Para Jesus e para qualquer outro treinador. Ao contrário, todavia, da imagem que talvez se possa querer passar, não é porque Jesus ou qualquer outro treinador domina melhor a parte defensiva que a ofensiva. É porque os jogadores que adapta a posições mais defensivas têm boas características naquilo que não é possível de alterar (sobretudo a variável técnica). E no que é possível, o treinador tem ferramentas para o fazer evoluir. 

Um exemplo seria imaginar uma adaptação de qualquer defesa do SL Benfica para que pudesse jogar num sector mais avançado. Seria possível? Obviamente que não. E não tem a ver com as capacidades de qualquer treinador. Nenhum tem qualidade técnica / decisão para poder ter qualidade suficiente para jogar onde tem de fazer a diferença nesses campos. E essas são as variáveis que não são possíveis alterar. O treinador até poderá ter o condão de tornar o atleta muito forte ofensivamente sem bola, mas no final do dia, se a relação com esta e a criatividade for diminuta, não será por estar onde deve estar que terá impacto ofensivamente.

E esta é a razão pela qual Jesus e qualquer outro treinador conseguem muito mais facilmente adaptar jogadores que cresceram em posições mais ofensivas em jogadores que ocupem posições mais recuadas no campo de jogo. Tem tudo a ver com o que é possível de alterar nas capacidades dos atletas e não com os conhecimentos que os treinadores têm do jogo. 

P.S. – É claro que se Messi tivesse nascido como defesa seria muito fácil adaptá-lo a uma posição mais ofensiva. Contudo, nenhum, ou pouquíssimos talentos extraordinários (perceptível na decisão com bola, capacidade técnica e capacidades condicionais) cresceram como defesas. Esses são desde bem cedo colocados a jogar do meio campo para a frente.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2366 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*