Ederson. Quando um guarda redes condiciona todo um jogar.

Muito se discute sobre se Júlio César tem ainda a qualidade necessária para ser o guarda redes do Benfica na temporada 2017 / 2018.

Não é somente a condição física e clínica do experiente guarda redes brasileiro que importa perceber.

É “somente” a troca de um guarda redes por outro. Contudo, o que está em causa é bastante mais. É todo um jogar que fica condicionado.

Para quem defende tantas vezes no limite do risco na profundidade, sempre com linha bem alta, fazê-lo com Júlio César é um risco que dificilmente compensará o posicionamento defensivo. O espaço nas costas da defesa deixa de estar preenchido com não apenas uma velocidade de raciocínio e de decisões, mas também com a velocidade de Ederson a mover-se.

Não serão apenas as soluções ofensivas que oferecia o agora guarda redes do City que farão demasiada falta no jogo encarnado. Sobretudo, será a forma como aparecia a ligar o espaço nas costas da sua defesa que mais será sentida a partida de Ederson.

 

Ele tem esta qualidade nos pontapés de baliza. Quando os adversários fazem pressão alta e é complicado, agora temos a hipótese de colocar a bola na outra área e, claro, de ter um pouco mais de espaço no meio

Quando eu estava no Bayern Munique, jogámos contra o Benfica na Liga dos Campeões e o Ederson estava lá. Quando tentámos analisá-lo, vimos que ele bateu quatro ou cinco vezes daquela forma e depois reunimo-nos para dizer: “Companheiros, o que é aquilo?

O Ederson mostrou-nos coisas fantásticas durante este período, não apenas nos pontapés de baliza, mas também defendeu várias bolas e fechou depressa o espaço aos avançados»

Ele decide sempre bem, nos passes longos e curtos e lê bem as decisões. Foi por isso que eu o quis, porque para competir ao mais alto nível precisamos de dois excelentes guarda-redes

Pep Guardiola

Sobre Paolo Maldini 3801 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

2 Comentários

  1. Poderá estar aqui a principal razão para o número extraordinário de golos que o Benfica tem sofrido. A adaptação do modelo a outros intérpretes. Maldini achas que o Bruno Varela oferece mais ao Benfica do que o Júlio César neste momento?

1 Trackback / Pingback

  1. City de Guardiola. Influências de Conte na Premier. Ederson. – Lateral Esquerdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*