Múltipla da semana

VILLARREAL X LEVERKUSEN

Em 442 extremamente bem definido para todos os momentos. Será assim que a equipa de Marcelino Toral receberá o Leverkusen depois da desilusão interna.
Em organização ofensiva os alas projectam-se em profundidade e Soldado e Bakambu, os avançados baixam à vez para jogar entre linhas. Suarez num momento extraordinário no corredor esquerdo sempre a pedir no pé para conduzir para dentro e baralhar método defensivo adversário. Em transição o pequeno grande jogador assume preponderância pela velocidade a que conduz sempre com assertividade.
Nos momentos defensivos, junta bem as duas linhas de quatro e não concede espaços. A ultima linha controla com qualidade a profundidade e tal permite um pressing mais efectivo quando a estratégia passa por ai. Equipa espanhola a acreditar numa campanha europeia de relevo e deverá adiantar-se na eliminatória na primeira mão, aproveitando os espaços que o meio campo do Leverkusen sempre concede.
Leverkseun de Roger Schmidt a surgir em Espanha depois de alguns dissabores recentes. Schmidt lidera uma equipa ofensiva e de grande qualidade individual, ainda que permeável defensivamente.
Dificuldade na transição defensiva, porque abre demasiado a equipa e coloca também médio(s) centro à frente da linha da bola, sendo demasiadas vezes apanhado desequilibrado no campo após a perda.

Mesmo em organização o seu 442 permite espaço dentro do bloco. Individualmente uma qualidade tremenda. Bellarabi à direita, Hakan no corredor esquerdo, e Chicharito com Kissling ou o suíço Admir na frente, dão largura e profundidade com qualidade nos momentos ofensivos. Kramer e Kample são a habitual dupla do meio campo e têm sempre uma ideia de jogo muito ofensiva, caindo no corredor lateral ou dando profundidade, deixando a equipa exposta nas transições. Ainda que muito interessante, a pouca preocupação com comportamentos defensivos trará dificuldades grandes perante um Villarreal com um ataque de excelência. 
LIVERPOOL X MAN UTD
Liverpool de Klopp em 4231. Em organização defensiva pouco trabalhada a equipa do alemão. Posicionamentos definidos pelo sistema e não pela dinâmica. Ausência de coberturas e de trabalho posicional da última linha em função da situação de jogo. Também na transição defensiva há dificuldades. A qualidade da sua ultima linha não está à altura da história do clube.
É com bola que surgem as melhores ideias do Liverpool, ainda que faltem jogadores diferentes para que a orquestra de Klopp seja mais atraente.
Jogando em casa perante, a dinâmica de Coutinho possivelmente de regresso, com Henderson e Milner nas costas de Firmino causará estragos. Mobilidade e jogo entre linhas adversárias dão grande favoritismo ao Liverpool.
United de Van Gaal com baixas importantes para a partida da primeira mão.
Em 4231 sem Rooney para criar. Duplo pivot com Carrick e Herrera. Mata entre linhas no corredor central e corredores laterais entregues aos velozes Lingard e Martial, com o jovem Rashford como ponta de lança.
Pouca criatividade entre linhas, pouca capacidade para criar desequilíbrios com pouco espaço, a ideia de Van Gaal vinga sobretudo quando com espaço Martial recebe nas transições.
Defensivamente pouca articulação entre os elementos da última linha causam enorme insegurança perante mobilidade adversária.
FENERBAHCE X BRAGA
Em 4231 a equipa turca orientada por Vitor Pereira. Raúl Meireles em duvida para a partida, jogando integrará o duplo pivot defensivo que funciona em Mais pressionante / cobertura consoante o lado da bola. Defensivamente a equipa do Fenerbahce concentra-se do lado da bola e cria constantes zonas de pressão de onde não é fácil sair com bola jogável. Controla profundidade e largura sempre em campo curto.
Ofensivamente bastante menos atraente. Muitas diferenças para o jogo de posse que lhe era conhecido, muito pela menor qualidade dos jogadores. Mais forte a sair em transição pela qualidade com que faz a bola sair do centro do jogo para entrar em Nani ou Markovic (Baixa importante). Prevê-se domínio turco mas com a qualidade dos portugueses na transição, um possível empate na Turquia.
Fantástico Braga de Paulo Fonseca na Turquia, para ter bola e ser objectio.
442 com linhas muito juntas nos momentos defensivos. Boas coberturas e capacidade para reequilibrar rapidamente e extremos que percebem quando fechar na linha dos outros três médios, ou o momento de subir rápido para receber na transição.
Qualidade técnica e ideias nos momentos ofensivos. Encontra sempre soluções para jogar e fazer a bola chegar à criação pela relva. Ai, entre linhas, Alan, Rafa e Pedro Santos combinam e servem Hassan, o ponta de lança que se movimenta e finaliza com qualidade.
Transição ofensiva de excelência sobretudo quando conduzida por Rafa. O português tem uma capacidade incrível para desequilibrar enquanto conduz, deixando adversários para trás e definindo com qualidade extra a finalizar. Estará na Turquia para fazer golos e previsivelmente para não perder!

                                                                                                                                                     
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3013 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*