Grimaldo, e o trabalho invisível de Jonas

As situações de finalização são criadas por toda a equipa e não apenas pelo ataque. É preciso abrir espaços nas zonas de construção

Sérgio Conceição

Na Vila das Aves o Benfica rubricou o seu melhor jogo fora de casa na presente época.

Por mais de uma ocasião foi capaz de ligar o seu jogo pelo espaço interior, chegando às costas dos médios adversários, enfrentando portanto menos oposição, e porque por dentro, com possibilidades várias de chegar à baliza.

Uma das ocasiões em que tal sucedeu foi na génese do segundo golo dos encarnados.

O trabalho de Grimaldo é bem visível e importante, desmontando em posse a organização adversária, pelo drible, sendo novamente o primeiro e tantas vezes decisivo desequilibrador ofensivo do jogo.

Não tão visível o movimento de arrastamento de Jonas que permite a Augusto receber nas costas da linha média adversária e a partir dai orientar ataque para dentro, onde Jonas com espaço procurou a finalização de uma zona onde tantas vezes faz a diferença. O término do lance é uma felicidade proveniente de um ressalto. Todavia, o mais difícil foi feito antes.

A diferença ofensivamente faz-se em cada metro, e não apenas nos jogadores mais adiantados e / ou que têm a bola nos pés.

 

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3767 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

3 Comentários

  1. Coisas com que fiquei a impressã: Jonas veio muito mais atrás nesse jogo ajudar o meio (não foi só nesse lance); Filipe Augusto apareceu muito mais solto a dar linhas de passe e a dar bolas verticais (algumas boas antecipações dos adversários, mas o Brasileiro a mostrar-se muito mais do que um Fernando Aguiar desta vida). Confere ou isto já vai no patológico para o meu lado?

  2. Fazer avançar Grimaldo. Não sei se já alguém lançou esta hipótese mas parece-me que colocar Grimaldo a médio/extremo esquerdo poderia fortalecer o futebol do Benfica. Garantia mais posse, mais capacidade de ruptura através de combinações com Pizzi e sobretudo com Jonas. Melhor definição dos lances e, em simultâneo maior consistência defensiva (fruto da sua posição actual).
    Uma simples mudança que poderia mexer muito com a equipa sem que fosse necessário proceder a alterações radicais na equipa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*