Curtas internacionais

É possível perceber que um treinador opte por vender a sua ideia e filosofia de jogo, em prol de um determinado contexto. Em competições curtas, onde não há tempo para treinar, onde as individualidades e os detalhes jogam um papel importante “vale tudo”, dizem. O que não percebo é o motivo pelo qual os treinadores que têm “sucesso” com uma determinada forma de jogar não consigam analisar o contexto, e perceber que o sucesso foi mais obra dos detalhes e das individualidades, que da  força da organização. Não percebo como é que não se conseguem desligar do “momento” e melhorar.
Em tempos Van Gaal dizia, na previsão da final da Liga dos Campeões contra o Inter de Mourinho, que o ele propunha à sua equipa e desafiava os seus jogadores a fazer era mais difícil do que aquilo que Mourinho fazia. Hoje, não sei se isso corresponderá à realidade. Ou haverá algo mais fácil do que bater na frente, e assim ter sempre toda gente atrás da linha da bola?

Quando é que os gajos do Ballet Branco percebem que não tem piada nenhuma deixar regularmente o seu melhor central no banco?

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3379 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*