Quando Portugal tinha um defesa do futuro

Recentemente a convite do site Bancada recordei um jogo que me tinha sido marcante (aqui).

Recordando o jogo, tornou-se impossível não relembrar o último grande defesa central de nacionalidade portuguesa.

Ricardo Carvalho, um dos mais completos dos últimos anos. Competência incrível a perceber tudo o que se passava ao redor, a mover-se de forma rápida e assertiva em função do que o jogo pedia do ponto de vista defensivo, e um jogador com uma classe tremenda com bola no pé.

Roubar para iniciar transição. Bola sempre jogavel. Bola que não era solta porque sim, mas sempre no timing oportuno, porque é nos defesas que se devem iniciar os primeiros desequilibrios na estrutura adversária.

Ricardo Carvalho, um central que nasceu quase fora do seu tempo. Capaz de jogar em todas as fases e em todos os momentos. E ser-se um defesa ou médio ou avançado completo, é ser-se competente em todos os momentos e fases. E não ser dotado tecnicamente com os dois pés, cabecear bem e ter muita força. Se depois não se coloca tomada de decisão em cima dos atributos individuais.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2931 artigos
Creator of the "Lateral Esquerdo", is also a teacher at the University Stadium in Lisbon. Soccer coach, having conquered several national titles in Portugal. Experience as soccer coordinator, and lecturer at various Sports Universities. Author of the book "Build a champion team" from the publisher PrimeBooks.

14 Comentários

  1. Complementariedades à parte, colocaria o outro central da foto logo atrás. Por acaso, na história recente da seleção (últimos 20 anos), nem temos estado muito mal…

  2. Não vejo no futuro próximo algum central português que chegue a este nível. Parece-me um sector que tem sido difícil de renovar na selecção por falta de qualidade…

  3. Pena que em Portugal este tipo de qualidade não seja propriamente apreciadas.

    Basta ver as dúvidas que foram sempre colocadas em relação ao central que, na minha opinião, mais se aproximou do ricardo em Portugal(Otamendi). E também basta a ver a idolatria dos adeptos do FC Porto em relação ao Felipe,que é o que é porque teve a felicidade de nascer rápido, alto e forte, não sendo de particular qualidade em nenhum dos momentos do jogo.

    Quer-me parecer que a cultura do físico ainda impera muito nesta posição e que isso tem impedido a formação de novos Ricardos Carvalhos e levou a que neste momento a qualidade dos centrais portugueses seja bastante fraca.

  4. Maldini, tenho para mim que o Daniel Carriço terá sido aquele jovem (não hoje) que apareceu com o perfil mais próximo de Carvalho. Que achas?
    Hoje em dia, toda a gente procura o novo Varane, mas, incrivelmente, mais pela características físicas. Antes, centrais queriam-se grandes e duros. Hoje, grandes, rápidos e com alguma saída de bola. 🙂

  5. Sem dúvida… Um jogador fantástico! Incríveis as épocas que fez no FCP e no Chelsea. Lembro-me de ficar de boca aberta com este rapaz.

  6. O Fonte e o Bruno Alves não estão muito longe do Carvalho. Ainda hoje se viu isso, quantas jogadas de ataque não começaram por aqueles passes teleguiados destes dois? Vi tantos passes a rasgar que parece que estava a ver um jogo do campeonato brasileiro…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*