Treinadores de futebol

“O melhor treinador é o maior dos ladrões”. Fabio Capello.
Na actualidade, não é difícil ver e rever os jogos de qualquer equipa, seja ela qual for. Com bons jogadores (e qualquer equipa dos três grandes em Portugal os tem. Uns melhores que outros, é certo), as possibilidades são infinitas. Não é assim tão difícil explicar posicionamentos e comportamentos a adoptar, nem reproduzir exercícios de treino que levem a potenciar as ideias dos treinadores.
Treinadores que, percebendo que as coisas não correm bem, nem se dignam a copiar o que de melhor fazem os outros, não podem ser tidos como bons profissionais.
P.S. – Na imagem surge Quique Flores, somente para que não se centre exclusivamente em Paulo Sérgio.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3046 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

4 Comentários

  1. Isso é tudo muito verdade!
    O problema é quando as ideias se baseiam apenas no aspecto físico do jogo e dos jogadores (no caso do Sr. da foto) ou no "grito" e no "espírito de grupo" (no caso do Paulo Sérgio)…
    E isto em profissionais a treinar equipas de topo, deveria ser inaceitável! Mas não é…

  2. PB,
    Que opinião fazes do Jesualdo?

    A) Muito bom treinador.
    B) Bom treinador, mas incompleto.
    C) Treinador mediano com graves falhas mas algumas qualidades que até são boas.
    D) Mais um que passou uma vida inteira como adjunto do Carnide e por isso pouco ou nada evoluiu, à semelhança do Neca.
    E) Entendido do jogo mas cuja competência não se centra num futebol atraente.
    F) Pouco competente, embora tri-campeão.
    G) Quando era adjunto do Toni no Carnide, aí é que ele era bom.
    H) No Alverca foi ele quem potenciou o novo Eusébio. Mantorras, não Akwa.
    I) Treinador ridículo com a mania que é Rui Caçador.
    J) Melhor que o Quique mas pior que Fernando Santos.
    K) Pior que Quique mas ainda pior que Fernando Santos.
    L) Uma mistura de Ten Shin com Krilin, sem especiais poderes.
    M) Um velho doente que não sabe a quantas anda.
    N) No Braga até esteve bem.
    O) Oh para mim que sou tão bom, chamo-me Jesualdo e só ao fim de 60 anos é que fiz qualquer coisa.
    P) Porque tinha o Lisandro, porque senão nem assim.
    Q) Outra.

    PB, na tua visão de especialista e enquanto treinador, tu próprio, como avaliarias o teu colega Jesualdo? E por favor não respondas "não falo de colegas de profissão" porque isso não é resposta. Acabaste de versar sobre o Quique Flores, por isso …

  3. MM, até podes dizer que sou colega de profissão do Jesualdo, mas não como treinador 🙂

    Responderia algures entre a A e a B. É bom treinador. Excluindo o Mourinho e o JJ, é o melhor portugues (se a idade nao lhe minou o cerebro). (Ahhh e há o Villas Boas… de quem ainda falta perceber muita coisa)

  4. Para mim o Jesualdo não deixa de ser bom treinador, mas é um treinador medroso, que tem medo de assumir posturas mais agressivas para as suas equipas.
    Mas sendo bom treinador, não me parece bom treinador para um grande, tirando um porto onde qualquer um tem sucesso, é um treinador bom para um Braga ou um Guimarães.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*