Nolito Nolito Nolito

Há quem justifique a presença de Nolito em campo pela roja com um “faz sempre falta alguém capaz de desequilibrar individualmente”.

Curiosamente, desde a primeira hora que o vimos, e assim continua, é precisamente pela capacidade que tem de se integrar em termos colectivos que o espanhol impressiona.
Tudo o que faz tem ideias. Não há uma acção em Nolito que não seja pensada. Nada sai só porque sim. É incrível! Desde sempre demonstrou uma capacidade quase anormal de jogar com todas as variáveis. Muito mais do que somente posicionamentos, espaços ou timings mas até com posição de corpo de adversários e colegas. Todas as variáveis possíveis e imaginárias a condicionarem todas as suas decisões. Um génio a nível cognitivo como poucos. Imagina e vê tudo.
Em Outubro de 2011 (passível de espreitar na etiqueta Nolito) escrevia-se:
“Não há como não o admirar.
Se há jogadores que devem ser valorizados são os que sendo particularmente inteligentes, têm capacidade técnica para colocar na relva o que a mente alcança.
Há quem creia que Nolito é demasiado individualista. Jorge Jesus até faz parte do lote dos que têm uma percepção errada sobre as capacidades do espanhol. Se há algo porque se destaca é precisamente pela sua competência colectiva. São os timings para soltar a bola, é o trabalho para receber a bola, na forma como simula a profundidade para vir receber no pé, ou como se desmarca em ruptura quando o espaço à sua frente assim exige.
Dos seus pés, é certo que a bola sairá jogável. A sua capacidade de decisão de tão boa chega a ser invulgar nos jogadores que jogam no corredor lateral. É louvável a forma objectiva como joga, e aprazível a sua incessante procura do corredor central, onde as opções se multiplicam, a cada momento.
Menos rápido e menos talentoso que tantos outros, é a sua capacidade para definir com assertividade os lances que o tornam um jogador de eleição. É uma das figuras da Liga. De lamentar somente que tal se perceba somente pelo número de golos que já obteve. É que o seu jogo vai muito para além da sua competência na hora de finalizar.”

O espanhol é a prova de que há demasiados jogadores fabulosos que passam pelos pingos da chuva sem serem reconhecidos. Esteve à beira de ser apenas mais um o craque que chegou à Luz proveniente da Catalunha. Porque o futebol merece, à beira dos trinta chegou onde sempre mereceu estar.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3046 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*