Religião do chutão arbitrário

Futebol é isto. Jogas, competes, trabalhas durante a semana para melhorar, e ganhas, empatas ou perdes.

O vídeo de Henry sobre o que Guardiola dizia aos seus jogadores diz muito do que é o trabalho do treinador. Levar os jogadores até ao último terço, e aí a qualidade deles é que impera. Há ainda assim quem diga que o treinador é que não treinou a última fase, não treinou finalização, logo não preparou a equipa da melhor forma. Mas não são esses os fanáticos da religião do chutão arbitrário?! Se corre bem é bom, se corre mal devia ter esticado na frente. É assim o futebol em Portugal. Morto de ideias. Toda a gente sabe tudo. E quem ameaçar impor-se e acabar com a ideologia vigente – que assenta na falta de ideias – é morto à partida. Isto não é um jogo de treinadores contra treinadores. É de jogadores contra jogadores. E o grande problema disso é que os jogadores são humanos. Quantos treinadores mais vão passar por não terem tido a fortuna do jogador acertar com a bola na baliza?!


Isto porque a maioria ainda não entendeu, verdadeiramente, que o futebol é um jogo de erros. A natureza do jogo é essa porque é jogado por homens. E dentro das organizações de qualidade (trabalho do treinador) vão continuar a existir erros por parte de quem tem a responsabilidade de interpretar as ideias. 
Quem ouviu a conferência de imprensa de Jesus depois do jogo com o Estoril, naquilo que foi importante reter da sua mensagem, percebeu isso. O treinador do Benfica diz que podia ter goleado. Disse ainda que Lima esteve duas vezes na cara do GR. Ora, se o jogo tivesse terminado empatado o Benfica já teria feito um mau jogo? O Benfica já não teria criado situações de golo? O treinador do Benfica já tinha feito um mau trabalho? A organização já tinha falhado naquilo que se diz ser essencial? Já se podia diagnosticar à equipa pouco trabalho de finalização ao nível do treino? Eu não acredito nisso. O treinador não tem culpa de ter criado ferramentas e os jogadores dentro da sua responsabilidade não terem conseguido utiliza-las.
Acho que, neste momento ninguém duvida que o Benfica tem o melhor plantel do campeonato. Ninguém duvida também que as individualidades mais relevantes, ao nível da qualidade técnica e criatividade, jogam no Benfica. Facilmente se percebe que a equipa com a melhor organização de jogo, no ataque e na defesa, é a do clube da luz. Então, como é que se explica que organizações com processos inferiores, como é o caso do Porto e do Sporting, com menor qualidade individual (mais que evidente nas unidades ofensivas), tenham mais golos marcados do que o Benfica? A que se deve isto afinal? Simples. Ainda são os jogadores que jogam. E os jogadores são homens. E os homens erram.


Eu dou a táctica para que me ataquem pouco (criem poucas situações de golo), e para que assim que seja possível, em campo, encontrar as possibilidades de passe (criação de linhas de passe, posicionamento em posse). Para que nos últimos metros os jogadores mais desequilibradores (criativos, e com qualidade técnica) façam o resto”
Guardiola

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2366 artigos
Criador do Lateral Esquerdo, é também professor no Estádio Universitário de Lisboa. Treinador de futebol, tendo almejado diversos titulos nacionais. Experiência como coordenador de futebol formação e palestrante em diversas Faculdades de Desporto. Autor do livro "Construir uma equipa campeã" da editora PrimeBooks.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*