Anatomia de um golo. Fejsa a ligar fases.

mesmo na construção já o vemos arriscar passes verticais a queimar linhas à procura de alas ou avançados

Escrevia-se sobre Fejsa num texto recente publicado aqui.

fesja1

Um passe (Fejsa – Mitroglou) a ultrapassar seis adversários, a deixar o Paços de Ferreira com apenas 3 jogadores atrás da linha da bola.

fesja2

Mitroglou com muita qualidade vai conseguir rodar e jogar dentro, e a velocidade de Guedes colocá-lo-à mais rápido no centro de jogo que os defesas dos castores.

Superioridade criada, com origem na ligação de Fejsa na construção com Mitroglou na criação.

P.S- Muito agradecido aos vários que já estão a ajudar-nos no Patreon! Terão sempre prioridade nos temas dos artigos e podcasts. Só têm que os solicitar. Continuem a ajudar qui:  Patreon. Só assim será possível manter o blog activo e/ou com conteúdos abertos a partir de Janeiro.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3011 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

6 Comentários

  1. Parece-me que existe neste golo uma questão ainda mais importante, sobre a qual gostaria de conhecer a vossa opinião.

    Existe uma “tentativa” de passagem de marcação entre o defesa com o jogador do Benfica em apoio frontal e o defesa que estava inicialmente com o GG.

    Na vossa opinião, faz algum sentido uma passagem de marcação entre jogadores de linhas diferentes quando um dos jogadores atacantes é portador? Exatamente como nesta situação …

    Numa outra situação … Concordam com uma passagem de marcação quando um portador se desloca horizontalmente ao longo de uma linha defensiva? Ou deverá o restante da linha (excepto jogador em contenção) adaptar-se de forma a garantir um comportamento típico de linha de 4?

    Se não me expliquei devidamente peço que me dêem essa informação.

    Gostaria de conhecer a vossa opinião relativamente a estas questões.

    • deixa ver se percebi o q perguntas…
      marcação… depende do corredor… n faz sentido se o Cervi vem ao lado dto, ir o def dto do Paços atrás dele… acho que responde a uma questão…

      faz sentido alguém da linha média juntar à última linha sim… depende de como queres defender (linha com quantos?)

  2. Esta num nivel incrível.

    Acho que tambem era interessante colocar o golo do salvio… optima colocacao do fejsa que faz recuperacao de bola e dá de primeira no eliseu

  3. O que acham do posicionamento do DE do Paços de Ferreira no lance? Não parece que ele já está a evitar que a bola entre no corredor lateral, obrigando o adversário a procurar soluções no corredor central? Não seria suposto ele deixar a bola entrar no corredor lateral e aí pressionar o portador da bola, se for esse o caso?

    Já nem vou falar da fraca reação dos jogadores quando a bola entra no bloco e a falta de jogadores a recuar para trás da linha da bola…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*