Liverpool de Klopp na Audi Cup, a preparar os grandes confrontos.

O perfil que vem contratando Jürgen Klopp não deixa demasiadas dúvidas sobre como pensa o treinador alemão resolver os jogos mais complicados na Premier League.

Organização defensiva com uma linha média a cinco elementos, controlando melhor em toda a largura do relvado, possíveis entradas da bola no espaço entre defesas e médios, linha defensiva suficientemente próxima da linha média para que a cada bola que entre, seja possível com agressividade condicionar portador para que não consiga enquadrar, última linha o mais alta possível, com guarda redes mais adiantado a controlar também o espaço nas costas dos defesas, e paciência para esperar o momento em que recupera e sai para o contra ataque ou ataque rápido com a velocidade dos seus alas, sempre a chegarem mais rápido que laterais contrários ao último terço.

Quem não aproveita o contra ataque é estúpido

José Mourinho

No “Das Reboot – How german reinvented itself and conquered the world” é referido o facto de uma percentagem demasiado significativa dos golos surgirem sobretudo nos primeiros 6 a 10 segundos pós recuperação da bola.

É com tal premissa na mente que Klopp vem aprimorando um modelo que pretende o mais eficaz possível para provocar danos nos adversários quando estão mais expostos.

Com Coutinho que se move mesmo com bola e decide à velocidade da luz a surgir como elemento que liga as transições ofensivas, Firmino, o avançado centro que baixa para receber ou ganhar espaço para o aparecimento dos velozes Salah, Sturridge ou Mane, a equipa de Klopp vai-se preparando para ser uma das melhores a nível Europeu a explorar os momentos que se seguem à recuperação da posse.

Sobre Paolo Maldini 3791 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

3 Comentários

  1. O pior é que o Liverpool vai encontrar este tipo de jogos em menos de 50% da época. Durante a maior parte da época, o Liverpool vai enfrentar adversários que os vão obrigar a resolver as situações em ataque posicional.

    Na época passada aconteceu o mesmo. Muito fortes contra as melhores equipas, mas fraquinhos contra os outros.

    • Pois, foi isso que pensei também enquanto via este jogo…

      Isso e o facto das equipas do Klopp terem sempre muitas lesões, quando chegar Dezembro/Janeiro será uma razia…

      Por isso, acredito que estejam na corrida pelo título até +/- meio da época, depois irão cair…

      Acredito mais numa boa figura nas taças e na Champions.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*